Riccardi Andrea: na web

Riccardi Andrea: em redes sociais

change language
você está em: home - oraÇÃo - a oração cada dia newsletterlink

Support the Community

  

A oração cada dia


 
versão para impressão

Ícone do Rosto do Senhor
Igreja de Santo Egídio
Roma


Leitura da Palavra de Deus

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Eis o Evangelho dos pobres, a libertação dos prisioneiros,
a vista dos cegos, a libertação dos oprimidos

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Daniel 13,1.9.15-17.19-30.19-62

Havia um homem chamado Joaquim, que habitava na Babilónia. Perderam a justa noção das coisas, afastaram os olhos para não olharem para o céu e não se lembrarem da verdadeira regra de conduta. Um dia, como de costume, chegou Susana, acompanhada apenas por duas criadas, e preparava-se para tomar banho no jardim, pois fazia calor. Não havia aí ninguém senão os dois anciãos que, escondidos, a espiavam. Disse às jovens: «Trazei-me óleo e unguentos e fechai as portas do jardim, para eu tomar banho.» Logo que elas saíram, os dois homens precipitaram-se para junto de Susana e disseram-lhe: «As portas do jardim estão fechadas, ninguém nos vê. Nós ardemos de desejo por ti. Aceita e entrega-te a nós. Se não quiseres, vamos denunciar-te. Diremos que um rapaz estava contigo e que foi por isso mesmo que tu mandaste embora as criadas.» Susana bradou angustiada: «Estou sujeita a aflições de todos os lados! Se faço isso, é para mim a morte. Se não o faço, nem mesmo assim vos escaparei. Mas é preferível para mim cair em vossas mãos sem ter feito nada, do que pecar aos olhos do Senhor.» Susana, então, soltou altos gritos e os dois anciãos gritaram também com ela. E um deles, correndo para as portas do jardim, abriu-as. As pessoas da casa, ao ouvirem esta gritaria, precipitaram-se pela porta traseira para ver o que tinha acontecido. Logo que os anciãos falaram, os criados coraram de vergonha, pois jamais se tinha dito coisa semelhante de Susana. No dia seguinte, os dois anciãos, dominados pelo desejo criminoso contra a vida de Susana, vieram à reunião que tinha lugar em casa de Joaquim, seu marido. Disseram diante de toda a gente: «Que se vá procurar Susana, filha de Hilquias, a mulher de Joaquim!» Foram procurá-la. E veio com os seus pais, os filhos e os membros da sua família. Choravam todos os seus, assim como todos os que a conheciam. Os dois anciãos levantaram-se diante de todo o povo e puseram a mão sobre a cabeça de Susana, enquanto ela, debulhada em lágrimas, mas de coração cheio de confiança no Senhor, olhava para o céu. Disseram então os anciãos: «Quando passeávamos a sós pelo jardim, entrou ela com duas criadas; e depois de ter fechado as portas, mandou embora as criadas. Então, um jovem, que estava lá escondido, aproximou-se e pecou com ela. Encontrávamo-nos a um canto do jardim. Perante semelhante atrevimento, corremos para eles e surpreendemo-los em flagrante delito. Não pudemos ter mão no rapaz, porque era mais forte do que nós, abriu a porta e escapou-se. A ela apanhámo-la; mas, quando a interrogámos para saber quem era esse rapaz, recusou responder-nos. Somos testemunhas disto.»
Dando crédito a estes homens, que eram anciãos e juízes do povo, a assembleia condenou Susana à morte.

Esta, então, em altos brados disse: «Deus eterno, que sondas os segredos, que conheces os acontecimentos antes que se dêem, Tu sabes que proferiram um falso testemunho contra mim. Vou morrer sem ter feito nada daquilo que maldosamente inventaram contra mim.» Deus ouviu a sua oração. Quando a conduziam para a morte, o Senhor despertou a alma límpida de um rapazinho, chamado Daniel, que gritou com voz forte: «Estou inocente da morte dessa mulher!» Toda a gente se voltou para ele e disse: «Que é que isso quer dizer?» E, dirigindo-se para o meio deles, afirmou: «Israelitas! Estais loucos, para condenardes uma filha de Israel, sem examinardes nem reconhecerdes a verdade? Recomeçai o julgamento, porque é um falso testemunho o que estes dois homens declararam contra ela.» O povo apressou-se a voltar. Os anciãos disseram a Daniel: «Vem, senta-te no meio de nós e esclarece-nos, porque Deus te deu maturidade!» Bradou Daniel: «Separai-os para longe um do outro e eu os julgarei.» Separaram-nos. Daniel, então, chamou o primeiro e disse-lhe: «Velho perverso! Eis que se manifestam agora os pecados que cometeste outrora em julgamentos injustos, ao condenares os inocentes, absolvendo os culpados, quando o Senhor disse: ‘Não farás com que morra o inocente ou o justo.’ Vamos! Se realmente os viste, diz-nos debaixo de que árvore os viste entreterem-se um com o outro.»
«Sob um lentisco.» - respondeu.

