news

Recordamos Floribert Bwana Chui, um jovem da Comunidade de Sant'Egidio no Congo, mártir da corrupção, no aniversário da sua morte

8 Julho 2020

Martyrs

Compartilhe Em

A de Floribert Bwana Chui - um jovem funcionário da alfândega congolesa de Goma - é a história de um homem assassinado por não ter cedido à corrupção (1). Conhecê-la ajuda-nos a compreender as novas formas de martírio: é um sacrifício silencioso, longe dos interesses dos meios de comunicação social, que, no entanto, abala a vida social e política dos Estados onde a corrupção se tornou habitual. O Papa Francisco também o reiterou na sua viagem a África em 2015, quando uma jovem lhe perguntou: «Pode a corrupção ser justificada pelo facto de todos serem corruptos? Como podemos ser cristãos e combater o mal da corrupção?».

Na sua resposta, o Papa salientou: "A corrupção é algo que entra em nós. É como o açúcar [...]. Sempre que aceitamos um "suborno", destruímos o nosso coração e o nosso país [...]. Como em todas as coisas, tem de começar: se não quer corrupção, começa tu… agora! Se não começas tu, também o teu vizinho não começará". Falando aos jovens durante a visita, acrescentou: «Moços e moças, a corrupção não é um caminho de vida: é um caminho de morte!» (2)

Quem era Floribert? Francesco De Palma conta a vida de Floribert Bwana Chui bin Kositi através dos acontecimentos tortuosos do Congo contemporâneo. A sua é uma história curta e cheia de fé, encarnada numa terra humanamente rica e bela, mas politicamente complexa e conturbada. Floribert nasceu a 13 de Junho de 1981 em Goma, no leste da República Democrática do Congo, na fronteira com o Ruanda, e cresceu numa altura em que a paz não era conhecida, devido a duas recentes guerras sangrentas. Foi morto em Goma, a 7 de Julho de 2007, por ter bloqueado a passagem de alimentos deteriorados, nocivos para a saúde da população. Morreu com apenas 26 anos de idade. No livro O Preço de Duas Mãos Limpas (Paulinas, 2015) há uma antologia de testemunhos que recorda Floribert como uma pessoa magnânima, que nunca deixou de acreditar que podia mudar o (seu) mundo graças à fé em Cristo; estava convencido de que "nunca se é tão pobre que não se possa ajudar alguém mais pobre do que nós". Pouco a pouco, o leitor é acompanhado para contemplar, na frágil vida do protagonista, o crescimento de uma força interior que ao longo dos anos o leva a comprometer-se com as Escolas da Paz, o orfanato de Baraza e o bairro de Mabanga.

Floribert acredita no poder da reconciliação, o que favorece o encontro. Sem negligenciar os seus estudos, concluídos no Verão de 2006 com uma licenciatura em Economia, presta ajuda aos meninos de rua. A seguir, o trabalho em Kinshasa, no Office Congolais de Contrôle (Occ), a agência estatal responsável pelo controlo da qualidade das mercadorias que passam pelo Congo. Pouco tempo depois, Floribert é transferido para Goma, onde vivem os seus pais, a sua noiva, amigos e muitos meninos de rua que conhece. Aí, a responsabilidade aumenta. Antes de mais, perante a sua consciência de crente: através do seu trabalho sente que a vida e a saúde do povo são confiadas às suas escolhas. Como comissário dos estragos, é chamado a confiscar e destruir os alimentos que entram no Congo vindos do Ruanda através das barreiras aduaneiras de Goma sem os requisitos higiénicos e comerciais da lei. A honestidade alimentada pela fé, a coragem de Floribert é encontrada na fé. Na sua Bíblia há uma passagem que o provoca: «Vieram também alguns cobradores de impostos, para serem baptizados e disseram-lhe: «Mestre, que havemos de fazer?» Respondeu-lhes: «Nada exijais além do que vos foi estabelecido.» (Lc 3,12-14). Para Floribert isto é um imperativo moral: não exigir nada mais do que o que foi estabelecido. Está convencido disto não pela força, mas por causa da fé. Tudo é tão simples que parece óbvio: é o regresso da honestidade. A revolução silenciosa da honestidade começa aqui. A vida de Floribert ensina que se alguém não começar a revoltar-se contra a corrupção, a história comum não será salva. É de facto a ganância pelo dinheiro que está na origem de toda a corrupção que leva a troçar das leis, a vender-se por dinheiro, a matar os honestos.

Entre o final de Junho e o início de Julho de 2007 Floribert confidencia a um amigo: «Recebo muitas pressões. Mas eu não quero ceder. Se eu não destruísse o que é danoso para a saúde de tantas pessoas, se aceitasse ser corrompido, seria como trair tudo aquilo em que acreditei, seria como aceitar a minha própria, de destruição. Vou continuar, bloqueei algum arroz estragado: não se pode expor a população ao perigo". "Exorcizava" os seus medos com o canto La résurrection pour l'Afrique, da Comunidade de Sant'Egidio, à qual ele pertencia. Os bispos africanos também desejaram, em 2003, que "os cristãos fossem heróis da luta sem sangue pela reconstrução nacional". Em particular, para os bispos do Congo, a reconstrução nacional passa pela luta contra a corrupção. É a luta cristã feita com as únicas armas da fé: a amizade, a reconciliação, a verdade, a responsabilidade, a construção do bem comum. Floribert caminhou com fé no caminho traçado pelo carisma da Comunidade de Sant'Egidio. Foi atraído pela forma como a força do diálogo tinha alcançado a paz em Moçambique, pelo facto de que "a Comunidade tinha conseguido reconciliar aqueles que tinham lutado durante anos. Essa experiência deu-lhe a força para falar aos jovens em Kigali, Ruanda.

