Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

change language
você está em: home - oraÇÃo - a oração cada dia newsletterlink

Support the Community

  

A oração cada dia


 
versão para impressão

Ícone do Rosto do Senhor
Igreja de Santo Egídio
Roma

Memória de Santo Atanásio (259-373), bispo de Alexandria do Egipto.


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Eis o Evangelho dos pobres,
a libertação dos prisioneiros,
a vista dos cegos,
a libertação dos oprimidos

Aleluia aleluia, aleluia

São João 6,1-15

Depois disto, Jesus foi para a outra margem do lago da Galileia, ou de Tiberíades. Seguia-o uma grande multidão, porque presenciavam os sinais miraculosos que realizava em favor dos doentes. Jesus subiu ao monte e sentou-se ali com os seus discípulos. Estava a aproximar-se a Páscoa, a festa dos judeus. Erguendo o olhar e reparando que uma grande multidão viera ter com Ele, Jesus disse então a Filipe: «Onde havemos de comprar pão para esta gente comer?» Dizia isto para o pôr à prova, pois Ele bem sabia o que ia fazer.
Filipe respondeu-lhe:

«Duzentos denários de pão não chegam para cada um comer um bocadinho.» Disse-lhe um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro: «Há aqui um rapazito que tem cinco pães de cevada e dois peixes. Mas que é isso para tanta gente?» Jesus disse: «Fazei sentar as pessoas.»
Ora, havia muita erva no local. Os homens sentaram-se, pois, em número de uns cinco mil.

Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os pelos que estavam sentados, tal como os peixes, e eles comeram quanto quiseram. Quando se saciaram, disse aos seus discípulos: «Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca». Recolheram-nos, então, e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada que sobejaram aos que tinham estado a comer. Aquela gente, ao ver o sinal milagroso que Jesus tinha feito, dizia: «Este é realmente o Profeta que devia vir ao mundo!» Por isso, Jesus, sabendo que viriam arrebatá-lo para o fazerem rei, retirou-se de novo, sozinho, para o monte.

 

Aleluia aleluia, aleluia

O Filho do Homem veio para servir
quem quiser ser grande, faça-se servo de todos

Aleluia aleluia, aleluia

O trecho evangélico fala-nos do milagre da multiplicação dos pães segundo o Evangelho de João. O evangelista cita a grande multidão que segue Jesus por causa dos “sinais” que fazia sobre os doentes. Aquelas multidões intuíam que Jesus era um Homem bom e forte que ajudava e curava os que tinham perdido a saúde e a esperança. Jesus, por seu lado, compreendia essa sede de amor que provinha das pessoas. Escreve o evangelista, como que a querer realçar uma atitude de misericórdia, que Jesus “ergue os olhos” e vê aquela multidão que vai ao Seu encontro. Não é como nós que, normalmente, mantemos os olhos fixos só em nós mesmos e nos nossos afazeres. Jesus pede-nos para que, juntamente com Ele, ergamos os olhos da concentração sobre nós mesmos para nos podermos aperceber dos que sofrem e que precisam de ajuda. Não são os discípulos a aperceberem-se da necessidade de comer que as multidões têm. É Jesus quem se apercebe da situação e pergunta a Filipe onde se pode comprar o pão para dar de comer a toda aquela gente. O apóstolo Filipe não sabe fazer outra coisa senão fazer notar a impossibilidade de encontrar pão para poder saciar tanta gente. Era a observação mais óbvia, mas também a mais resignada. André, que assistiu ao colóquio, diz que só há cinco pães de cevada e dois peixes. Praticamente, nada. Portanto, para eles, a questão está encerrada. Mas eles ainda não tinham compreendido que “o que é impossível aos homens é possível a Deus”. Também nós deveríamos recordar muitas vezes essas palavras, em vez de nos resignarmos pacificamente perante as dificuldades. Mas Jesus que se deixa levar pelo amor apaixonado pelos homens, não Se resigna. Diz-lhes para mandarem sentar toda a multidão. E abre-se a cena de um grande banquete onde todos são, gratuitamente, saciados. O evangelista vê, no gesto e nas palavras de Jesus, a celebração da Eucaristia. Aqueles pães postos nas mãos de Jesus, o Misericordioso, bastam para todos. Ao contrário da narração dos Evangelhos Sinópticos, neste caso, o evangelista diz que Jesus age sozinho; é Ele quem apanha os pães, quem os multiplica e quem os distribui. É como que se quisesse realçar que há uma relação directa entre o pastor e as ovelhas. São lindas as palavras do Papa Francisco aos sacerdotes mas que também se adequam a nós: “É preciso sair… para as ‘periferias’ onde há sofrimento, sangue derramado, cegueira que deseja ver, prisioneiros de muitos senhores maus… Quem não sai de si, em vez de ser um mediador, torna-se aos poucos, num intermediário, num gestor. Peço-vos: sede pastores com o cheiro das ovelhas”. Temos de ir ter com as periferias, com aqueles que estão à espera de amor, de justiça e de paz. Depositemos nas mãos de Jesus os nossos poucos pães e o milagre realizar-se-á. As mãos de Jesus – é Ele quem multiplica e distribui – não retêm nada para Si, estão habituadas a abrirem-se, a serem generosas. Ele multiplica a nossa fragilidade. O milagre continua se nós, como aquele rapaz, abandonarmos a pequenez dos discípulos e pusermos nas mãos do Senhor os pobres pães de cevada que possuímos. A multidão queria proclamá-l’O rei. Mas Ele retirou-Se para a montanha, sozinho. Jesus não quer desdenhar a necessidade do pão, antes pelo contrário, realça a necessidade de nos alimentarmos com um pão eterno: a amizade para com Ele.


02/05/2014
Oração da Santa Cruz


Calendário da semana
DEZ
4
Domingo, 4 de Dezembro
Liturgia dominical
DEZ
5
Segunda-feira, 5 de Dezembro
Oração pelos doentes
DEZ
6
Terça-feira, 6 de Dezembro
Oração com Maria, Mãe do Senhor
DEZ
7
Quarta-feira, 7 de Dezembro
Oração com os santos
DEZ
8
Quinta-feira, 8 de Dezembro
Festa da Imaculada Conceição
DEZ
9
Sexta-feira, 9 de Dezembro
Oração da Santa Cruz
DEZ
10
Sábado, 10 de Dezembro
Oração da vigília
DEZ
11
Domingo, 11 de Dezembro
Liturgia dominical

Per Natale, regala il Natale! Aiutaci a preparare un vero pranzo in famiglia per i nostri amici più poveri