Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

Riccardi Andrea: revista de imprensa

change language
você está em: home - news newsletterlink

Support the Community

  
7 Setembro 2014

Andrea Riccardi: a firmeza dos pacificadores em tempos de reabilitação da guerra

 
versão para impressão
7 de Settembro de 2014

EDITORIAL

A firmeza dos pacificadores

em tempos de reabilitação da guerra

 

O nosso não é realmente um mundo de paz. As notícias e as imagens transmitidas diariamente mostram a "terceira guerra mundial", uma guerra em pequenos pedaços ou em capítulos, de acordo com a expressão do Papa Francisco. A guerra chegou na Europa com o conflito russo-ucraniano com mais de 1.100 mortes. Na verdade, l`Europa está rodeada por "capítulos" de uma

"Guerra Mundial": aqueles que se juntaram entre eles na Síria e no Iraque com a terrível batalha do "califado". Longe mil quilômetros da Sicília, enfurece a guerra civil na Líbia, com forte interferência internacional (como no conflito sírio e do Iraque). O jornal "Avvenire" afinal, quase diariamente, está a percorrer o mapa do mundo: é suficiente para mostrar que está saturado com as guerras. Neste quadro desolador, há existe uma reabilitação da violência da guerra como instrumento para fazer valer os direitos e os interesses ou para dominar. Há "poderes" que brincam com a guerra, se calhar combatida por outros.

Mas qual guerra? Chamar a atenção para as razões religiosas está claro no conflito do califado, de forma a credenciar a idéia de uma guerra religiosa. É acima de tudo uma "guerra total" que destrói o outro (cristão, Yazida, muçulmano), se não é assimilável ao seu modelo. Nestes conflitos há um recuo claro em relação ao direito humanitário e às Convenções de Genebra para os prisioneiros de guerra, os feridos e os civis. Seria suficiente parar sobre a exibição de crueldade por parte do "califado" para fazer um impressionante terrorismo midiático. Tudo isso confirma que a nossa não é mesmo um mundo de paz.

O grande risco, é _ ceder às razões e ás paixões de guerra, vistas como realidade inevitável e ferramenta necessária. É uma falha cultural: a simplificação em frente de situações complexas (que requerem intervenções). Mas também pode ser uma falha "religiosa." É evidente no mundo muçulmano, intimidado pela agressão de minorias _ totalitárias; ou capturado pelo confronto entre sunitas e xiitas. Os muçulmanos estão a enfrentar uma das maiores crises dos últimos séculos. De outra forma, a falha pode tomar até mesmo os cristãos, que se esquecem da "experiência de humanidade" da Igreja ao longo do século XX (para o qual a guerra sempre deixa o mundo pior de como o encontrou). Foi o que aconteceu quando duvidou-se da oposição vigorosa de João Paulo II contra a guerra no Iraque. Ou quando os cristãos, reduzidos ao particular, não acreditam de poder influenciar a história com uma profecia de paz.

A onda de solidariedade e indignação cristãos e pela agressão de minorias no norte do Iraque, sentida por muitos, é agora uma determinação comum para não ceder ao mal, all`aggressiva cultura de guerra. `S precisa de uma grande iniciativa de paz, capaz de envolver as pessoas (que sentem que não têm de permanecer impotente), para incentivar os governos, por vezes, sem visão. A iniciativa de propagação da paz em muitas direções: a defesa dos perseguidos, a solidariedade, a diplomacia un`azione envolvendo todos os atores, mas também a retomada do diálogo a todos os níveis. Quero me concentrar nisso. Eu faço nell`imminenza de uma reunião entre líderes religiosos no espírito de Assis, em Antuérpia, na Bélgica, que abre hoje, promovido pela Comunidade de Sant`Egidio. Longe cent`anni da guerra européia, que se tornou religiões do mundo se perguntam sobre "O futuro é a paz."

As religiões, apesar das suas diversidades, falam de um destino comum da família humana. O diálogo entre elas, aquele com os humanistas, a atenção às situações de crise subtraem-nas das atrações fatais da cultura de conflito: O encontro faz emergir com força, como em Assis, em 1986, uma mensagem de paz. Recentemente, o Papa Francisco afirmou: "o mundo sufoca sem diálogo." Temos que de novo fazer respirar o diálogo em muitos mundos e ambientes. Então, na verdade, ressuscita a esperança de que a paz seja possível. Isto não é para sugerir idéias pacifistas, mas uma convicção adquirida por viver com os olhos abertos a história do último século. É acima de tudo o desejo de ser pacificadores num mundo que precisa disso. Sim, a firmeza dos pacificadores, não o fanatismo ou o totalitarismo daqueles que cultivam a violência e a guerra.

