Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

change language
você está em: home - oraÇÃo - a oração cada dia newsletterlink

Support the Community

  

A oração cada dia


 
versão para impressão

Ícone do Rosto do Senhor
Igreja de Santo Egídio
Roma


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

O Espírito Santo virá sobre ti
Aquele que nascer de ti será santo.

Aleluia aleluia, aleluia

São Lucas 7,11-17

Em seguida, dirigiu-se a uma cidade chamada Naim, indo com Ele os seus discípulos e uma grande multidão. Quando estavam perto da porta da cidade, viram que levavam um defunto a sepultar, filho único de sua mãe, que era viúva; e, a acompanhá-la, vinha muita gente da cidade. Vendo-a, o Senhor compadeceu-se dela e disse-lhe: «Não chores.» Aproximando-se, tocou no caixão, e os que o transportavam pararam. Disse então: «Jovem, Eu te ordeno: Levanta-te!» O morto sentou-se e começou a falar. E Jesus entregou-o à sua mãe. O temor apoderou-se de todos, e davam glória a Deus, dizendo: «Surgiu entre nós um grande profeta e Deus visitou o seu povo!» E a fama deste milagre espalhou-se pela Judeia e por toda a região.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Eis, Senhor, os vossos servos:
Faça-se em nós segundo a vossa palavra

Aleluia aleluia, aleluia

Um jovem, filho único de uma mãe viúva, morre. É um grande golpe para a vida daquela mãe. Qualquer fio de esperança parece definitivamente quebrado. Nada mais é possível nem para aquele filho nem para aquela mãe, senão enterrar o primeiro e acompanhar a segunda desconsolada pela sua dor. No entanto, o que é impossível aos homens, é possível a Deus. É o que esta página evangélica nos narra. Jesus, vendo aquele triste cortejo fúnebre que sai da porta da cidade de Naim em direcção do cemitério, tem compaixão por aquela mãe viúva que vê a sua vida definitivamente destruída. O evangelista anota que Jesus mal viu aquela mãe abatida “teve compaixão dela”. É o mesmo sentimento que O levou a descer do Céu e a caminhar pelas ruas e pelas praças do Seu tempo para reunir e consolar as multidões cansadas e exaustas que eram como ovelhas sem pastor. O cortejo, ao ver que Jesus Se aproxima daquela mãe, pára. Jesus diz-lhe logo para não chorar, depois aproxima-Se da liteira onde o rapaz morto estava estendido, provavelmente coberto com um véu. Para os hebreus, era proibido tocar num cadáver. Mas Jesus quebra esta disposição da Lei levítica. Mal Se aproxima do jovem morto, diz-lhe: “Jovem, Eu te ordeno, levanta-te!”. Jesus fala com ele como se estivesse vivo. E parece que aquele jovem ouve a voz de Jesus, tanto é que se levanta e põe-se a falar. Não tinha dito o centurião a Jesus: “Diz uma só palavra e o meu empregado ficará curado”? A Palavra evangélica é sempre eficaz, se acolhida com o coração. Ela faz ressuscitar a vida, restitui energia a quem a perdeu, cria um coração novo a quem o tem de pedra, oferece irmãos e irmãs a quem está só. São muitos os jovens que, hoje, vivem como mortos, isto é, sem esperança para o próprio futuro. A esperança num mundo melhor foi-lhes roubada. Muitas vezes, a sociedade é para eles não só madrasta, mas também “padrasta”. E eles descobrem-se sozinhos e perdidos num mundo já sem futuro. E esperam por alguém que se aproxime deles e lhes diga directamente: “Jovem, Eu te ordeno, levanta-te!” O Evangelho ajuda-nos a ter esperança e a trabalhar por eles. Muitos de nós ainda conservam diante dos olhos as imagens: do grande encontro dos jovens no Rio de Janeiro com o Papa Francisco. Foi, de verdade, um vento de ressurreição. Aquela imagem ser revista quotidianamente nos vários países. Os jovens deste início de século precisam de alguém que esteja ao lado deles, que trave aquele lento declino em direcção da morte, que lhes toque como fez Jesus com aquele jovem morto e que lhes saiba dirigir palavras verdadeiras, fortes, autoritárias, cheias de esperança. Poderá parecer-nos que eles não as escutem. Não é assim. Se as palavras saem de um coração cheio de compaixão, como o de Jesus, saberão escutá-las. De facto, qualquer comunidade cristã, qualquer discípulo, é exortado a sentir a mesma compaixão de Jesus pelos mais jovens. É desta compaixão forte e audaz que brotarão também para nós as palavras que voltam a dar a esperança aos jovens e adolescentes de hoje.


16/09/2014
Oração com Maria, Mãe do Senhor


Calendário da semana
DEZ
4
Domingo, 4 de Dezembro
Liturgia dominical
DEZ
5
Segunda-feira, 5 de Dezembro
Oração pelos doentes
DEZ
6
Terça-feira, 6 de Dezembro
Oração com Maria, Mãe do Senhor
DEZ
7
Quarta-feira, 7 de Dezembro
Oração com os santos
DEZ
8
Quinta-feira, 8 de Dezembro
Festa da Imaculada Conceição
DEZ
9
Sexta-feira, 9 de Dezembro
Oração da Santa Cruz
DEZ
10
Sábado, 10 de Dezembro
Oração da vigília
DEZ
11
Domingo, 11 de Dezembro
Liturgia dominical

Per Natale, regala il Natale! Aiutaci a preparare un vero pranzo in famiglia per i nostri amici più poveri