No coração dos amigos
O livro relata o testemunho de Trésor, um dos seus irmãos, que explica como Floribert nunca se submeteu a qualquer chantagem: «Eles queriam passar alimentos estragados de qualquer maneira, sem que fossem destruídos. Ofereceram-lhe dinheiro, ele recusou, ameaçaram-no. Floribert tinha-me falado nisso. Mas ele insistiu que nunca aceitaria dinheiro em troca da vida de alguém, porque qualquer pessoa que comesse aquela comida estragada poderia morrer». Floribert tinha confiado à Irmã Jeanne-Cécile Nyamungu que «tinham tentado suborná-lo para não destruir comida estragada, tinham-lhe oferecido primeiro $1.000, depois mais, até $3.000. Mas ele tinha recusado: como cristão não podia aceitar pôr em perigo a vida de tantas pessoas. Eu disse-lhe que ele tinha feito bem, que ao operar desta forma não se tinha tornado cúmplice do mal. Ele acrescentou: "O dinheiro desaparecerá em breve. E, no entanto, as pessoas que iriam consumir esses produtos, o que seria deles". Ele continuou: "Vivo ou não em Cristo? Vivo ou não para Cristo? É por isso que não posso aceitar. É melhor morrer do que aceitar esse dinheiro". Assim o concluiu. Concordámos em nos encontrarmos novamente no sábado seguinte, para falarmos mais sobre o assunto. Mas eu não fiquei livre até às 15:00 naquele sábado, quando liguei para o telemóvel dele, ele não atendeu, já tinha sido raptado». A 7 de Julho, Floribert foi raptado e morto. Ao sair de uma loja é forçado a entrar num carro. As tentativas de busca não têm qualquer efeito. Dois dias depois, ao meio-dia, ele é encontrado morto por um motociclista. O seu corpo ostenta as marcas do espancamento e da tortura que sofreu durante a sua prisão.

Após a autópsia, a Irmã Jeanne-Cécile, sua amiga médica, disse: «Ele tinha sido torturado de forma atroz, seus dentes tinham sido quebrados, assim como seu braço esquerdo, e havia marcas evidentes de ferro de engomar no seu aparelho genital e nas nádegas». Morre-se de corrupção. Acontece sempre que a força da corrupção, que significa "quebrar em muitas partes", eclipsa o bem comum. Se, por um lado, a corrupção seduz e atrai, por outro, como nos lembra o Papa Francisco, força os homens a sujar o coração, impede a consciência de fazer escolhas generosas para com os outros, tira a liberdade de ouvir a voz de Deus. É por isso que os homens corruptos, em vez de distinguir o bem do mal, se limitam a auto-justificar o mal» (3). Dizer "não" à corrupção, em África e em muitos outros cantos do mundo, pode custar o sacrifício da vida. O livro apresenta algumas linhas interpretativas sobre o mistério desta morte. Não é tão difícil compreendê-la, mesmo que ainda hoje nenhuma luz tenha sido derramada sobre ela. Talvez tenha sido a rejeição dada por Floribert ao comissário de saúde que tentou corrompê-lo, talvez tenha sido uma retaliação pela comida deteriorada já destruída, ou uma escolha de poderes fortes e corruptos para lhe impedir de destruir mais alimentos. Seja como for, Floribert foi morto porque, em virtude da sua fé, disse "não" à corrupção. Ele dizia: « Pega no Evangelho e lê-o". Vai confortar-te, dar-te alegria».

Na sua introdução ao livro, Andrea Riccardi sublinha a força que a derrota dos homens de paz e fé deixa como legado: «Esta história merece atenção [...]. É uma vicissitude muito triste, que mostra a força da corrupção e o clima de violência. Mas é também a história da "força débil" de um jovem que crê. Ela aponta o caminho para a ressurreição da África, que começa com os jovens e os leigos».

A história de Floribert, porém, não é uma história confinada à fronteira entre Congo e Ruanda: o seu sacrifício silencioso questiona todas as fronteiras do mundo, onde a corrupção pode ser derrotada pela honestidade, porque - como disse Floribert - «a saúde das pessoas vale mais do que o dinheiro».

La Civiltà Cattolica
Notas 1. Cf. F. De Palma, O preço de duas mãos limpas. Um jovem contra a corrupção na República Democrática do Congo, Milão, Paulinas, 2015. 2. Papa Francisco, "Discurso aos jovens", Estádio Kasarani, Nairobi (Quênia), 27 de Novembro de 2015; cf vatican.va/ 27 de Novembro de 2015. 3. Cf. J. M. Bergoglio, Sarar da Corrupção, Bolonha, Emi, 2013, 12.
 

Francesco Occhetta