Andrea Riccardi


 LEIA TAMBÉM
• NOTÍCIA
12 Setembro 2017

LIVE STREAMING da conclusão de #PathsofPeace: às 17 horas oração cristã e às 18:30 cerimónia final

ES | FR | PT | CA
11 Setembro 2017

"Caminhos de paz": Contra o terrorismo educar e envolver os jovens

IT | EN | ES | DE | FR | PT | ID
11 Setembro 2017

Europa, Pöttering: "Imediatamente uma imagem para imigração legal"

IT | EN | ES | DE | PT
11 Setembro 2017

A "Caminhos de Paz", a memória dos mártires cristãos

IT | EN | DE | PT
10 Setembro 2017
MÜNSTER, ALEMANHA

A cerimónia de inauguração #Pathsofpeace: ASSISTA AO VÍDEO

IT | EN | ES | FR | PT | NL
10 Setembro 2017
MÜNSTER, ALEMANHA

Começa Caminhos de Paz em Münster - em milhares para a abertura. Chegou a Chanceler Angela Merkel, o grande Imã de Al-Azhar e centenas de representantes das religiões mundiais

IT | EN | DE | PT | NL
todas as notícias
• IMPRIMIR
21 Setembro 2017
Famiglia Cristiana

Andrea Riccardi: Ius culturae senza paura. E' il nostro futuro

15 Setembro 2017
Kirchenzeitung Köln

Die anstrengende Arbeit am Frieden

15 Setembro 2017
der Freitag

Vorbild oder Feigenblatt?

14 Setembro 2017
Deutsche Welle

"Dialog der Religionen ist nötig"

14 Setembro 2017
Domradio.de

Ein eindringlicher Appell an die Welt

13 Setembro 2017
Domradio.de

"Wege des Friedens"

todos os press releases
• EVENTOS
12 Setembro 2017

Oração ecuménica dos cristãos

MÜNSTER

St.-Paulus-Dom

MÜNSTER

Bischoefliches Priesterseminar Borromaeum - Aula

MÜNSTER

Messe und Congress Centrum Halle Muensterland

MÜNSTER

Rathaus Muenster - Rathausfestsaal

MÜNSTER

Bezirksregierung Muenster, Freiherr-vom-Stein-Saal

Todas as reuniões de oração pela paz
• PENA DE MORTE NO
7 Outubro 2015
UNITED STATES

The World Coalition Against the Death Penalty - XIII world day against the death penalty

5 Outubro 2015
EFE

Fallece un preso japonés tras pasar 43 años en el corredor de la muerte

24 Setembro 2015

Pope Francis calls on Congress to end the death penalty. "Every life is sacred", he said

12 Março 2015
Associated Press

Death penalty: a look at how some US states handle execution drug shortage

12 Março 2015
AFP

Arabie: trois hommes dont un Saoudien exécutés pour trafic de drogue

9 Março 2015
Reuters

Australia to restate opposition to death penalty as executions loom in Indonesia

9 Março 2015
AFP

Le Pakistan repousse de facto l'exécution du meurtrier d'un critique de la loi sur le blasphème

9 Março 2015
AFP

Peine de mort en Indonésie: la justice va étudier un appel des deux trafiquants australiens

28 Fevereiro 2015
UNITED STATES

13 Ways Of Looking At The Death Penalty

15 Fevereiro 2015

Archbishop Chaput applauds Penn. governor for halt to death penalty

11 Dezembro 2014
MADAGÁSCAR

C’est désormais officiel: Madagascar vient d’abolir la peine de mort!

3 Dezembro 2014

5th Circuit Court of Appeals stops execution of Scott Panetti!

ir para nenhuma pena de morte
• DOCUMENTOS

Adam Michnik

Adolfo Pérez Esquivel

Agostino Marchetto

Ahmad Muhammad Al-Tayyeb

Aisha Yousef Al-Menn'ai

Aldo Giordano

todos os documentos
• LIVROS

A Paz. Como Moçambique saiu da guerra





CIEDIMA

A Paz preventiva





CIDADE NOVA
todos os livros

VIDEO FOTOS
8:48
Benvinda Levi, Moçambique - VII Congress "A world without death penalty"
3:40:49
Reducir a mortalitade materna e fazer crescer as crianças sem SIDA
O vídeo da inauguração do programa "Bravo!" pela registação ao Registo Civil das crianças no Burkina Faso

154 visitas

152 visitas

151 visitas

143 visitas

149 visitas
todos os meios de comunicação relacionados