news

Sant'Egidio, a festa para os 48 anos da comunidade, uma expressão do cristianismo popular

5 Fevereiro 2016 - ROMA, ITÁLIA

Na liturgia entre os amigos da Comunidade também a família síria que chegou com os corredores humanitários. Marco Impagliazzo: "Obrigado a todos os amigos que acompanham o nosso trabalho e o nosso sonho"

Compartilhe Em

Basílica de São João enchida nesta noite pelo "povo de Sant'Egidio" e muitos dos seus amigos para o 48º aniversário da Comunidade. Presidiu a celebração o arcebispo de Bolonha, Matteo Zuppi, que na homilia, depois de ter expressado a sua alegria - acompanhada de um longo aplauso - para a chegada no mesmo dia em Roma da primeira família de refugiados sírios com os corredores humanitários, promovidos por Sant'Egidio juntamente com as Igrejas evangélicas italianas, recordou a história de muitos anos ao serviço dos pobres e da paz: "Hoje não é a festa de uma instituição, mas uma etapa de um caminho que começou na tarde de 7 de Fevereiro de 1968, quando Andrea Riccardi reuniu um pequeno grupo de alunos do ensino médio em volta do Evangelho começando a empregar a própria vida ao serviço dos mais pobres, com a profunda intuição, que este era o caminho para mudar a si mesmos e o mundo. E não mudou essa ambição para tornar o mundo melhor. Ainda mais hoje nós sonhamos e trabalhamos para que a guerra seja banida dos homens, se esvaziem os arsenais e se vença a infâmia da pena de morte, para que os nossos países não percam a alma e se tornem um mercado; para que o mundo encontre o caminho da unidade e o diálogo derrote o preconceito. E eu acho que o desafio da paz está na frente de todos nós e temos de ganhar, com a rede de relações, com a sabedoria dos encontros e a insistência da oração."

De sonho e realismo falou no final da celebração, na sua saudação, o presidente de Sant'Egidio, Marco Impagliazzo, "A amizade com os pobres levou-nos ao longo de todos estes anos para um realismo que vem do conhecimento de muitos ambientes e Países. Mas a leitura do Evangelho sempre nos convidou ao sonho de transformar essa mesma realidade, de mudar o mundo, numa comunidade que quer ser cada vez mais amiga de Deus, dos pobres e da paz, uma expressão do cristianismo popular". No final da liturgia uma saudação e um longo aplauso à família síria acabada de chegar em Roma, sentanda na basílica nos lugares de honra.

 

A homilia de Matteo Zuppi >>

A saudação de Marco Impagliazzo >>