news

Os danados da Terra estão a bater às nossas portas. Editorial de Andrea Riccardi

20 Julho 2020

Andrea Riccardi
refugees

Compartilhe Em

A pandemia não parou aqueles que fogem do que o Papa chamou de verdadeiros lagers e procuram um destino na Europa. E, entretanto, a Líbia e o Líbano já estão em colapso

Duas histórias terríveis de barcos de refugiados, o Ocean Viking e o Talia, voltam a propor um problema dramático do Mediterrâneo. O Talia, um navio de transporte de animais, obrigado a esperar pelos malteses com o habitual procedimento interminável, tornou-se famoso por uma imagem que recordava a Piedade de Michelangelo: um marinheiro sírio ajudava um refugiado esquelético, que já não conseguia andar, a chegar a terra. É uma imagem que despertou do torpor aqueles que se tinham acostumado a estas histórias. O Ocean Viking, o navio de uma ONG, esteve onze dias à espera do despacho do governo italiano para desembarcar.A sua carga humana, 180 pessoas, desenha uma espécie de ONU dos condenados da terra: 60 do Bangladesh, 46 do Paquistão, 17 do Egipto, 16 da Tunísia, 11 da Eritreia, 11 de Marrocos, 6 do Gana, três do Sudão e Camarões, um da Nigéria, Mali e Costa do Marfim. As medidas de segurança para evitar o Coronavírus tornam cada operação mais complexa. Em qualquer caso, não podemos apenas registar as amarrações, mas colocar o problema como um todo. Os próximos meses, e não anos, serão desafiados por esta realidade.
Antes de mais, a questão líbia: migrantes/refugiados retidos numa guerra sem fim, por vezes torturados ou usados como escravos pelos líbios. O Papa chamou os centros de detenção na Líbia lagers. Cerca de 50.000 migrantes permanecem aqui, incluindo mulheres e crianças.
Em vez de os deixar em condições desumanas ou de os ver tomar as perigosas rotas do mar, trata-se de planear uma evacuação, da qual a
Itália pode tomar a iniciativa com a colaboração de outros países europeus.
Desta forma, vidas humanas são retiradas dos riscos das viagens e de uma condição desumana. É uma urgência sobre a qual se deve agir prontamente.
A segunda questão séria, mas em perspectiva, é o Líbano,  dominado por uma crise política e económica sem paralelo. Um país que tem vindo a abalar há décadas, hoje corre realmente o risco de colapso. Aqui, mais de 250.000 palestinianos foram sempre acolhidos (mas não integrados e em condições de habitação incríveis: é o que dizem aqueles que visitaram Sabra e Chatila, os campos de refugiados onde vivem), há um milhão e meio de sírios, na sua maioria em campos de tendas. Alguns regressam à Síria, mas nem sempre em condições de segurança.
Temos de multiplicar os corredores humanitários para os sírios. A Europa interveio várias vezes para salvar o Líbano. A Itália tem cerca de 1.000 soldados no país dos cedros no seio das forças armadas da ONU. Precisamos de retomar a iniciativa política europeia no Líbano e de um resgate da economia, apesar das condições políticas precárias. O Mediterrâneo não pode permitir-se outra crise. E os libaneses e os refugiados não o merecem. Ou será que vamos deixar tudo ao complexo jogo russo-turco ou árabe-iraniano, esquecendo que o Mediterrâneo é um mar também nosso?
Finalmente, a crise do Covid-19 voltou a colocar em questão a África, cuja economia é mais de 60% informal, na estrada e no mercado.A desertificação desloca as populações. O terrorismo islâmico, por detrás do qual aparecem interesses precisos, capazes de recrutar um mundo de frustrados e rejeitados, ameaça regiões inteiras. A questão de África deve ser colocada na agenda da comunidade internacional para o seu próprio bem e para o equilíbrio do mundo. Não nos salvamos sozinhos, mas cultivando a paz, a segurança e o desenvolvimento no mundo inteiro.

Editorial de Andrea Riccardi em Famiglia Cristiana de 19/7/2020