news

As chamas de Lesbos despertem as consciências. Editorial de Andrea Riccardi em Famiglia Cristiana

18 Setembro 2020

Lesbos

Compartilhe Em

É necessário um entendimento entre a UE, nações individuais, Igrejas e ONGs para resolver um drama às portas do continente

O campo de Moria, na ilha de Lesbos, ardeu. Existem apenas ruínas. Cerca de 13.000 refugiados estão na rua. Andam esfarrapados, sem abrigo e famintos. Conheço Moria, um campo incrível: entre outras coisas, estava rodeado por uma floresta de tendas "temporárias", destinadas a durar muito tempo, sob o grande calor do Verão e o vento impetuoso do Inverno. 

A primeira faixa da Europa, tocada por milhares e milhares de pessoas, após incríveis viagens do Afeganistão, Síria, países africanos e outros lugares. Mas a Europa escapa às mãos deles, mesmo logo que conseguem pisar a terra europeia. Lesbos, com os seus campos, é um muro: a Europa está lá, mas eles não podem entrar nela. Meses e por vezes anos passam nesta posição, um tempo sem fim, enquanto o desespero cresce.

Este Verão - também devido à Covid-19 - as medidas têm sido mais severas. O clima tornou-se mais tenso com alguns dos habitantes da ilha (cujo acolhimento no início e também a boa natureza generalizada não devem ser esquecidos). 

A pandemia veio agravar a situação. O campo de 13.000 refugiados não está longe da cidade de Mytilene, com 37.000 habitantes. É possível compreender as tensões. Grupos soberanistas hostis aos migrantes têm crescido. Por vezes tem havido manifestações duras, como a proibição de nadar no mar ou outra coisa qualquer. Mesmo alguns pequenos incêndios não muito longe do campo.

Quando em 2018, após uma das minhas viagens a Lesbos, falei com o Papa Francisco sobre a desolação humana dos campos, recordando a sua visita em 2016, o seu rosto ficou marcado pela dor: "Uma visita não basta, é preciso fazer mais", disse ele. Em 2016 tinha regressado a Roma com cerca de vinte refugiados. A sua presença revelou a existência de uma fronteira europeia de dor. 

A Comunidade de Sant'Egidio passou o Verão em Mytilene com os refugiados: escola, estudo de inglês, comida, festas, encontros, conversas para identificar as perspectivas para o futuro... Isto aconteceu ao lado da abertura de dois corredores humanitários que trouxeram alguns deles para Itália: cerca de sessenta pessoas. O Presidente Macron decretou outro para cerca de trinta. A Alemanha irá acolher cerca de trinta refugiados e, após o incêndio, acolherá outros. O arcebispo do Luxemburgo recebeu duas famílias e, como presidente do COMECE, que reúne as Igrejas Católicas na UE, exortou as Conferências Episcopais a assumirem o drama de Lesbos.

As chamas, contudo, despertaram as instituições de todos os tipos, adormecidas ou distraídas face ao drama às portas da Europa. O de Lesbos parece um incêndio deliberadamente aceso. Por quem? Ainda não sabemos. Podem ser alguns dos hóspedes do acampamento. Talvez haja interesses sombrios. Ou apenas raiva. Mas é o resultado óbvio de uma situação impossível. Levantou-se a questão. 

É necessária uma aliança de "pessoas de boa vontade" para remediar uma situação sombria: União Europeia, Estados individuais, igrejas, organizações humanitárias e muito mais. Não podemos descarregar o problema na Grécia ou esperar por outro incêndio. Mas alguns "não" já estão a emergir dos países do Leste e da Áustria. 

Como podemos continuar a chamar-nos europeus, quando tanta dor está apinhada nas nossas fronteiras e nós olhamos para o outro lado?


Editorial de Andrea Riccardi em Famiglia Cristiana de 20/9/2020