news

O Prémio Nobel da Paz contra a fome: um sinal importante durante a pandemia. Um editorial de Andrea Riccardi no Corriere della Sera

10 Outubro 2020

Andrea RiccardiCovid-19
Humanitarian emergencies

A luta contra o desperdício já não pode ser adiada, uma agricultura atenta à biodiversidade deve ser reforçada, e não uma agricultura que envenene a terra

Compartilhe Em

Corriere della Sera - 10 ottobre 2020 - 
di Andrea Riccardi
 

Surpreendentemente, o Prémio Nobel da Paz vai para o Programa Alimentar Mundial da ONU pelo seu empenho na luta contra a fome.

O Prémio Nobel da Paz dado ao Programa Alimentar Mundial é um sinal em tempo de pandemia e de fome crescente. A má-nutrição crónica começou inexoravelmente a crescer novamente desde 2014. A fome é a realidade de milhões de mulheres e homens todos os dias: fome aguda para 135 milhões deles em 2019. Um recorde nos últimos anos, atrás do qual estão os espectros da insegurança, do terrorismo e da guerra: Iémen, Sul do Sudão, Nigéria, Congo, Burkina Faso são terras de fome. E isso não é tudo.

O Relatório Alimentar da ONU fala de quase 690 milhões de pessoas que passaram fome em 2019, mais dez do que no ano anterior, enquanto muitas outras, devido ao aumento dos preços, não têm acesso a uma dieta saudável. Actualmente, no mundo, existem dois biliões de seres humanos com um nível moderado ou severo de insegurança alimentar. Prevê-se que, com o Covid-19, mais 130 milhões de pessoas caiam "nas garras da má-nutrição crónica". Também em Itália (e não é um país de fome) existe uma necessidade insuspeitada de alimentos em várias camadas da população. O PAM, com sede em Roma, fornece assistência alimentar a quase 87 milhões de pessoas em 83 países, em guerras e emergências e depois, uma vez terminada a emergência, está empenhado em restaurar os meios de subsistência. Opera no terreno com 90% do seu pessoal em contacto com a realidade. Distribui 15 mil milhões de rações alimentares, em parte recebidas como doação e em parte - cerca de três biliões - adquiridas perto de onde ocorrem as crises. Na sequência do trabalho para o tratamento da SIDA, gerido pela Comunidade de Sant'Egidio em dez países africanos, pude experimentar como a ajuda alimentar do PAM integra eficazmente o próprio tratamento em países como Moçambique, Quénia, Guiné Conacri, Tanzânia, África Central, onde os doentes são frequentemente subnutridos. É crucial, em particular, para crianças desnutridas que frequentam centros nutricionais. A África é o continente mais afectado, com 19% da população desnutrida.

O Prémio Nobel da Paz ao PAM reconhece um trabalho considerável, mas aponta para um problema que não deve ser adiado. Não se pode confiar - escreve o Papa Francisco na Laudato sì - "que os problemas da fome e da miséria no mundo serão resolvidos simplesmente com o crescimento do mercado". É necessário reforçar o PAM e aqueles que lutam contra o desperdício alimentar e levam a cabo intervenções para evitar que grupos humanos inteiros se afundem na fome e na miséria. Mas uma agricultura atenta à biodiversidade deve ser reforçada, não uma agricultura que envenene a terra.

É por isso que é crucial apoiar os agricultores que produzem alimentos nutritivos, para facilitar o seu acesso aos mercados através da redução dos custos de distribuição. O desperdício alimentar é a grande contradição num mundo faminto. A segurança alimentar deve ser alcançada e a nutrição de muitos deve ser melhorada. Em trinta anos, 300 milhões emergiram do pesadelo da fome, embora a população mundial tenha aumentado quase de dois mil biliões. As acções no terreno têm dado resultados positivos. Mas os homens e as mulheres nunca serão donos das suas próprias vidas, criadores do futuro, cidadãos responsáveis, até que se acabe com a fome.