news

A oração pelos migrantes que morreram nas viagens para a Europa. Para não perder a rota da humanidade

15 Junho 2021 - ROMA, ITÁLIA

MIGRANTS
Dying of hope

Compartilhe Em

A basílica de Santa Maria em Trastevere é tão lotada quanto permite as normas anti-Covid. Faz-se memória daqueles que perdem as suas vidas nas viagens para a Europa. Dos que são guiados pela esperança de uma vida diferente, sem guerra, sem ameaças, sem fome.
"Morrer de esperança". Um encontro que se renova todos os anos, no Dia Mundial do Refugiado, e que este ano contou com a participação, além de Sant'Egidio, da Caritas, da Federação das Igrejas Evangélicas em Itália, do Centro Astalli, da Associação Giovanni XXIII, ACLI, Scalabriniani, ACSE.
A cruz de Lampedusa destaca-se no altar, acima das escadas que conduzem ao presbitério duas grandes imagens recordam a travessia marítima, com os seus muitos perigos, bem como a rota dos Balcãs, com a sua terrível dureza. O coro é compósito, os cânticos em italiano alternam-se com os cânticos em árabe e inglês.
No centro do evento houve o momento de oração presidido pelo Cardeal Pietro Parolin. O Secretário de Estado comentou a passagem evangélica da tempestade acalmada, muito apto a descrever o que chamou o "naufrágio da civilização" do nosso mundo rico. O Mediterrâneo é "um mar em tempestade", continuou o cardeal. "Demasiada violência, demasiada exploração. E tanta indiferença. O Mare Nostrum corre o risco de se transformar num Mare Mortuum".
Por outro lado, o cenário actual é também tão divergente do quadro evangélico. "Agora parece estar a acontecer o contrário" do que aconteceu então: "Somos nós que estamos a dormir, não Jesus. E é ele que tenta acordar-nos do sono da indiferença, para que possamos reconhecer-nos como irmãos e irmãs de todos". Se a tentação é a de "distanciarmo-nos dos outros", "na tempestade que estamos a atravessar o Senhor oferece-nos uma bússola, a fraternidade: o além de Deus aponta para o outro do nosso irmão". Para não perdermos a nossa rota, nem do humano, nem do divino".
Parolin concluiu a sua homilia rezando em particular pelo despertar da nossa Europa, "para que a questão migratória possa encontrar uma resposta baseada na solidariedade" num quadro continental. E aesta oração, juntou-se a assembleia inteira composta por "antigos" e " novos" italianos, migrantes e refugiados recebidos com os corredores humanitários.
As orações e o canto "Amazing Grace" acompanharam a memória dos muitos naufrágios deste ano e a colocação de duas grinaldas de flores sob as imagens das duas rotas migratórias. Aquelas notas, que indicaram a forma de despertar para uma sociedade que aceitou a escravatura, podem também despertar o nosso tempo, que é demasiado esquecido do que acontece não muito longe de todos nós.
É um caminho feito de memória, oração, misericórdia, corredores humanitários, recordou o presidente da Comunidade, Marco Impagliazzo, na sua saudação final. "Há necessidade de parar, como fizemos nesta oração", disse ele, "não de acusar, mas de pedir uma assunção de responsabilidade: se não forem abertos caminhos legais e de apoio, teremos ainda de testemunhar muitas mortes. Desta assembleia surge uma indignação moral pela surdez e cegueira do nosso mundo, um apelo para mudar tudo isto”.
 

VÍDEO