news

Hoje começa o mês do Ramadão: um desejo de paz a todos os amigos muçulmanos neste período de pandemia

23 Abril 2020

Islam
coronavirus

Compartilhe Em

Por ocasião do início do mês do Ramadão, publicamos a mensagem de S.E. Dom Ambrogio Spreafico, Presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo.

“Queridos irmãos e irmãs das comunidades muçulmanas, gostaria de vos expressar o meu desejo de proximidade neste mês do Ramadão, sagrado para a fé islâmica. Neste momento difícil, expressais a submissão ao Deus Todo-Poderoso e Misericordioso através deste tempo de jejum e oração ”. Assim começa a mensagem de votos que Dom Ambrogio Spreafico, presidente da Comissão para o Ecumenismo e o Diálogo da CEI, enviou aos muçulmanos que vivem no nosso país para o começo, esta noite, entre quarentena rígida e isolamento, do Ramadão. Existem 2,6 milhões de fiéis muçulmanos na Itália que se absterão de beber e comer do nascer ao pôr do sol. O mês sagrado do Ramadão, que termina em 23 de Maio, chega no auge da pandemia de coronavírus, que também obrigou as comunidades religiosas a rever tradições e ritos à luz das medidas de distanciamento social impostas pelos governos.

"Confiamos ao Deus Altíssimo e Todo-Poderoso os doentes desta pandemia, os que os assistem, os idosos mais afectados, as famílias em dificuldade e os pobres que sentem ainda mais a falta do que é necessário para viver", escreve o bispo Spreafico. "Que este Ramadão também seja para as vossas comunidades um sinal de compartilha com aqueles que sofrem e não têm o necessário, para que a justa Zakaat al Fitr, à qual as vossas comunidades já obedecem, se torne verdadeiramente universal e diária, como alguns expoentes importantes do mundo islâmico mundial declararam recentemente em relação ao coronavírus. Portanto, vos desejo neste mês sagrado que as vossas comunidades sempre possam manifestar no nosso país o desejo de paz e o compromisso de coexistência, combatendo todos os tipos de violência e divisão. Ramadão Karim! ".

Na mensagem o Dom Spreafico também recorda o princípio da irmandade humana que une de maneira particular todos os seguidores das diferentes religiões. "Numa época em que todos somos perturbados pelo mal que aflige o mundo por causa do Covid-19 e que atravessou todas as fronteiras - lê-se no texto -, as religiões, apesar das suas inegáveis diversidade, podem expressar a necessidade de reencontrar aquela harmonia e aquela semente de paz que nos une, fazendo-nos reconhecer todos criados por Deus, todos pertencentes à única família humana". A referência é ao Documento assinado em Abu Dhabi pelo Papa Francisco e pelo Grande Imame de Al-Azhar Ahmad Al-Tayyeb no qual ele reitera que "a única maneira possível de viver em paz é o diálogo".