news

2 de Agosto de 1999 - 2020: Yaguine e Fodé, morreram pelo sonho de estudar, com uma carta no bolso para a Europa

2 Agosto 2020

MIGRANTS

Foi a 2 de Agosto de 1999. Os corpos foram encontrados no trem de pouso de um avião em Bruxelas. A carta deles fala-nos de um sonho ainda por realizar para tantos meninos em África

Compartilhe Em

A viagem de Yaguine e Fodè

Em 1999, Yaguine e Fodè eram dois rapazes de 15 e 14 anos que queriam deixar a Guiné para estudar na Europa. É por isso que se esconderam no trem de pouso de um avião e morreram durante a viagem por causa do frio. Os dois jovens tinham uma carta com eles.
Falavam dos seus problemas, mesmo da escola: "Ajudem-nos, estamos a sofrer enormemente em África, ajudem-nos, temos problemas e as crianças não têm direitos. Ao nível dos problemas, temos guerra, doença, comida. Quanto aos direitos das crianças, em África e especialmente na Guiné, temos muitas escolas mas uma grande falta de educação e de ensino, excepto em escolas privadas onde se pode ter uma boa educação e um bom ensino. Mas é preciso muito dinheiro e os nossos pais são pobres, mesmo que façam tudo o que podem para nos alimentar".
Yaguine sempre disse: "No dia em que partir para França, ajudar-vos-ei a todos a estudar".
A turma de Fodè contava 107 pessoas; esta é a descrição da escola: "Fodè dirigiu-se então a um edifício de um andar, coberto por um telhado de telhas irregulares, para se sentar na sua turma, a 6ª B. O mobiliário é pobre: um quadro negro, algumas aberturas nas paredes para deixar passar a luz, uma vez que não há electricidade, e algumas carteiras onde os estudantes se amontoavam".
Agora a mãe de Yaguine conta: "A única coisa que ele desejava era estudar, custe o que custar.

Carta dos meninos da Guiné Conacri
Excelências, os senhores membros e líderes da Europa,temos o honroso prazer e a grande confiança de vos escrever esta carta para vos contar o propósito da nossa viagem e o sofrimento de nós, crianças e jovens em África.
Mas antes de tudo, vos apresentamos as nossas mais belas, adoráveis e respeitosas saudações; para tal fim, sejam o nosso apoio e ajuda, sejam-no para nós em África, vós a quem temos de pedir ajuda: imploramo-vos pelo amor do vosso belo continente, pelo vosso sentimento para com os vossos povos, as vossas famílias e sobretudo pelo amor aos vossos filhos, que amais como a vida.
Além disso, pelo amor e a timidez do nosso Deus Criador Todo-Poderoso que vos deu todas as boas experiências, a riqueza e o poder para construir e organizar bem o vosso continente e torná-lo o mais belo e admirável entre outros. Senhores, membros e líderes da Europa, é à vossa solidariedade e bondade que clamamos ajuda em África. Ajudem-nos, estamos a sofrer enormemente em África, ajudem-nos, temos problemas e as crianças não têm direitos. Ao nível dos problemas temos: guerra, doenças, alimentação, etc.; quanto aos direitos das crianças em África, e especialmente na Guiné, temos muitas escolas com grande falta de educação e ensino, excepto nas escolas privadas onde se pode ter uma boa educação e um bom ensino, mas é preciso muito dinheiro, e os nossos pais são pobres, em média alimentam-nos. E depois não temos escolas de desporto como futebol, basquetebol, ténis, etc. Portanto, neste caso, nós africanos, e especialmente nós crianças e jovens africanos, estamos a pedir-vos que façam uma grande organização útil para o progresso de África. Portanto, se estão a ver que nos sacrificamos e arriscamos as nossas vidas, é porque estamos a sofrer muito em África, e precisamos de vós para lutar contra a pobreza e pôr um fim à guerra em África. No entanto, queremos estudar e pedimo-vos que nos ajudem a estudar para que possamos ser como vós em África: pedimo-vos que nos desculpem muito por termos ousado escrever-vos esta carta, porque vós são adultos a quem devemos muito respeito. E não esqueçam que é convosco que devemos lamentar a fraqueza da nossa força em África.


Escrito por duas crianças guineenses, Yaguine Coita e Fodè Tounkara