Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

change language
você está em: home - oraÇÃo - a oração cada dia newsletterlink

Support the Community

  

A oração cada dia


 
versão para impressão

Ícone do Rosto do Senhor
Igreja de Santo Egídio
Roma


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Eis o Evangelho dos pobres, a libertação dos prisioneiros,
a vista dos cegos, a libertação dos oprimidos

Aleluia aleluia, aleluia

São Mateus 5,1-12

Ao ver a multidão, Jesus subiu a um monte. Depois de se ter sentado, os discípulos aproximaram-se dele. Então tomou a palavra e começou a ensiná-los, dizendo:

«Felizes os pobres em espírito,
porque deles é o Reino do Céu.

Felizes os que choram,
porque serão consolados.

Felizes os mansos,
porque possuirão a terra.

Felizes os que têm fome e sede de justiça,
porque serão saciados.

Felizes os misericordiosos,
porque alcançarão misericórdia.

Felizes os puros de coração,
porque verão a Deus.

Felizes os pacificadores,
porque serão chamados filhos de Deus.

Felizes os que sofrem perseguição por causa da justiça,
porque deles é o Reino do Céu.

Felizes sereis, quando vos insultarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o género de calúnias contra vós, por minha causa.

Exultai e alegrai-vos, porque grande será a vossa recompensa no Céu; pois também assim perseguiram os profetas que vos precederam.»

 

Aleluia aleluia, aleluia

O Filho do Homem veio para servir
quem quiser ser grande, faça-se servo de todos

Aleluia aleluia, aleluia

Mateus dá uma importância toda particular ao “discurso da montanha”. Faz Jesus subir a uma montanha, o lugar por excelência de onde Deus ensina, como que para sugerir um paralelismo entre a Antiga e a Nova Aliança. A primeira foi sancionada no Sinai, a segunda recebe a sua chancela neste monte. Jesus tem diante de Si uma multidão que O segue há vários dias. Podemos imaginá-l’O enquanto olha para aqueles homens e aquelas mulheres: conhece senão as histórias, certamente os pedidos e as necessidades. E tem compaixão. E é, neste sentimento forte de compaixão que reside a razão desta cena evangélica. As suas primeiras palavras são sobre a felicidade. Ou melhor, sobre quem é que é feliz. Jesus quer propor a Sua ideia de felicidade e de bem-aventurança. Já os Salmos tinham habituado os crentes de Israel ao sentido da bem-aventurança: “Feliz o homem que espera no Senhor, feliz o homem que cuida do fraco, feliz o homem que confia no Senhor”. Este homem podia dizer-se feliz. Jesus continua nesta linha e afirma que felizes são os homens e as mulheres pobres em espírito, isto é, os humildes (pobres em espírito não significa absolutamente ricos de facto e longe de Deus) e ainda, que felizes são os misericordiosos, os aflitos, os mansos, os que têm fome e sede de justiça, os puros de coração, os perseguidos por causa da justiça e também os que são insultados e perseguidos por causa do Seu Nome. Palavras como estas nunca ninguém tinha dito; e os discípulos nunca as tinham ouvido até àquele momento. E a nós que as escutamos hoje, parecem deveras muito afastadas. Parecem totalmente irreais. Podemos, sem dúvidas, concordar que são lindas, mas consideramo-las impossíveis de actuar. E, no entanto, não é assim para Jesus. Ele quer para nós uma felicidade verdadeira, plena, robusta. Na verdade, o que mais nos interessa é viver um pouco melhor, um pouco mais tranquilos. E nada mais. De facto, não queremos ser verdadeiramente “felizes”. A bem-aventurança tornou-se numa palavra estranha, demasiado cheia, excessiva; é uma palavra tão forte e tão cheia que chega a ser demasiado diferente das nossas satisfações muitas vezes insignificantes. Esta página é um verdadeiro Evangelho para nós, uma verdadeira “Boa Notícia” porque nos resgata de uma vida cada vez mais banal e leva-nos para uma existência plena de sentido, para uma alegria bem mais profunda da que podemos sequer imaginar. As bem-aventuranças não são demasiado altas para nós, tal como não o eram para aquela multidão que as escutou. Possuem uma face verdadeiramente humana: a face de Jesus. Ele é o homem das bem-aventuranças, o homem pobre, manso e com fome e sede de justiça, o homem apaixonado e misericordioso, o homem perseguido e condenado à morte. Olhemos para Ele e sigamo-l’O; também nós seremos felizes.


09/06/2014
Oração pelos pobres


Calendário da semana
DEZ
4
Domingo, 4 de Dezembro
Liturgia dominical
DEZ
5
Segunda-feira, 5 de Dezembro
Oração pelos doentes
DEZ
6
Terça-feira, 6 de Dezembro
Oração com Maria, Mãe do Senhor
DEZ
7
Quarta-feira, 7 de Dezembro
Oração com os santos
DEZ
8
Quinta-feira, 8 de Dezembro
Festa da Imaculada Conceição
DEZ
9
Sexta-feira, 9 de Dezembro
Oração da Santa Cruz
DEZ
10
Sábado, 10 de Dezembro
Oração da vigília
DEZ
11
Domingo, 11 de Dezembro
Liturgia dominical

Per Natale, regala il Natale! Aiutaci a preparare un vero pranzo in famiglia per i nostri amici più poveri