news

Dois anos de Clinique DREAM em Bangui, República Centro-Africana e a história de Davilla

15 Julho 2021 - BANGUI, REPÚBLICA CENTRO-AFRICANA

Dream
Central African Republic

Compartilhe Em

Por ocasião do seu aniversário, a Clinique Dream da Comunidade de Sant'Egidio em Bangui, República Centro Africana, apagou a sua segunda vela a 4 de Julho de 2021, pelo que toda a equipa se reuniu para reflectir juntos sobre estes dois anos de actividade, que foram intensos, mas também muito bonitos pelos êxitos que alcançámos com os nossos pacientes.


Isto dá-nos muita satisfação profissional mas também muita alegria pessoal porque não só curámos doenças, mudámos a vida de muitas pessoas, cuidámos de muitas crianças e estamos a ajudá-las a crescer, por isso queremos partilhar algumas das nossas reflexões.

A Clinique Dream oferece assistência gratuita a pacientes que sofrem de várias doenças crónicas: VIH, Diabetes, Hipertensão, cuidados pré-natais para mulheres grávidas com prevenção do VIH materno e infantil, asma e doenças renais. Nos últimos anos, oferecemos um serviço de prevenção e diagnóstico para estas doenças a mais de 3.500 pessoas, e 1.660 pacientes estão actualmente a ser tratados.

Também temos feito muito trabalho cultural e de educação sanitária num país onde as pessoas não conhecem ou são incapazes de tratar doenças crónicas, mas gostaríamos de salientar que uma grande parte do nosso trabalho é dedicado ao tratamento da epilepsia.

Durante estes dois anos de intensa actividade, apercebemo-nos de como esta doença precisa de ser tomada em consideração; de facto, no nosso país não há tratamento gratuito e há muitas pessoas que sofrem dela.

A fim de melhor compreender como é grande o sofrimento que esta doença gera, vamos contar-vos a história de uma das nossas jovens pacientes que temos vindo a tratar há mais de um ano.

A paciente de 17 anos, cujo nome é Davilla, vive num bairro pobre em Bangui e teve uma infância muito difícil devido à epilepsia, mas não era claro para a sua família que se tratava de uma doença tratável. Aos sete anos de idade, Davilla começou a sofrer de ataques repetidos que perturbaram a sua vida e consequentemente a sua capacidade de ir à escola: no segundo ano da escola primária, deixou de frequentar a escola porque os ataques eram tão frequentes que era constantemente atirada para o chão.

A mãe de Davilla contou-nos longamente como a vida de toda a família foi perturbada. Ninguém aqui pensa que a epilepsia é uma doença, mas todos pensamos que vem da maldição, da feitiçaria que se apodera do corpo das pessoas, e por isso é perigoso abordar aqueles que têm crises porque, por sua vez, podem ser atingidos por convulsões e, portanto, pela maldição. Forçaram toda a família a consultar os feiticeiros para encontrar uma solução, tiveram de se submeter a rituais especiais e regimes alimentares estranhos, acabaram por ficar isolados do resto do bairro, mas Davilla continuou a ter convulsões, mesmo mais de seis convulsões por dia.

Durante todos estes anos, nunca ninguém disse a Davilla e à sua família que ela estava doente e que havia uma cura até Abril de 2020. Durante este tempo, a saúde de Davilla estava a tornar-se cada vez mais frágil e ela era frequentemente internada no hospital. Foi nesta altura que a sua mãe desesperada descobriu, através de outros pais, que havia um centro onde havia uma forma de ajudar a sua filha. Apenas um mês depois de começar o tratamento na Clinique Dream, a condição de Davilla melhorou radicalmente e agora, um ano depois, os seus ataques estão quase a desaparecer!

A família está a pensar em matricular Davilla na escola porque, apesar de ter 19 anos de idade, ela não sabe ler nem escrever.

A vida, a esperança voltou e é uma verdadeira revolução para a família mas também uma boa notícia para toda a vizinhança: a epilepsia pode ser curada e não é uma maldição.

A família de Davilla agradece-nos sempre, tornámo-nos não só o centro de saúde onde podem tratar a doença, mas também um verdadeiro ponto de referência como família.

Esta história é a história de Davilla, mas é semelhante à de muitas das centenas de pacientes adultos e crianças com epilepsia de que temos tratado, mas ainda há muitos que batem à porta e nos pedem a mesma esperança para o futuro, com a ajuda e o apoio de todos seremos bem sucedidos.

 

A equipa da Clinique DREAM de Bangui.