news

Há 100 anos nasceu Settimia Spizzichino, a única mulher a sobreviver à deportação de judeus romanos a 16 de Outubro de 1943, testemunha do horror da Shoah

15 Abril 2021

Historical memory
Holocaust

Compartilhe Em

Cem anos atrás, a 15 de Abril de 1921, nasceu Settimia Spizzichino, a única mulher que sobreviveu ao assalto do gueto judeu em Roma a 16 de Outubro de 1943. 1022 foram os judeus deportados para o campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau. Só ela e 16 homens conseguiram regressar.

Na sua vida, deu testemunho às gerações mais jovens do horror da guerra e do anti-semitismo, transmitindo uma mensagem de paz. Recordamos Settimia com um vídeo da marcha da memória de 1998 com a Comunidade de Sant'Egidio e a Comunidade Judaica de Roma, juntamente com uma história do seu livro "Gli anni rubati" (Os anos roubados).

 

"Há coisas que todos querem esquecer. Mas eu não. Quero recordar tudo sobre a minha vida, mesmo aquela terrível experiência chamada Auschwitz: dois anos na Polónia (e na Alemanha), dois Invernos, e na Polónia o Inverno é realmente Inverno, é uma matança..., mesmo que o frio não tenha sido a pior coisa.

Tudo isto faz parte da minha vida e, sobretudo, faz parte da vida de muitos outros que não saíram do Lager. E a estas pessoas devo a memória: devo lembrar-me de contar também a história delas. Jurei-o quando regressei a casa; e esta minha intenção foi reforçada em todos estes anos, especialmente sempre que alguém ousa dizer que tudo isto nunca aconteceu, que não é verdade.

Tenho uma boa memória. E contei muitas vezes desses dois anos: aos jornalistas, na televisão, aos políticos, aos alunos das escolas durante as muitas viagens que fiz para os acompanhar a Auschwitz... mesmo que eu nem sempre tenha entrado em pormenores.

As pessoas querem voltar para Auschwitz - muitos desses jovens também querem - e parece estranho para alguns. Mas porquê? É como ir ao cemitério para levar uma flor e uma oração. - Estava a contar isso no autocarro que nos levou à Polónia. É no autocarro que se fala, quando se chega a Auschwitz, o guia fala e as coisas falam. As poucas que ficaram. Existe um museu, mas os crematórios, as câmaras de gás, os edifícios de alvenaria foram destruídos. A primeira vez que voltei, senti mais desilusão do que emoção, não reconheci o lugar.

Nos cinquenta anos que passaram desde então, foi-me frequentemente pedido que escrevesse este livro.
 E eu queria fazê-lo; mas havia ainda os familiares das que lá ficaram, os pais, irmãos, maridos, filhos dos meus companheiros no grupo de trabalho. Éramos 48, e só eu saí com vida. Muitas delas eu vi morrer, de outras eu sei o que lhes aconteceu. Como posso dizer a uma mãe ou a um pai que a sua filha de vinte anos morreu de gangrena depois de ter sido espancada por um Kapo? Como descrever a loucura de algumas dessas raparigas àquelas que as amavam? Agora muitos dos pais, os irmãos, os maridos, desapareceram; as feridas já não são tão recentes. Aos que ficam, espero não causar demasiados danos. Mas agora tenho de cumprir a promessa que fiz a quarenta e sete raparigas que morreram em Auschwitz, minhas colegas de trabalho. E a todos os outros milhões de pessoas que morreram nos campos nazis.
Desse grupo fazia parte também a minha irmã Giuditta. Giuditta, tão bela, tão frágil, deportada comigo a 16 de Outubro de 1943. Giuditta, causa involuntária da captura de mim e da minha família".

(Do livro "Os anos roubados" de Settimia Spizzichino)