Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

Riccardi Andrea: revista de imprensa

change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
21 Março 2014 | ROMA, ITÁLIA

O serviço aos pobres junta as Igrejas. Testemunhos e intervenções no congesso de Sant'Egidio

"As periferias humanas e existenciais à luz do Evangelho". Ortodoxos e católicos no caminho da caridade.

 
versão para impressão

 ROMA – Unidos no caminho da caridade, ortodoxos e católicos encontram no serviço aos pobres a mesma inspiração e um motivo comum de ser: uma teoria e uma prática surgiram fortemente do congresso sobre "As periferias humanas e existenciais à luz do Evangelho", organizado pela Comunidade de Sant’Egidio. Os pobres estão no centro do caminho ecumênico, porque "no amor para com os mais pobres já há uma bela e profunda aliança entre as Igrejas Ortodoxa e Católica", disse o cardeal Francesco Coccopalmerio, presidente do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos; os pobres são os protagonistas da evangelização, porque "o egoísmo da riqueza é o verdadeiro obstáculo ao encontro com Jesus", de acordo com o presidente de Sant'Egidio Marco Impagliazzo; por fim, os pobres estão "na origem do renascimento da vida religiosa" após as trevas do comunismo, como testemunhou o Metropolitana Juvenalij que foi observador nos trabalhos do Concílio e é agora um dos principais membros do Patriarcado de Moscovo.

O ensinamento do Papa Francis na "Evangelii Gaudium", com o seu convite para sair de nós mesmos e ir rumo aos outros para chegar mesmo a todas as “periferias humanas", foi invocado em várias intervenções. "O cenário do mundo está a mudar", observou Andrea Riccardi, fundador de Santo Egídio: "A globalização imposta pela economia financeira carece de solidariedade: afasta os pobres da vista dos ricos, os faz viver em outros ambientes, enquanto protege os ricos do contacto com eles". Para as igrejas, todas, "a ameaça não é frontal, como foi a do comunismo ateu; mas o desafio das periferias anônimas do mundo não é menos mortal e, como em todos os momentos importantes, nenhuma igreja pode aguentar sozinha. Precisamos do Espírito que vive numa e na outra; da vida que existe numa e na outra"

Dessa unidade na caridade e no serviço foram dadas inúmeros e vivos testemunhos. O presidente do Departamento Sinodal para a caridade do Patriarcado de Moscovo, Pantelejmon, descreveu "os pobres, os doentes, aqueles que suportar o sofrimento sem murmurar" como "os contemplativos do nosso tempo", o arcebispo Joan de Romênia falou de toda a Europa como de uma "periferia do mundo", porque "aqui também uma humanidade cheia de necessidades"; uma freira copta trouxe o testemunho da assistência aos pobres do Cairo; Elisa Di Pietro contou a "história de ressurreição" dos doentes psiquiátricos de Tirana que voltaram à vida e à dignidade graças ao trabalho da Comunidade de Sant’Egidio.

Em conclusão, como afirmou o presidente da Comunidade de Sant'Egidio, Marco Impagliazzo: "A partir das periferias e dos pobres compreende-se melhor a realidade humana".

Congresso

As periferias humanas e existenciais
à luz do Evangelho

ortodoxos e católicos no caminho da caridade

Sexta-feira 21 de Marzo de 2014
Salade conferências - Via della Paglia, 14/b, Roma