Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

change language
você está em: home - oraÇÃo - a oração cada dia newsletterlink

Support the Community

  

A oração cada dia


 
versão para impressão

Ícone do Rosto do Senhor
Igreja de Santo Egídio
Roma


Leitura da Palavra de Deus

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Eu sou o Bom Pastor,
minha voz as ovelhas escutam,
E serão um só rebanho e um só Pastor.

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

São Lucas 16,19-31

«Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho fino e fazia todos os dias esplêndidos banquetes. Um pobre, chamado Lázaro, jazia ao seu portão, coberto de chagas. Bem desejava ele saciar-se com o que caía da mesa do rico; mas eram os cães que vinham lamber-lhe as chagas. Ora, o pobre morreu e foi levado pelos anjos ao seio de Abraão.
Morreu também o rico e foi sepultado.

Na morada dos mortos, achando-se em tormentos, ergueu os olhos e viu, de longe, Abraão e também Lázaro no seu seio.

Então, ergueu a voz e disse: ‘Pai Abraão, tem misericórdia de mim e envia Lázaro para molhar em água a ponta de um dedo e refrescar-me a língua, porque estou atormentado nestas chamas.’

Abraão respondeu-lhe: ‘Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em vida, enquanto Lázaro recebeu somente males. Agora, ele é consolado, enquanto tu és atormentado.

Além disso, entre nós e vós há um grande abismo, de modo que, se alguém pretendesse passar daqui para junto de vós, não poderia fazê-lo, nem tão-pouco vir daí para junto de nós.’ O rico insistiu: ‘Peço-te, pai Abraão, que envies Lázaro à casa do meu pai, pois tenho cinco irmãos; que os previna, a fim de que não venham também para este lugar de tormento.’ Disse-lhe Abraão: ‘Têm Moisés e os Profetas; que os oiçam!’ Replicou-lhe ele: ‘Não, pai Abraão; se algum dos mortos for ter com eles, hão-de arrepender-se.’ Abraão respondeu-lhe: ‘Se não dão ouvidos a Moisés e aos Profetas, tão-pouco se deixarão convencer, se alguém ressuscitar dentre os mortos.’»

 

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Eu vos dou um mandamento novo:
amai-vos uns aos outros!

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

A página do Evangelho do pobre Lázaro é uma das mais conhecidas. Ela continua a descrever uma das situações mais comuns também na vida de hoje. O homem rico que banqueteia opulentamente não pertence só ao passado e nem sequer a figura de Lázaro desapareceu. Duas pessoas, duas situações. Lá em baixo, Lázaro está com os olhos postos no rico à espera de algumas migalhas e no alto, está o rico, que por sua vez, se comporta como se Lázaro não existisse; nem sequer o vê. Estava obcecado pela riqueza, uma cegueira que continua ainda hoje nas nossas cidades e no nosso mundo: uma multidão de pobres encontra-se à porta dos ricos, à porta da vida, à espera das migalhas que caem da mesa de quem banqueteia opulentamente. Na verdade, aquele rico perdeu não só o rosto mas também o nome. Deus, pelo contrário, escolhe Lázaro e chama-o por nome, como se faz com os amigos porque, rejeitado pelos homens, é amado por Deus e escolhido para participar no banquete do Céu. Para o Senhor e, portanto, para os Seus discípulos, a distância entre o rico e Lázaro é um escândalo inaceitável e não pode ter nenhuma justificação. Mas aquele grande abismo marca o destino tristíssimo do rico epulão. Infelizmente, apercebe-se disso demasiado tarde, quando já é impossível voltar atrás. E, no entanto, bastava pouco durante a sua vida. E suplica para que os seus irmãos sejam avisados. Mas o rico não sabe que para colmatar o abismo não é preciso fazer grandes esforços, basta abrir as Escrituras (Moisés e os Profetas). É o que nos é pedido em particular neste tempo da Quaresma. A Palavra de Deus toca o nosso coração e leva-o à misericórdia em direcção dos muitos Lázaros que existem nas nossas cidades. Procuremos impedir que aumente o abismo escavado entre os muitos pobres e os poucos ricos do nosso mundo. Evitemo-lo, antes de mais, escutando a Palavra de Deus e não a nós mesmos, ajudando, amando os pobres, acolhendo a necessidade e o pedido deles de terem, pelo menos, as migalhas que caem da nossa mesa. Ninguém é assim tão pobre ao ponto de não poder ajudar alguém que é mais pobre do que ele. Todos nós temos essa experiência e é chamado a proclamar este amor liberatório que dá alegria na vida presente e, depois, dar-nos-á aquela eterna.


20/03/2014
Oração pela Igreja


Calendário da semana
DEZ
4
Domingo, 4 de Dezembro
Liturgia dominical
DEZ
5
Segunda-feira, 5 de Dezembro
Oração pelos doentes
DEZ
6
Terça-feira, 6 de Dezembro
Oração com Maria, Mãe do Senhor
DEZ
7
Quarta-feira, 7 de Dezembro
Oração com os santos
DEZ
8
Quinta-feira, 8 de Dezembro
Festa da Imaculada Conceição
DEZ
9
Sexta-feira, 9 de Dezembro
Oração da Santa Cruz
DEZ
10
Sábado, 10 de Dezembro
Oração da vigília
DEZ
11
Domingo, 11 de Dezembro
Liturgia dominical

Per Natale, regala il Natale! Aiutaci a preparare un vero pranzo in famiglia per i nostri amici più poveri