Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

Riccardi Andrea: revista de imprensa

change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
23 Fevereiro 2016

Paolo Ricca: a pena de morte é homicídio de estado, a Bíblia mostra que Deus é o primeiro “abolicionista”

A pregação do pastor valdese na oração de Sant’Egídio em Santa Maria em Trastevere a 22 de Fevereiro de 2016

 
versão para impressão
Pregação do pastor valdese Paolo Ricca na oração da Comunidade de Sant’Egídio.
Santa Maria em Trastevere, 22 de Fevereiro de 2016.

Gn, 4, 13-15
Mt, 5, 21-24

Caros irmãos e caras irmãs,

hoje aqui em Sant’Egídio, teve lugar um convénio pela abolição da pena de morte e o amigo Paolo Sassi pediu-me para dedicar esta breve reflexão bíblica ao tema da pena de morte e da sua abolição. Por esta razão escolhi as duas passagens que foram lidas, passagens muito conhecidas, e de tal forma claras que não têm necessidade de nenhuma explicação.

Aquilo que seria necessário explicar não são estes dois trechos, que falam por si sós. Mas seria necessário explicar como é possível, perante palavras de tal forma claras, de tal forma inequívocas, nos países de tradição crirstã (que conhecem, lêm, ensinam a sagrada escritura e ensinam também mesmo as passagens que lemos); seria necessário explicar como é possível estes países continuarem a manter e a praticar – mesmo que de forma decrescente, graças a Deus – a pena de morte.

Seria necessário explicar não estes textos,  tão claros, tão límpidos, tão inequívocos; mas a necessidade é explicar como é possível que países que consideramos civilizados continuem a cometer estes atos de pura barbárie.
Seria necessário explicar como é possível que os estados – que punem severamente, como é também justo, o homicídio – cometam eles próprios aquilo que é um homicídio de Estado. A pena de morte é um homicídio de estado.
Mas voltemos a estes dois textos. O primeiro contem aquela que podemos considerar a palavra decisiva, entre todas as palavras que existem na Biblia, contra a pena de morte. Deus – lemos – “colocou um sinal em Caim, a fim de que ele não fosse morto por quem o encontrasse”. Deus é o primeiro a “abolir” a pena de morte.

Melhor ainda; não se trata de abolir  apena de morte, mas de impedir que exista a pena de morte, que seja instituída. Isto é: segundo esta passagem, o assassino – Caim, fratricida – tem em algum lado um sinal que Deus lhe colocou. Este homem não deve ser morto. Segundo esta passagem, a pena de morte não deveria jamais ter sido instituída.

Se os homens, a Humanidade no seu todo, pessoas singulares e estado, vivessem levado a sério este sinal colocado por Deus em Caim….
O que é, no entanto, este sinal? Como sabem provavelmente, foi dado um numero quase incalculável de interpretações a este sinal; mas a mim parece-me que a mais simples das interpretações seja esta: o sinal que Deus coloca em Caim é um sinal de posse. É como se Deus dissesse: “Caim, pertences a mim, não pertences a ti”.

Sejas tu apenas a única pessoa que alimenta a vingança contra este assassino, quem quer faze-lo pagar, quem quer dar o troco, “olho por olho, dente por dente”; sejas tu a única pessoa, seja a sociedade, de que vale defender e punir para dar uma lição para que outros não façam como Caim: qualquer que seja a situação, o que daqui se torna claro é o sinal, um sinal de pertença. Deus diz: “Caim é meu não é teu. Com Caim preocupo-me eu, não tens que te preocupar tu”.
E – como ouviram – não é que Deus perdoe Caim. Ao contrario: condena-o. “sereis vagabundo e fugitivo sobre a terra. Estarás em fuga permanente, procurarás fugir de ti próprio; procurarás fugir do crime que cometeste; o fantasma do teu irmão Abele acompanhar-te-á nesta fuga impossível. Não terás paz.”

Ainda não tinha vindo Jesus, que é morto por Caim e por todos os Caim da História humana.
Caim não terá paz, porque nenhum assassino pode ter paz se não encontrar Jesus. Caim não podia encontrar Jesus.
Assim, não è que Caim seja tratado por Deus como se nada se tivesse passado: não. Caim transporta o peso do seu delito, mas vive! Vive. Não pode ser morto porque Deus o “sequestra”, por assim dizer, coloca um sinal de pertença a Deus. E este sinal de Deus sobre Caim impede a pena de morte: neste sentido, Deus é o primeiro “abolicionista”.