Retorquiu Daniel: «Pois bem! Aí está a mentira, que pagarás com a tua cabeça. Eis que o anjo do Senhor, conforme a sentença divina, te vai rachar a meio!» Afastaram o homem, e Daniel mandou vir o outro e disse-lhe: «Tu és um filho de Canaã e não um judeu. Foi a beleza que te seduziu e a paixão que te perverteu. É assim que sempre tendes procedido com as filhas de Israel, que, por medo, entravam em relação convosco. Uma filha de Judá, porém, não consentiu na vossa perversidade. Vamos, diz-me: sob que árvore os surpreendeste em atitude de se unirem?»
«Sob um carvalho.»

Respondeu Daniel: «Pois bem! Também tu forjaste uma mentira que te vai custar a vida. Eis que o anjo do Senhor, de espada em punho, se dispõe a cortar-te ao meio, para vos aniquilar.» Logo a multidão deu grandes brados, e bendizia a Deus que salva os que põem nele a sua esperança. Toda a gente, então, se insurgiu contra os dois anciãos que Daniel tinha convencido de falso testemunho, pelas suas próprias declarações e deu-se-lhes o mesmo tratamento que eles tinham infligido ao seu próximo. De harmonia com a lei de Moisés, mataram-nos. Deste modo, foi poupada naquele dia uma vida inocente.

 

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

O Filho do Homem veio para servir
quem quiser ser grande, faça-se servo de todos

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

O trecho que acabámos de escutar refere a história da jovem Susana, assediada por dois anciãos juízes de Israel no tempo do exílio na babilónia. O profeta Daniel aparece como jovem vidente através de quem o Senhor manifesta a Sua justiça, enquanto que a jovem Susana se torna no símbolo daquela parte do povo de Israel que permaneceu fiel a Deus e que resiste a qualquer sedução, mesmo a traiçoeira dos chefes do povo que se apresentam como verdadeiros salteadores que raptam para satisfazerem os próprios desejos. Obviamente, o autor sagrado condena de maneira nítida os chefes perversos e mentirosos que estão longe de Deus e que não são dignos da função de guia do povo que lhes tinha sido confiada. No entanto, o que emerge com mais força ainda é a firme confiança no Senhor que ama os pequeninos, os frágeis, os inocentes e nunca abandona quem deposita n’Ele a própria confiança. A jovem Susana, chorando, responde com estas palavras aos dois anciãos malvados: "A coisa está complicada para mim de todos os lados. Se eu fizer isso, estou condenada à morte; se o não fizer, sei que não conseguirei escapar das vossas mãos. Mas eu prefiro cair nas vossas mãos do que cometer um pecado contra Deus" (vv. 22-23). Sem nenhum apoio humano, a jovem mulher enfrenta a dificílima decisão preferindo morrer do que condescender ao mal. Condenada à morte ela depõe a sua confiança unicamente em Deus que "conhece o que está escondido" (v. 42). Por isso, ela experimenta a intervenção de Deus. E a intervenção chega através da voz de um "jovem", de uma pessoa com a sua mesma idade. É verdade, a força de Deus manifesta-Se através dos fracos. Um jovem salva uma outra jovem. Na verdade, ninguém é assim tão fraco ao ponto de não poder salvar uma outra pessoa mais fraca ainda. Obviamente desde que se deixe guiar por Deus. Esta página interroga todos nós, mesmo os mais jovens, sobre como defender as inúmeras mulheres, mesmo jovens, que ainda hoje são oprimidas de muitas maneiras e, com elas, defender todo o povo dos pobres. É urgente que também hoje surjam muitos Daniéis – fracos também eles – para invocar a justiça e defender todo o oprimido. O Senhor não fará faltar a ajuda.


14/03/2016
Oração pelos pobres


Calendário da semana
DEZ
4
Domingo, 4 de Dezembro
Liturgia dominical
DEZ
5
Segunda-feira, 5 de Dezembro
Oração pelos doentes
DEZ
6
Terça-feira, 6 de Dezembro
Oração com Maria, Mãe do Senhor
DEZ
7
Quarta-feira, 7 de Dezembro
Oração com os santos
DEZ
8
Quinta-feira, 8 de Dezembro
Festa da Imaculada Conceição
DEZ
9
Sexta-feira, 9 de Dezembro
Oração da Santa Cruz
DEZ
10
Sábado, 10 de Dezembro
Oração da vigília
DEZ
11
Domingo, 11 de Dezembro
Liturgia dominical

Per Natale, regala il Natale! Aiutaci a preparare un vero pranzo in famiglia per i nostri amici più poveri