news

JMJ: refugiados sírios, ex sem-abrigo e jovens de Sant'Egidio carregam a cruz na Via Sacra com o Papa Francisco

29 Julho 2016 - CRACÓVIA, POLÔNIA

GMG

Compartilhe Em

Esta noite em Cracóvia, na primeira estação da Via Sacra com o Papa Francisco, uns vinte jovens de Sant'Egidio, de Itália, Argentina, Ucrânia e Paquistão, carregarão a cruz juntamente com alguns refugiados sírios e um casal de poloneses que até recentemente vivia na rua.

 Algumas histórias deles e comentários, ao vivo de JMJ:

Rana e Maher são cristãos melquitas, que fugiram da guerra na Síria e agora acolhidos em Roma pela Comunidade de Sant'Egidio. Em Damasco, onde nasceram e estudaram, eles viviam bem. Rana lembra: "Depois dos estudos de economia tinha encontrado um emprego no banco. Eu falo um bom Inglês e por isso o meu gerente me confiara muita responsabilidade". Em Roma Rana frequenta a Escola de Língua e cultura italiana de Sant'Egidio e está a aprender rapidamente a nossa língua. "Eu sinto falta do meu trabalho - ela admite - e eu adoraria ir para a universidade, aqui na Itália, para encontrar um bom emprego."

Maher teve que deixar a Síria de repente. "Uma manhã eu encontrei a minha loja queimada, com uma inscrição na parede oposta:" Hoje a loja, amanhã você". Então eu tive que deixar tudo: minha família, sentimentos, memórias. Parti para a Europa, onde conheci Sant'Egidio. Agradeço-lhes sinceramente porque cheguei na Itália, arriscando a vida, mas eles, com os corredores humanitários, estão a ajudar nestes meses muitos dos meus compatriotas. E nunca se esquesem de rezar pela paz na Síria".

Dorota e Edek, naturais da Silésia, conheceram-se numa sala de espera do aeroporto de Varsóvia. Mas eles não estavam saindo. Depois de uma vida de trabalho - Dorota num refeitório, Edek numa mina - começaram ambos a viver na rua. E é na rua que conheceram os jovens da Comunidade de Sant'Egidio que a cada semana, em Varsóvia, distribuem o jantar aos sem-abrigo, detem-se para falar com eles, se tornam amigos. Um ano atrás, a proposta de uma casa, graças à solidariedade de seus novos amigos. Diz Dorota, hoje em Cracóvia: "Parecia um sonho, mas não é: eu realmente tenho uma família e um lar. Porque eu tenho Edek, mas também esses jovens, com quem esta noite carregarei a cruz". E Edek: "Eu sinto-me muito bem no meio dos jovens de todo o mundo. Nunca pensei ver o Papa Francisco tão de perto. Se eu pudesse dizer-lhe alguma coisa, eu gostaria apenas de agradecer por todas as vezes que diz "ajudai quem é pobre, sozinho, doente".

Giulia está a estudar medicina na "Sapienza". Nascida em Roma, conheceu os estudantes universitários de Sant'Egidio no Facebook e desde então nunca mais os deixou. Toda as semanas eles reza com eles e prepara o jantar para os sem-abrigo, que é distribuído entre o bairro de San Lorenzo e a estação Termini. "Eu gosto do facto de que somos todos jovens - observa Julia - e podemos fazer muitas coisas juntos. Eu vi muitas situações difíceis mudar. Mas carregando a cruz, não posso deixar de pensar em António e Mimmo, dois amigos que viviam na rua, mortos alguns meses atrás".