A segunda palavra, aquela de Jesus, vai para alem da marca de Caim. Em que sentido? No sentido que Jesus diz, praticamente: “Ouvistes o que foi dito aos antigos?: não matarás”. Mas eu digo-vos que existem tantas formas de matar. Pode matar-se também coma  palavra. “as palavras são pedras”, dizia Carlo Levi. Mas as palavras são também punhais. Pode verdadeiramente matar-se com as palavras. Existem tantas formas de matar, disse Jesus. Isto é, a morte pode-se disfarçar de tantos modos; também, neste caso, através de uma palavra, mas de tantos outro modos. Se por exemplo se abolir a pena de morte mas se continuar a produzir armas, continuarse-á a produzir morte, porque as armas matam mesmo quando não se usam: matam quando são feitas quando são construídas.
Se abolires a pena de morte mas consideras divinas, sacras, as leis do mercado, tu produzes morte, com as leis: muitas leis são mortais.

Eis a grandeza da palavra de Jesus, que nos faz entender que existem muitas formas de matar. E existindo muitas formas de matar, a abolição da pena de morte, sacrossanta como é, não pode ser outra coisa que não o primeiro passo em direção aquela que é a verdadeira missão, a abolição da morte. Devemos passar da abolição da pena de morte à abolição da morte! Não falo da morte natural: também Jesus sofreu esta morte. Mas falo das mil formas de morte que surgem no nosso mundo de hoje. Sempre aconteceu, mas parece que acontece sempre mais.
 
E assim, da abolição da pena de morte, devemos “programar”, por assim dizer, a abolição da pena de morte em todas os mil modos nos quais ela se manifesta; e que o “programa de Jesus” digamos assim, é de ir além da marca de Caim,  é promover não apenas a abolição da pena de morte: que este seja o programa de jesus que nos deu o sinal na sua Ressureição, que é de facto o conteúdo final e pleno do Evangelho cristão e que é a abolição da morte. Ámen.


 LEIA TAMBÉM
• NOTÍCIA
30 Novembro 2016

Dia 30 de Novembro ao vivo do Coliseu de Cidades pela Vida contra a pena de morte

IT | EN | ES | DE | FR | PT | CA | ID
30 Novembro 2016
ROMA, ITÁLIA

O Coliseu ilumina-se para dizer nunca mais à pena de morte no mundo

IT | ES | FR | PT
26 Novembro 2016

No Advento, começamos a publicar a Palavra de Deus todos os dias em Inglês, Francês, Alemão, Espanhol e Português no Facebook

IT | EN | ES | DE | PT
25 Novembro 2016

30 de Novembro: Cidades pela vida contra a pena de morte

IT | EN | ES | FR | PT | CA | ID
24 Outubro 2011

O Espírito de Assis: 25 anos de Oração pela Paz

IT | EN | ES | DE | FR | PT | CA | NL | RU
todas as notícias
• IMPRIMIR
1 Dezembro 2016
Main-Post

Wie Joaquin Martinez dem elektrischen Stuhl entkam

1 Dezembro 2016
Avvenire

Città illuminate contro il buio delle esecuzioni

1 Dezembro 2016
Gazzetta di Parma

«Ho chiesto la grazia per l'assassino di mia figlia»

1 Dezembro 2016
Roma sette

Anche Roma tra le “Cities for life”, contro la pena capitale

1 Dezembro 2016
Notizie Italia News

30 novembre, Giornata Mondiale delle Città per la Vita, contro la Pena di Morte

30 Novembro 2016
Radio Vaticana

Pena di morte, Sant’Egidio: oggi oltre 2.100 città del mondo si mobilitano per “Cities for Life 2016”

todos os press releases
• PENA DE MORTE NO
24 Setembro 2015

Pope Francis calls on Congress to end the death penalty. "Every life is sacred", he said

12 Março 2015
Associated Press

Death penalty: a look at how some US states handle execution drug shortage

5 Março 2015
Associated Press

Nitrogen gas executions approved by Oklahoma House

28 Fevereiro 2015
Reuters

Australian PM strikes conciliatory note over Indonesia executions

28 Fevereiro 2015
AP

US Supreme Court won't lift stay in Florida execution

25 Fevereiro 2015
Reuters

Saudi court gives death penalty to man who renounced his Muslim faith

21 Fevereiro 2015
AP

New Oregon governor will continue death penalty moratorium

15 Fevereiro 2015

Archbishop Chaput applauds Penn. governor for halt to death penalty

ir para nenhuma pena de morte
• DOCUMENTOS

Preghiera per Elard Alumando

Mario Marazziti: rifiutare la logica della pena di morte per non cedere alla trappola del terrore

Statement by Minister J. Kamara on the death penalty in Sierra Leone

Vice President Mnangagwa: Zimbabwe's steps toward the abolition of the death penalty

Jean-Louis Ville: Europe is against the death penalty.

Cambodian Minister of Justice, Ang Vong Vathana: Cambodia as a model of Asian country without the death penalty

todos os documentos
• LIVROS

La parola di Dio ogni giorno 2017





San Paolo

Das Wort Gottes jeden Tag 2016/2017





Echter Verlag
todos os livros

FOTOS

520 visitas

437 visitas

515 visitas
todos os meios de comunicação relacionados

Per Natale, regala il Natale! Aiutaci a preparare un vero pranzo in famiglia per i nostri amici più poveri