Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

change language
você está em: home - oraÇÃo - a oração cada dia newsletterlink

Support the Community

  

A oração cada dia


 
versão para impressão

Ícone do Rosto do Senhor
Igreja de Santo Egídio
Roma


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Cristo ressuscitou dos mortos e não volta a morrer!
Ele vai à vossa frente para a Galileia!

Aleluia aleluia, aleluia

São João 21,1-14

Algum tempo depois, Jesus apareceu outra vez aos discípulos, junto ao lago de Tiberíades, e manifestou-se deste modo: estavam juntos Simão Pedro, Tomé, a quem chamavam o Gémeo, Natanael, de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e outros dois discípulos. Disse-lhes Simão Pedro: «Vou pescar.» Eles responderam-lhe: «Nós também vamos contigo.» Saíram e subiram para o barco, mas naquela noite não apanharam nada. Ao romper do dia, Jesus apresentou-se na margem, mas os discípulos não sabiam que era Ele. Jesus disse-lhes, então: «Rapazes, tendes alguma coisa para comer?» Eles responderam-lhe: «Não.» Disse-lhes Ele: «Lançai a rede para o lado direito do barco e haveis de encontrar.»
Lançaram-na e, devido à grande quantidade de peixes, já não tinham forças para a arrastar.

Então, o discípulo que Jesus amava disse a Pedro: «É o Senhor!» Simão Pedro, ao ouvir que era o Senhor, apertou a capa, porque estava sem mais roupa, e lançou-se à água. Os outros discípulos vieram no barco, puxando a rede com os peixes; com efeito, não estavam longe da terra, mas apenas a uns noventa metros. Ao saltarem para terra, viram umas brasas preparadas com peixe em cima e pão. Jesus disse-lhes: «Trazei dos peixes que apanhastes agora.» Simão Pedro subiu à barca e puxou a rede para terra, cheia de peixes grandes: cento e cinquenta e três. E, apesar de serem tantos, a rede não se rompeu. Disse-lhes Jesus: «Vinde almoçar.» E nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar-lhe: «Quem és Tu?», porque bem sabiam que era o Senhor. Jesus aproximou-se, tomou o pão e deu-lho, fazendo o mesmo com o peixe. Esta já foi a terceira vez que Jesus apareceu aos seus discípulos, depois de ter ressuscitado dos mortos.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Cristo ressuscitou dos mortos e não volta a morrer!
Ele vai à vossa frente para a Galileia!

Aleluia aleluia, aleluia

Os Apóstolos que tinham abandonado as próprias redes para se tornarem pescadores de homens (Lc 5, 10), voltam a ser pescadores de peixes. E agora, quando Jesus aparece, sem que O reconheçam, repete-se a cena do início. Também desta vez pescaram inutilmente durante toda a noite. É a experiência de um trabalho sem resultados, a experiência de pensamentos, de preocupações e de agitações que não levam a lado nenhum. Sem a luz do Evangelho, de facto, é difícil trabalhar e dar frutos. Estamos como que abandonados a nós mesmos e à nossa esterilidade. Pelo contrário, com Jesus aproxima-se a aurora de um novo dia, de um novo tempo. É o Ressuscitado que Se aproxima deles. A iniciativa é sempre Sua. Eles nem sequer se apercebem e, de qualquer modo, não O reconhecem. Embora cansados e, compreensivelmente desanimados, obedecem à Sua indicação e atiram as redes para o outro lado do barco. Talvez naquela voz reconhecem o eco daquela que tinham escutado durante três anos e que os tinha fascinado. No entanto, não acreditam que aquela voz possa voltar a falar. De resto, quantas vezes nos sucede não acreditar que o Evangelho seja uma Palavra eficaz? Mas, também este trecho evangélico pode-nos sugerir a utilidade de não perdermos o hábito de escutá-l’O. É verdade, não percamos o hábito de escutá-l’O. Aqueles discípulos, cansados e desanimados, talvez só por instinto – o que vem com o hábito de escutar o Evangelho – obedeceram àquelas palavras e atiraram as redes para o outro lado. E o milagre ocorreu: a pesca foi abundante, para além de qualquer expectativa. Nesse momento reconhecem o Senhor. Podemos dizer que a eficácia do Evangelho abre-lhes os olhos e o coração. Talvez agora, compreendam melhor aquilo que Jesus lhes tinha dito no passado: “Sem Mim não podeis fazer nada” (Jo 15, 5). Só com o Senhor é que o impossível se torna possível. Com o Evangelho, podemos transformar o nosso coração e o mundo. O discípulo do amor apercebe-se logo disso. É ele quem reconhece o Senhor e diz imediatamente a Pedro que, arrebatado pela alegria, lança-se ao mar para ir ter, a nado, com Jesus. E naquela margem os discípulos revivem a comunhão com o Mestre. Jesus já lhes tinha preparado a brasa e esperava pelo peixe apanhado na pesca miraculosa. É o banquete do Ressuscitado com os Seus. As palavras do evangelista recordam as da multiplicação do pão e da Eucaristia. E, de facto, é precisamente a celebração da Liturgia Eucarística o lugar onde se edifica a comunidade dos discípulos, o lugar da multiplicação do amor.


10/04/2015
Oração da Páscoa


Calendário da semana
DEZ
4
Domingo, 4 de Dezembro
Liturgia dominical
DEZ
5
Segunda-feira, 5 de Dezembro
Oração pelos doentes
DEZ
6
Terça-feira, 6 de Dezembro
Oração com Maria, Mãe do Senhor
DEZ
7
Quarta-feira, 7 de Dezembro
Oração com os santos
DEZ
8
Quinta-feira, 8 de Dezembro
Festa da Imaculada Conceição
DEZ
9
Sexta-feira, 9 de Dezembro
Oração da Santa Cruz
DEZ
10
Sábado, 10 de Dezembro
Oração da vigília
DEZ
11
Domingo, 11 de Dezembro
Liturgia dominical

Per Natale, regala il Natale! Aiutaci a preparare un vero pranzo in famiglia per i nostri amici più poveri