news

Daniela Pompei: «Basta de gritar com a invasão, os fluxos migratórios são controláveis»

2 Agosto 2020

MIGRANTS

Entrevista em «Avvenire»

Compartilhe Em

«Não há nenhuma invasão» já que em 2016 na Itália desembarcaram dez vezes mais migrantes de hoje, «e de qualquer forma eles foram geridos». Pelo contrário, é necessária a cooperação na Tunísia para relançar a economia em crise que empurra as pessoas para a fuga. Na Líbia, por outro lado, são necessárias evacuações humanitárias concertadas com os parceiros europeus. Voltando a questionar o apoio italiano às milícias que, em vez de salvarem os náufragos, metralharam-nos. Daniela Pompei, responsável do sector de migrações da Comunidade de Sant'Egidio, uma das promotoras dos corredores humanitários, reflecte sobre as últimas notícias sobre a imigração de uma das frentes mais quentes da «Fortaleza Europa», Lesbos. Na ilha grega, a 12 milhas da costa turca, Sant'Egidio organiza há muito tempo o acolhimento e a integração dos refugiados. Sírios e não só. «Aqui em Mytilene vivem 23 mil gregos. O campo de Moria, nas proximidades, abriga agora 15 mil refugiados. Mas em Janeiro eram 22.000. Para dizer a verdade a Itália, apesar de tudo, não regista estas situações».

Diante do crescimento dos desembarques em Lampedusa, há quem fala de emergência, invasão, até mesmo da «fúria imigracionista» do governo.

«Sejamos claros: a tendência actual dos desembarques deve ser redimensionada e não deve causar preocupação excessiva ou desencadear alarmismo que faça as pessoas gritar por uma invasão. É normal que no verão haja um aumento das travessias, que também se tinham abrandadas pela Covid-19. Mas estamos a falar de números absolutamente controláveis. De Janeiro a Julho o Viminale (Ministério do Interior) diz que chegaram 13.000 pessoas, em 2019 foram 18.000. Lembro que em 2015 chegaram 144.000 pessoas, no ano seguinte 181.000. E, de qualquer forma, a Itália pôde acolhê-las. Por favor, aqueles que falam de invasão hoje não sabem o que dizem».

A Itália pode, portanto, gerir os números actuais?

«Sim, e já o fez amplamente nos últimos anos. É verdade que em 2019 assistimos ao desmantelamento do sistema de recepção. Agora devemos saudar com favor o acordo do governo para rever os chamados decretos de segurança, que tinham reduzido os direitos, prejudicado a forma como a integração era realizada e, de facto, criado as condições para um aumento da insegurança. O Viminale diz agora que está a virar uma nova folha. Bem, agora devemos reactivar o sistema de centros de recepção e as instalações do Siproimi, que já dão hospitalidade temporária a 85.000 pessoas. Não vai ser preciso muito esforço para aumentar o número de lugares.
Dado o risco generalizado da Covid-19, são necessárias intervenções específicas, usando alguns hotéis para controle e possível quarentena. Isto foi feito, por exemplo, pela Província do Lazio para pessoas sem abrigo ou que vivem em casas superlotadas. Muitos hotéis estão vazios. O Estado poderia equipá-los para esta recepção, apoiando-os assim. No entanto, temos de chegar às raízes do problema. É evidente que os tunisinos são na sua maioria migrantes económicos, não estão a fugir de uma guerra ou de uma ditadura. Eles eram emigrantes para a Líbia, mas a guerra forçou muitos trabalhadores tunisinos a voltar para casa. Há uma terrível crise económica. Então seria sábio e do interesse da Itália apoiar programas de cooperação, para evitar viagens arriscadas com um futuro incerto. Isto não nos isenta de enfrentar o nó da Líbia».

É uma instabilidade que se está a tornar crónica.


«A Itália não pode enfrentar sozinha a emergência da guerra civil. Mas poderia liderar uma aliança de países europeus. Em primeiro lugar, para implementar uma evacuação humanitária dos centros de detenção líbios. Trata-se de algumas milhares de pessoas, números absolutamente controláveis orquestrando uma distribuição europeia, como já foi feito para outros desembarques entre "países dispostos"».

Três jovens refugiados sudaneses retornados à Líbia foram mortos pela «guarda costeira» líbia enquanto fugiam. Contudo, a Itália há algum tempo renovou o seu entendimento com a Líbia.

«É um acordo que precisa de ser repensado profundamente. A formação da polícia líbia pode ser feita, mas a sério. Ensinando-lhes, por exemplo, que não se dispara sobre pessoas que fogem. A Itália tinha feito isso, e bem, na Albânia com a "Operação Pelican"».


[ Luca Liverani ]