Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

Riccardi Andrea: revista de imprensa

change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
28 Fevereiro 2014

As Igrejas da Ucrânia dizem não à violência, devemos sanar tudo o que dificulta a construção de uma paz verdadeira

O apelo do Arcebispo Shevchuk, primaz da Igreja Greco-católica Ucraniana

 
versão para impressão

 24 de Fevereiro de 2014

Santa Maria em Trastevere
Oração pela paz na Ucrânia
 
Marcos 9, 14 – 29 
 
Ia ter com os seus discípulos, quando viu em torno deles uma grande multidão e uns doutores da Lei a discutirem com eles. Assim que viu Jesus, toda a multidão ficou surpreendida e acorreu a saudá-lo. Ele perguntou: «Que estais a discutir uns com os outros?» Alguém de entre a multidão disse-lhe: «Mestre, trouxe-te o meu filho que tem um espírito mudo. Quando se apodera dele, atira-o ao chão, e ele põe-se a espumar, a ranger os dentes e fica rígido. Pedi aos teus discípulos que o expulsassem, mas eles não conseguiram.» Disse Jesus: «Ó geração incrédula, até quando estarei convosco? Até quando vos hei-de suportar? Trazei-mo cá.» E levaram-lho.
Ao ver Jesus, logo o espírito sacudiu violentamente o jovem, e este, caindo por terra, começou a estrebuchar, deitando espuma pela boca.
 Jesus perguntou ao pai: «Há quanto tempo lhe sucede isto?» Respondeu: «Desde a infância; e muitas vezes o tem lançado ao fogo e à água, para o matar. Mas, se podes alguma coisa, socorre-nos, tem compaixão de nós.» «Se podes...! Tudo é possível a quem crê», disse-lhe Jesus. Imediatamente o pai do jovem disse em altos brados: «Eu creio! Ajuda a minha pouca fé!» Vendo, Jesus, que acorria muita gente, ameaçou o espírito maligno, dizendo: «Espírito mudo e surdo, ordeno-te: sai do jovem e não voltes a entrar nele.» Dando um grande grito e sacudindo-o violentamente, saiu. O jovem ficou como morto, a ponto de a maioria dizer que tinha morrido. Mas, tomando-o pela mão, Jesus levantou-o, e ele pôs-se de pé. Quando Jesus entrou em casa, os discípulos perguntaram-lhe em particular: «Porque é que nós não pudemos expulsá-lo?» Respondeu: «Esta casta de espíritos só pode ser expulsa à força de oração.».
 
 
Homilia de Sviatoslav Shevchuk , Arcebispo Maior de Kiev - Halyč, primaz da Igreja Greco-católica Ucraniana.
 
Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
Boa noite a todos.
Ao vir nesta igreja, orando convosco, eu me sinto em casa. Já sou vosso irmão. Lembro-me de quando a última vez, viemos para orar na vossa Comunidade; depositámos na basílica de São Bartolomeu o nosso tesouro: as relíquias dos nossos mártires.
Mas naquele momento nunca me passou pela cabeça que teríamos novos mártires, que a violência iria manifestar-se na nossa terra.
Mesmo nestes três meses a Ucrânia estáa viver o momento, talvez, mais difícil de sua história.
As pessoas finalmente se rebelaram contra as mentiras, a corrupção, a ditadura, contra um governo despótico, que para fins políticos tem usado a dor e o sangue daquele povo que deveria servir.
Como sabem bem por três meses na Ucrânia experimentámos momentos de um protesto pacífico. Alguns diziam que os ucranianos descobriram uma nova forma de protesto:
só ficar na praça, sem se mexerem e ficaram centenas de milhares de pessoas, mesmo quando a temperatura caiu para 29 graus abaixo de zero.
Mas na semana passada , uma escuridão cobriu a cidade de Kiev: um atirador, com sangue frio, matou mais de 100 pessoas. Pessoas que estavam a ajudar os outros, que queriam salvar as vidas dos feridos. Verdadeiramente estas vítimas têm um pouco despertado o país.
Sentímos uma profunda rejeição da violência. Todas as Igrejas na Ucrânia abertamente disseram não à violência. Quarta e quinta-feira passadas as nossas catedrais, aquela Latina, a greco-católica, na cidade de Kiev, tornaram-se salas de cirurgia, onde se operavam as pessoas que não podiam ser transportadas em outro lugar. Mas esses dias de sofrimento, de lágrimas, despertaram de novo de uma forma surpreendente a solidariedade. As nossas Igrejas tornaram-se centros de solidariedade humana e cristã e, mesmo graças a esta unanimidade, conseguimos pôr fim à violência. Alguns dizem: para o momento. Porque ninguém sabe como isso vai acabar. Por isso vim até aqui para pedir a vossa solidariedade.
A Comunidade de Sant’Egidio é conhecida em todo o mundo, porque sabe orar pela paz. Peç-vos, talvez todos os dias, pelo menos um Pai Nosso e uma Ave Maria pela paz na Ucrânia.
Mas vós não apenas oram, mas constroem a paz . Em muitos conflitos no mundo a vossa Comunidade foi verdadeiramente uma mediadora e uma construtora da paz. Mesmo neste conflito pedimos a vossa solidariedade, a vossa mão.
Estou convencido de que o Senhor está presente ao lado dos que sofrem. Antes de sair para Roma visitei estes hospitais clandestinos no centro da cidade. Entrei na Igreja Luterana, mesmo ao lado do prédio da administração do presidente, e naquela Igreja Luterana sempre houve pelo menos 10 pessoas feridas. Quando quis agradecer ao pastor luterano, ele me disse: não tem de agradecer porque percebemos que ali, na praça, e aqui na igreja, Cristo está presente na pessoa deste ferido que agora estamos a ver entre nós.
O Cristo está presente, está operativo, ele é a nossa esperança. Ele é a nossa paz, ele é a nossa luz e realmente abre para nós, juntamente com os outros, uma possibilidade pacífica:
Tratar as feridas. Não apenas as do corpo.
Na verdade, agora existem milhares de feridos. Alguns países europeus vizinhos, como a Polónia, a Eslováquia, a República Checa, incluindo a Lituânia, acolheram dezenas de feridos.
Jovem com 20 anos perderam um braço, um olho.
Esta possibilidade de tratar as feridas do corpo é importante, mas estão feridas, de modo espiritual, também as almas. Temos de pôr fim ao ódio, ao rancor. Devemos sanar tudo o que dificulta a construção de uma paz verdadeira.
Que Cristo, que é a nossa paz, esteja com todos nós. Amém

 LEIA TAMBÉM
• NOTÍCIA
9 Fevereiro 2017

Sant'Egidio faz festa para os 49 anos com opovo da Comunidade

IT | ES | DE | FR | PT | CA
3 Fevereiro 2017
ROMA, ITÁLIA

Visita do Presidente do Parlamento esloveno Milan Brglez à Comunidade de Sant'Egidio

IT | ES | DE | PT
1 Fevereiro 2017
ADIS ABEBA, ETIÓPIA

30ª Cimeira da União Africana, uma delegação de Sant'Egidio encontra o novo presidente Moussa Faki

IT | ES | DE | PT
24 Outubro 2011

O Espírito de Assis: 25 anos de Oração pela Paz

IT | EN | ES | DE | FR | PT | CA | NL | RU
todas as notícias
• IMPRIMIR
2 Janeiro 2017
Aachener Zeitung

Zahlreiche Kerzen symbolisieren die Brandherde auf der Erde

2 Janeiro 2017
Vatican Insider

Congo, Sant’Egidio: soddisfazione per l’accordo sulle elezioni

2 Janeiro 2017
SIR

Marcia pace: Comunità Sant’Egidio, migliaia a Roma e in altre città italiane

2 Janeiro 2017
Zenit

Impagliazzo: “Dopo l’attentato di Istanbul, la nostra marcia assume un significato più forte”

2 Janeiro 2017
Gazzetta di Parma

Le vie del centro invase dai colori della pace

2 Janeiro 2017
Il Secolo XIX

Marcia della pace, in 1.500 con i profughi

todos os press releases
• EVENTOS
24 Janeiro 2017 | WÜRZBURG, ALEMANHA

Ökumenischer Gottesdienst in der Gebteswoche für die Einheit der Christen

Todas as reuniões de oração pela paz
• DOCUMENTOS

Libya: The humanitarian agreement for the region of Fezzan, signed at Sant'Egidio on June 16th 2016 (Arabic text)

Nuclear Disarmament Symposium on the 70 th anniversary of the atomic bomb. Hiroshima, August 6 2015

todos os documentos
• LIVROS

La parola di Dio ogni giorno 2017





San Paolo

Das Wort Gottes jeden Tag 2016/2017





Echter Verlag
todos os livros