news

#EuropeDay: Nenhum país europeu tem um futuro fora da Europa. Os valores unitários e a solidariedade da Europa são também o interesse de cada Estado em não ficar sozinho perante o futuro. Um editorial de Andrea Riccardi

9 Maio 2020

Andrea RiccardiEurope

Compartilhe Em

Nenhum país europeu pode conseguir sozinho. São necessárias soluções inovadoras

São necessárias soluções inovadoras. Os Eurobobond seriam o último passo para um sistema fiscal comum

Papa Francisco rezou pela "unidade fraterna" da Europa. Na Páscoa era claro: "".  O momento é delicado. Há várias propostas sobre a mesa: desde o fundo para o "subsídio de desemprego europeu" (Sure), às intervenções do BEI, até ao Mes (o controverso mecanismo de resgate dos Estados). Os olhos estão fitados no "Ricovery Fund" proposto por Macron. Falou recentemente com Francisco sobre estes problemas e sobre a ideia de congelar a dívida externa de África para lhe permitir lidar com o vírus. Mas como financiar o Fundo de Recuperação? O debate continua sobre os famosos Eurobond, propostos pela Itália. Foi discutido, pela primeira vez, após a crise de 2008. A ideia foi rejeitada e nasceu o mecanismo de resgate dos estados (hoje Mes), que a Grécia e a Espanha utilizaram, mas não a Itália.
Criar Eurobonds significa criar as condições concretas para um orçamento comum, garantido pelo BCE e paralelo aos orçamentos dos Estados. É o último passo para um sistema fiscal comum. Provavelmente assumirá uma forma diferente de obrigações: as Obrigações de Recuperação garantidas pelo orçamento da Comissão. Ou obrigações europeias perpétuas, como propõem os espanhóis, não reembolsáveis, excepto com juros anuais. Estas são etapas, mas parciais. A Europa é assim: não é fácil chegar a um acordo com 27 países. Sempre que há um debate no Conselho, procura-se um compromisso. A oposição da Europa do Norte resulta de uma concepção diferente da dívida e dos problemas de cada país. Há alguns dias, a Merkel declarou que, ao contrário da crise de 2008, perante o Covid "não há culpa". Nos Países Baixos, pelo contrário, o problema é que o Estado tem um balanço positivo, enquanto a dívida privada dos cidadãos é muito elevada (o oposto da Itália). Cada país tem os seus próprios problemas. A UE parece rigorosa, mesmo que esteja do nosso lado.
Mas o verdadeiro adversário hoje é o mercado global que decide se somos um país solvente (apaz de pagar a dívida) ou não. Esta decisão é continuamente renovada. 
Na Europa e no euro estamos, no entanto, protegidos para o bem e para o mal. De fora estaríamos à mercê de todos. Não há paraíso perdido fora da UE: existe a dura lei do Extremo Oeste, ou seja, dos fundos especulativos e de investimento (mais do que qualquer outra coisa nos EUA) e dos soberanos (China, Rússia, países do Golfo). Sozinhos à mercê deles, com a nossa própria moeda, colonizar-nos-iam ou mandariam-nos para o fundo do poço em poucas semanas. Só um salto de vontade política partilhada pode evitar que o Conselho se enredar em aspectos técnicos, em que cada Estado procura vantagens ou menos desvantagens possíveis.
Outrora foi dito em Bruxelas que "a Europa cresce nas crises": quando se está contra a parede, sai-se juntos.
Hoje em dia, há uma forte tentação de avançar sozinhos: é o espírito dos tempos. Mas isto é uma ilusão: no turbulento oceano do mercado globalizado, estar sozinhos é perigoso. É verdade que as nações irmãs da Europa nos parecem por vezes rígidas e um pouco altivas: mas continuam a fazer parte da mesma família. Nenhum país europeu tem um futuro fora da Europa. Os valores europeus unidos e solidários são também o interesse de cada Estado em não ficar sozinho perante o futuro.

Editorial de Andrea Riccardi na Famiglia Cristiana de 3/5/2020