news

Migrantes: Pompei (Sant'Egidio) para a integração "desenvolver modelo de adopção"

19 Setembro 2016

Assisi 2016#Thirst4peacePeace Meeting Assisi 2016

Compartilhe Em

 Debatem-se muito de modelos para o acolhimento dos migrantes na Europa: Eu acredito que o modelo italiano de inclusão em relação aos imigrantes pode ser definido de adopção" Isto é o que disse Daniela Pompei, responsável pela imigração da Comunidade Sant'Egidio e entre os realizadores dos "corredores humanitários" no painel dedicado à "Migrantes e integração", que foi realizada hoje em Assis, no âmbito do congresso "sede de paz".
De acordo com Pompéi "A Itália tem na sua história a tradição da adopção das crianças, tanto nacional como internacionalmente. Mas há mais de 35 anos, este mesmo modelo "de adopção" já deu os seus frutos em questões de imigração ". Em sua opinião, "mais da metade dos imigrantes (que são na sua maioria mulheres) entraram nas casas das famílias italianas, trabalharam com os idosos, com as crianças, com os nossos deficientes, e assim nasceu um sistema adotivo de integração, porque os imigrantes entraram no coração da cultura e das famílias".

De acordo com a responsável de Sant'Egidio sobre este modelo temos de investir de modo a permitir um maior desenvolvimento.

Pompei - com fatos e números - mostra que a segunda área importante em que a integração ocorre é a da escola: "Eu não quero dizer que não existem problemas. Ainda há muito a fazer. Mas parece-me - disse ela - que no balanço esta abordagem foi positiva"

"O modelo de adopção - disse Daniela Pompei - envolveu a sociedade civil, como vimos, após a morte do pequeno Aylan Kurdi ano passado."

"Como Comunidade de Sant'Egidio - concluiu - temos experimentado neste ano o acolhimento com os corredores humanitários. Muitos, indivíduos, famílias, associações, empresários, paróquias nos contataram para oferecer hospitalidade, casas, apoio humano. A integração pode fazer bem se é a sociedade civil que a sustenta”