news

Um olhar sobre o mundo: América Latina, Covid-19 e nós

2 Julho 2020

Latin AmericaCovid-19
coronavirus

Compartilhe Em

s notícias vindas da América Latina e Central, que nas últimas semanas se tornaram o epicentro da pandemia de Covid-19, são alarmantes. Os números do mês de Junho dizem-nos que o Brasil ultrapassou o limiar das 50.000 mortes, tornando-se o segundo país do mundo com o maior número de infectados e de mortos pela Covid, com mais de 1 milhão de infectados, logo abaixo dos Estados Unidos. O Peru e o Chile, com 257.447 e 246.963 casos respectivamente, estão entre os dez países mais afectados pelo coronavírus no mundo, antes de Itália e Irão, que foram também o epicentro do vírus e sofreram o maior impacto durante o primeiro semestre do ano.
Há também um alerta no México, que desde segunda-feira 22 de Junho tem registado um número diário de mortes superior ao do Brasil. Enquanto na Argentina, o número de casos atinge os 50.000 e há também muitas mortes.

Características especiais da pandemia na América Latina

Uma economia que depende em quase todo o lado de empregos informais (mais de 60% em muitas partes da América Central) significa que a grande maioria da população abandonou o isolamento social após apenas algumas semanas para tentar alimentar-se com empregos precários sem qualquer tipo de controlo.
Também a estrutura do continente com enormes aglomerações urbanas com milhões de habitantes: Cidade do México, Lima, São Paulo, Buenos Aires, Bogotá, Santiago, e infinitas extensões de favelas com densidade populacional muito elevada, representa terreno fértil para a propagação do vírus.

No entanto, no quadro geral muito complexo, existem alguns países que alcançaram resultados importantes na contenção da infecção. Estes incluem Cuba e o Uruguai.
Particularmente preocupante é a situação em Tapachula, a área do México onde se aglomeram os migrantes da América Central e do Sul que fogem para os Estados Unidos. Ali foi realizada uma missão de Sant'Egidio para ajudar os refugiados e estamos muito preocupados: o número de pessoas infectadas é elevado e as estruturas que acolhem os migrantes para evitar o contágio estão fechadas a novas entradas.

As Comunidades de Sant'Egidio na América Latina: uma rede de solidariedade

As nossas Comunidades acompanharam de perto a evolução da propagação do vírus na Europa e avançaram rapidamente para responder de forma criativa e responsável à crise que se avizinhava.
Sabendo que a crise alimentar chegaria rapidamente aos mais pobres para o encerramento dos refeitórios dos pobres e as instituições de caridade institucionais, começaram imediatamente a distribuir alimentos aos sem abrigo nas grandes cidades e às famílias pobres mais isoladas nas periferias onde se localizam as escolas da paz. Milhares de refeições são também distribuídas todas as semanas a idosos isolados em aldeias e grandes subúrbios urbanos.

Saiba mais:

no Peruio

no México

na Argentina

em Haiti