news

Com a Comunidade de Sant'Egidio no centro de Buenos Aires, entre os sem abrigo e as famílias pobres por causa da pandemia

26 Fevereiro 2021 - BUENOS AIRES, ARGENTINA

Homeless
Argentine

Serviço de Tg2 Dossier

Compartilhe Em

Nesta notícia publicamos um relatório produzido por Tg2 Dossier sobre o trabalho da Comunidade de Sant'Egidio em Buenos Aires, a capital da Argentina, que neste período flexibilizou as severas medidas restritivas devido à pandemia. Restrições e encerramentos de actividades que comprometeram uma economia já frágil e endividada e baseada principalmente em trabalho informal e ocasional.

"A Comunidade de Sant'Egidio está presente aqui em Buenos Aires há mais de 30 anos, quase todos os dias vimos às diferentes praças como aqui, para levar comida e aqui vivemos um pouco, como diz o Papa Francisco, a Comunidade dos Três P's, prece, pobres e paz". Marco Gallo é italiano e é um referente da Comunidade de Sant'Egidio, encontramo-lo em frente ao Teatro Colón, um esplêndido edifício construído no final do século XIX por arquitectos italianos e hoje fechado por causa da pandemia. Este lugar, outrora a boa sala de estar da capital, tornou-se nos últimos meses um ponto de encontro para os desesperados e desalojados.

" Hoje, há pouco tempo, veio cá um senhor que vem todas as quintas-feiras, Ruben, que é um trabalhador de classe media-baixa que vem pedir-nos comida porque não sabe como fazer. O que encontramos é muitas pessoas que estão realmente com fome, a primeira conversa é "comida".

A nova crise económica parece ter atingido especialmente a classe média na Argentina, que cai desprotegida na pobreza, alongando as filas em frente aos refeitórios dos pobres e apinhando as ruas do centro histórico de Buenos Aires de pequenos acampamentos e bivaques improvisados. Cerca de 3 milhões de argentinos que, segundo algumas estimativas, perderam os seus empregos nestes meses de pandemia.

"Quase 45%, talvez 50% dos argentinos estão na pobreza e depois há toda a questão das crianças". Um número que atinge os 64% quando falamos de menores.

"Neste período deparamo-nos principalmente com situações de famílias, com as crianças, com o pai e a mãe. Muitas vezes vêm das periferias onde já não conseguem encontrar comida, vêm aqui ao centro de Buenos Aires, à procura de materiais para revender ou pedir esmolas".

Seguimos Marco Gallo e Margarita, outra voluntária da Comunidade de Sant'Egidio, no parque em frente ao Teatro Colón, onde há uma grande concentração de pessoas necessitadas. É hora do jantar e as pessoas apressam-se a ir buscar comida dos voluntários.

"Empanadas, quem arroz, quem carne e depois levamo-las aos amigos nas várias praças aqui na capital".

Todos eles são argentinos como Carlitos e Beto, que vemos a brincar num colchão. É um campo improvisado entre os edifícios do poder na capital argentina. Está a começar a chover, está a escurecer, Carlitos e Beto são chamados de volta pela mãe e juntamente com ela montam a sua cama para a noite.

"Muitas destas crianças vêm aqui para o centro para ajudar as suas famílias, também porque as escolas estão fechadas, há meses".
 

VÍDEO