Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

change language
você está em: home - oraÇÃo - a oração cada dia newsletterlink

Support the Community

  

A oração cada dia


 
versão para impressão

Ícone do Rosto do Senhor
Igreja de Santo Egídio
Roma

Memória de São Marcos: compartilhou, com Barnabé e Paulo e depois, com Pedro, o empenho de testemunhar e proclamar o Evangelho. É o autor do primeiro Evangelho escrito.


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Cristo ressuscitou dos mortos e não volta a morrer!
Ele vai à vossa frente para a Galileia!

Aleluia aleluia, aleluia

I São Pedro 5,1-14

Aos presbíteros que há entre vós, eu - presbítero como eles e que fui testemunha dos padecimentos de Cristo e também participante da glória que se há-de manifestar - dirijo-vos esta exortação: Apascentai o rebanho de Deus que vos foi confiado, governando-o não à força, mas de boa vontade, tal como Deus quer; não por um mesquinho espírito de lucro, mas com zelo; não com um poder autoritário sobre a herança do Senhor, mas como modelos do rebanho. E, quando o supremo Pastor se manifestar, então recebereis a coroa imperecível da glória. Igualmente, vós, jovens, sede submissos aos presbíteros; e revesti-vos todos de humildade no trato uns com os outros, porque Deus opõe-se aos soberbos, mas dá a sua graça aos humildes. Humilhai-vos, pois, debaixo da poderosa mão de Deus, para que Ele vos exalte no devido tempo. Confiai-lhe todas as vossas preocupações, porque Ele tem cuidado de vós. Sede sóbrios e vigiai, pois o vosso adversário, o diabo, como um leão a rugir, anda a rondar-vos, procurando a quem devorar. Resisti-lhe, firmes na fé, sabendo que a vossa comunidade de irmãos, espalhada pelo mundo, suporta os mesmos padecimentos. Depois de terdes padecido por um pouco de tempo, o Deus que é todo graça e vos chamou em Jesus Cristo à sua eterna glória, há-de restabelecer-vos e consolidar-vos, tornar-vos firmes e fortes. Para Ele o poder pelos séculos dos séculos. Ámen. Por Silvano, a quem considero um irmão fiel, escrevo-vos estas breves palavras, para vos exortar e para vos assegurar que esta é a verdadeira graça de Deus; perseverai nela! Manda-vos saudações a comunidade dos eleitos que está em Babilónia e, em particular, Marcos, meu filho. Saudai-vos uns aos outros com um ósculo de irmãos que se amam.
Paz a todos vós, que estais em Cristo.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Cristo ressuscitou dos mortos e não volta a morrer!
Ele vai à vossa frente para a Galileia!

Aleluia aleluia, aleluia

Marcos, primo de Barnabé, frequentava desde jovem a comunidade dos discípulos de Jesus que se reunia em casa de sua mãe, tal como recordam os Actos (12, 12). A tradição identifica-o naquele jovem que durante a paixão, fugiu à captura por parte dos guardas, deixando-lhes nas mãos só o lençol com que se cobria, como que para nos recordar que para seguir Jesus é necessário despirmo-nos de tudo. Depois de crescido, Marcos acompanhou Paulo e Barnabé na primeira viagem missionária deles. Sucessivamente foi com Pedro para Roma. E aqui, acolhendo os numerosos pedidos da comunidade cristã que apreciava a profundidade e a beleza da pregação do apóstolo, escreve o Evangelho que tem o seu nome. É o primeiro Evangelho a ser escrito e recolhe, precisamente, o testemunho da proclamação de Pedro na capital do império. Na conclusão da primeira carta de Pedro, Marcos é associado ao apóstolo na Babilónia, nome com que era indicada Roma, aludindo à difícil situação dos cristãos de então, parecida com a que vivia Israel no exílio babilónio (587-538 a.C.). O último capítulo da primeira Carta de Pedro está cheio de preocupações e de afecto por Marcos que chama de “meu filho”. Com ele, dirige aos cristãos também estas últimas palavras sobre a humildade dos crentes que são chamados a ajudar os idosos no serviço da comunidade. Exorta todos a submeterem-se, antes de mais, a Deus e, sucessivamente, uns aos outros. A humildade torna os cristãos semelhantes a Jesus que se põe ao serviço de todos. E é linda a imagem evocada pelo apóstolo: revestir-se de humildade como se fosse uma veste para o mútuo serviço. Provavelmente, o apóstolo recorda-se da cena da lavagem dos pés na Última Ceia. E recorda-se certamente, depois dos seus fortes protestos, da admoestação do Mestre: “Se não te lavar, não terás parte comigo” (Jo 13, 8). A humildade é o comportamento que qualifica o discípulo e que o salva do orgulho que é a raiz de todos os vícios. O adversário (o demónio), já presente no jardim terrestre, através do orgulho continua a enganar todos homens e a tentá-los para que se tornem seus escravos. O apóstolo exorta-nos a resistir-lhe porque a sua acção mira a destruir-nos, aliás, ele deseja devorar-nos com as suas espiras vorazes e insaciáveis. E acrescenta que só na fé é que o poderemos vencer, apesar dele parecer forte. Aconteceu assim também com Jesus no deserto: afastou as tentações com a força da Palavra de Deus. Portanto, apoiando-nos no Senhor e morando na Sua casa, isto é, vivendo na comunidade dos discípulos, seremos fortes e nada nos poderá fazer vacilar. O Senhor é a nossa salvação. O apóstolo Pedro, no fim da sua carta, mostra o futuro que será concedido aos discípulos: “Depois de sofrerdes um pouco vos restabelecerá, firmará e fortalecerá”. Sim, “firmes” na rocha que é Cristo, os discípulos desde agora poderão viver o futuro “estado dos ressuscitados”. Marcos, “intérprete de Pedro”, com o seu Evangelho, ajuda-nos a imergir-nos na fé do apóstolo que o Senhor colocou à frente da Sua Igreja.


25/04/2014
Oração da Páscoa


Calendário da semana
DEZ
4
Domingo, 4 de Dezembro
Liturgia dominical
DEZ
5
Segunda-feira, 5 de Dezembro
Oração pelos doentes
DEZ
6
Terça-feira, 6 de Dezembro
Oração com Maria, Mãe do Senhor
DEZ
7
Quarta-feira, 7 de Dezembro
Oração com os santos
DEZ
8
Quinta-feira, 8 de Dezembro
Festa da Imaculada Conceição
DEZ
9
Sexta-feira, 9 de Dezembro
Oração da Santa Cruz
DEZ
10
Sábado, 10 de Dezembro
Oração da vigília
DEZ
11
Domingo, 11 de Dezembro
Liturgia dominical

Per Natale, regala il Natale! Aiutaci a preparare un vero pranzo in famiglia per i nostri amici più poveri