news

A memória dos mártires perante a cruz destruída pelas bombas

12 Maio 2016 - WARSZAWA, POLÔNIA

MartyrsPoland

Oração ecuménica com o cardeal Nycz na igreja de San Martino em Varsóvia

Compartilhe Em

Teve lugar a 10 de Maio, em Varsóvia, uma oração em memória dos mártires contemporâneos. Muitos reuniram-se, a poucos passos do Castelo Real, aos pés do Crucifixo de San Martino, o único vestígio de um antigo mosteiro completamente destruído durante a Revolta de Varsóvia, um sinal tangível do sofrimento de milhões de cristãos europeus durante a segunda guerra mundial.

A oração, organizada pela Comunidade de Santo’Egídio, foi presidida pelo Cardeal Kazimierz Nycz, e contou com a presença de representantes de diversas Igrejas cristãs. Na homilia, o Arcebispo de Varsóvia salientou a tentação de adaptar o Evangelho, uma tentação particularmente evidente a propósito das passagens das Bem-Aventuranças e do Juízo Final
.

"Quem não decide aceitar a radicalidade do Evangelho, faz de tudo para enfraquecer a força das palavras de Jesus Cristo, que ontem e hoje disse:" Bem-aventurados os pobres de espírito, bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, bem-aventurados os misericordiosos".
O arcebispo de Varsóvia também sublinhou que o Evangelho deve ser ouvido "sem acréscimos e sem retoques", como é evidente através da parábola do Juízo Final. Através do amor aos pobres será medida a vida de cada pessoa: "Eu estava com fome e deste-me de comer, tive sede e deste-me de beber, era um estranho e acolheste-me".
«Entre os cristãos europeus, também nós na Polónia”, - observou o cardeal Nycz – é forte a tentação de querer reduzir ou adaptar o significado destas palavras de Jesus, apesar de sua clareza. Não chegam ainda a afirmar que Jesus estava errado ao dizer: ". Eu era peregrino e me acolhestes" Mas muitas vezes argumenta-se que o papa está errado ao insistir na necessidade de receber estrangeiros. Através dos mártires devemos aprender a ouvir o Evangelho a sério».

O arcebispo de Varsóvia recordou que todos os cristãos são chamados a tornar-se testemunhas da misericórdia. "Hoje podemos acolher o legado dos mártires, nossos contemporâneos. Podemos ser os que guardam a sua memória e que os seguem no seu testemunho de radicalidade evangélica. Estamos aqui para reforçar o nosso compromisso em favor dos que estão à espera de nossa ajuda e que têm o direito de não esperar muito tempo. Não apenas os cristãos no Oriente Médio, mas todos os que são perseguidos por causa da sua fé, do seu empenho em defesa da justiça e da vida ", o cardeal concluiu.

  Durante a vigília foram lembrados os nomes dos cristãos, religiosos e leigos, que morreram nos últimos anos pela sua fidelidade ao Evangelho. Entre muitos outros, foram lembradas as Missionárias da Caridade, mortas no passado 04 de março no Iêmen, e as vítimas do atentado no parque em Lahore na tarde de Páscoa
.