news

Nas pegadas do peregrino da paz: a pregação de Marco Impagliazzo na vigília de oração da viagem do Papa Francisco ao Iraque

5 Março 2021

Pope Francis
IraqMarco Impagliazzo

Compartilhe Em

Ez. 37,1-5.11-14

Irmãs e Irmãos,
estamos reunidos nesta Basílica para rezar pela viagem do Papa Francisco ao Iraque.
Oramos ao Senhor pela sua protecção, pela protecção de todos os iraquianos e para que todos possam em breve receber o dom da paz depois de tanto sofrimento.
O Papa como "mensageiro do bem que anuncia a paz e das boas novas que anunciam a salvação" chegou esta manhã a Bagdad. A sua presença é um evangelho, é uma boa notícia. O mensageiro da paz foi à catedral católica síria de Bagdade, onde um terrível ataque matou 48 pessoas em Dezembro de 2010: os mártires contemporâneos. Uma faixa de mármore vermelho do altar ao adro da igreja recorda o sangue dos mártires.
O mensageiro de paz vai a Najaf, a cidade santuário dos xiitas, para fazer uma visita ao grande ayatollah al Sistani, -conhecida por alguns de nós em 2014 em Najaf- uma figura espiritual de referência para os xiitas. Ele preparou o encontro com estas palavras: " Vós sois parte de nós, nós somos parte de vós". Sabemos o que significa para os árabes receber um hóspede na sua casa: é o maior gesto de amizade. Um gesto que na vida de Abraão trouxe a boa notícia de uma descendência há muito esperada. Rezemos para que deste encontro resultem muitos frutos de diálogo e compreensão entre cristãos e muçulmanos. O mensageiro da paz foi a Ur, a terra de Abraão, para rezar pela paz com os filhos de Abraão, entre os quais se encontravam também representantes da comunidade de Saba mandeia. Outro passo do Espírito de Assis numa terra onde a guerra tem sido considerada sagrada por demasiados fanáticos. Enquanto o Espírito de Assis afirma desde muitos anos que só a paz é santa.
O mensageiro da paz vai à Catedral Caldeia de São José em Bagdade onde celebra - a primeira vez por um Papa - a liturgia do rito caldeu, cuja linguagem litúrgica é aramaica, a língua de Jesus e entre as liturgias cristãs é a mais próxima do culto da sinagoga. Presta assim homenagem a uma antiga Igreja desta terra, martirizada, que nos primeiros séculos trouxe o Evangelho até à Índia e à China e que hoje sofreu uma grande emigração de fiéis devido à guerra e ao terrorismo.
O Mensageiro de Paz vai para Erbil, a capital da região autónoma do Curdistão iraquiano, símbolo de um povo, o povo curdo, que conheceu tanto sofrimento. Em Erbil, o mensageiro de paz encontrará os cristãos que ali encontraram refúgio e um acolhimento caloroso durante os duros anos do califado de Daesh. Aqui o Papa irá celebrar a liturgia no estádio da cidade. O mensageiro de paz e de boas notícias vai a Mosul para a praça das quatro igrejas (católica síria, ortodoxa arménia, ortodoxa síria e caldeia) destruídas entre 2014 e 2017 pelos ataques terroristas. Em Mosul foi pároco o padre Ragheed que foi morto, juntamente com três diáconos, em Junho de 2007. A sua estola é guardada em São Bartolomeu e foi-nos dada pelos seus pais numa oração comovente. Em Mosul, o Papa reza pelas vítimas da guerra: cristãos, muçulmanos e yezidis juntos. Porque somos todos irmãos. O mensageiro de paz vai para Qaraqosh, para a igreja siro-católica onde viveu uma comunidade cristã florescente, dizimada pelo auto-denominado Estado islâmico, que hoje começa a repovoar a cidade e a reconstruir as casas e as igrejas. O mensageiro das boas-novas vem trazer o Evangelho da Ressurreição onde ressoaram os gritos de morte e o trágico estrondo das armas.
A terra visitada pelo Papa, a terra onde correm os rios Tigre e Eufrates, Mesopotâmia berço de antigas civilizações, pátria de Abraão, pai de todos os crentes, foi também aquela Babilónia onde os judeus foram deportados após a conquista de Jerusalém pelas tropas de Nabucodonosor. Com eles também foi deportado o profeta Ezequiel que, instado pelo Senhor, não cedeu ao desespero ou desânimo que tinha levado os judeus para fora das suas terras como refugiados. Aquele povo não podiam ser considerados como ossos ressequidos. Deveriam receber o espírito. Aquele espírito que dá força, une as pessoas dispersas e resignadas. O Senhor faz reviver os ossos ressequidos, porque dispersos. Reúne-os para estabelecer com eles um pacto de paz. E claro que o pacto de paz feito por Deus vive entre as nações. Os cristãos são desafiados por esta pergunta e interrogam-se: como podemos nós ser homens e mulheres de paz, artesãos de paz? Da mesma forma, a Igreja pergunta-se se não deveria ser um sinal da unidade dos povos, um ponto de referência para a humanidade no caminho para a paz.
O Senhor coloca ao profeta uma pergunta: " Estes ossos voltarão à vida?". É uma questão de vida no meio de tanta morte. É humanamente impossível, mas Deus vela sobre a história dos povos. A Palavra do Senhor ergue-se sempre como uma grande questão antes da sensação de estar perdido nestas vistas. Não se trata de uma questão retórica. Podem estes ossos voltar à vida? Poderá o Iraque voltar a viver em paz? Hoje em dia há uma resposta a essa pergunta. O mensageiro de paz - por cuja missão e protecção rezamos esta noite - está a dar uma resposta pela sua presença e pela sua palavra que traz boas notícias. "Profetiza sobre estes ossos e proclama a eles, ossos ressequidos, escutai a palavra do Senhor". O Senhor diz a estes ossos: "Eis que eu farei entrar em vós o Espírito, e vivereis de novo". Que grande missão é confiada ao papa nestes dias!  Mas a mão do Senhor está sobre ele, protegendo-o e abençoando-o. O Espírito ilumina a Palavra.  
O Senhor pede que o Seu espírito de vida seja transmitido a esses ossos ressequidos para que possam voltar à vida. O Espírito é o dom da vida. O Espírito é a passagem de Deus para um mundo ressequido. O Espírito é esperança neste mundo desesperado, o Espírito é força num mundo desgastado pelo sofrimento, o Espírito é orientação num mundo de pessoas que perderam o seu caminho. O profeta fala e o Espírito age. O Espírito devolve a vida aos ossos ressequidos. No tempo de Ezequiel "a grande obra de Deus" era restaurar a vida a um povo sem esperança. "O espírito entrou neles e eles voltaram à vida e levantaram-se; eram um grande exército, exterminados". Aquele povo conheceu a ressurreição e regressou à vida. É por isto que rezamos esta noite, esperando que para os cristãos do Iraque - e para todos os iraquianos - o dia da Ressurreição chegue em breve!
Agradeçamos ao Senhor por sermos testemunhas de uma história que se põe em marcha e não se fecha nos túmulos da imobilidade trágica. Um homem e uma fé movem montanhas!