news

O manifesto da Comunidade de Sant'Egidio: Idosos mais protegidos e custos de saúde reduzidos. Editorial de Marco Impagliazzo no "Corriere della Sera"

18 Julho 2020

ELDERLY
Marco Impagliazzo

Compartilhe Em

A crise desencadeada pela pandemia não teve as mesmas consequências para todos. Uma categoria de pessoas sofreu mais do que outras em termos de vítimas e de isolamento: os idosos.
Um «planeta» que tem em comum a idade mas que atravessa todas as camadas sociais de uma forma democrática. Foi, em muitos aspectos, o drama dentro do drama do coronavírus no Norte do mundo e em Itália, onde - nota o ISTAT - 85% das mortes devidas ao Covid-19 se manifestaram na população com mais de setenta anos. Um número que chama a atenção, juntamente com outro, fornecido pelo Instituto Superior de Saúde, o que indica o número muito elevado de mortes entre os idosos institucionalizados nas Rsa (Residências de Saúde Assistências) e nos lares de idosos, duas vezes mais do que os que viviam nas suas casas.

O que aconteceu não nos pode deixar indiferentes nem passivos. E mesmo agora, quando o nosso país tomou as medidas da pandemia e está melhor equipado para lidar com quaisquer novas emergências sanitárias, precisamos de intervir. Agora, quando as feridas deste massacre moderno dos inocentes ainda estão abertas e deixaram a sua marca em tantas famílias, é tempo de repensar a nossa sociedade com renovada solidariedade intergeracional e novos modelos de assistência e cuidado para com os mais vulneráveis. Esta é também a razão pela qual, no passado dia 20 de Maio, a Comunidade de Sant'Egidio promoveu um apelo internacional - a começar pelas páginas deste jornal - que já reuniu dezenas de milhar de assinaturas, incluindo as de alguns representantes das instituições e do mundo da cultura.

«Sem idosos não há futuro. Para re-humanizar as nossas sociedades, não a uma sociedade selectiva» é um manifesto para recomeçar, após a crise, com uma visão diferente da Europa, em que os idosos já não sejam considerados, como disse o Papa Francisco a 29 de Junho, «material descartável». Também porque muitos já são - e todos esperam tornar-se no futuro - idosos, portanto que necessitam, como em qualquer outra fase da vida, das relações humanas e da proximidade. De facto, outro vírus, o da solidão, também matou ou tornou mais difícil cuidar dos idosos durante a pandemia, mas para o qual já dispomos de uma vacina eficaz: a atenção que todos nós e as instituições deveriam ter para com os cidadãos mais frágeis.

O objectivo do apelo é precisamente o de manter viva esta atenção.Em primeiro lugar, evitar o inaceitável dilema de "ter de" escolher quem cuidar porque é contrário a todos os princípios humanos e constitucionais e à Declaração Universal dos Direitos do Homem: "Todos têm o direito à vida, à liberdade e à segurança da pessoa". Em segundo lugar, o manifesto promove um repensar radical dos nossos sistemas de saúde, com base numa prevalência dos cuidados domiciliários, juntamente com a construção de redes de proximidade em volta dos idosos, começando pelos que representam a vida quotidiana, até ao acompanhamento activo dos que vivem sozinhos.

As instituições deveriam encarregar-se disto, favorecendo novas soluções já testadas com sucesso por Sant'Egidio - como o cohousing (alojamento em coabitação) e os condomínios protegidos que permitem evitar a institucionalização, continuando a viver numa casa, com todas as vantagens que isso implica, na velhice e mesmo na presença de patologias graves. A crise vivida pode ajudar a alcançar um avanço inovador que ofereceria maior protecção aos idosos e, ao mesmo tempo, custos de saúde mais baixos. Mas precisamos de agir agora, antes que uma questão tão central para a sociedade volte a ocupar um lugar secundário - e culposamente - em segundo plano.

O Cardeal Martini afirmou em 1990: «A dignidade da vida oferecida aos idosos é medida pelo perfil ético de cada sociedade e da Europa: é um teste que mostra a ética da coexistência humana». Estas palavras não são apenas actuais, trinta anos depois, mas de alguma forma proféticas porque nos mostram o caminho a seguir se queremos que as nossas sociedades preservem essa mistura de civilização e humanismo sem o qual o nosso continente como o conhecemos não existiria, ou seja, solidário com todos os seus cidadãos, sem exclusões.
 


[ Marco Impagliazzo ]