news

Emergência sem fim em Cabo Delgado. A ajuda da Comunidade de Sant'Egidio na crise em Moçambique

31 Julho 2021

Mozambique
TerrorismHumanitarian emergencies

Um artigo de L'Osservatore Romano

Compartilhe Em

 

Quando falamos de refugiados ou pessoas deslocadas, nunca nos apercebemos de que a maioria deles são crianças e mulheres. É também o que está a acontecer na crise humanitária esquecida em Cabo Delgado, a província do norte de Moçambique alvo de ataques terroristas jihadistas desde 2017. Os números oficiais do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) contam 732.000 pessoas forçadas pela violência a fugir das suas casas, das quais cerca de metade, 335.000, são crianças. As mulheres representam 70 por cento do total.

Desde o início da crise, pelo menos duas mil e quinhentas pessoas foram vítimas de violência sangrenta. Milhares de famílias têm procurado refúgio nas províncias de Nampula, Niassa e Zambézia. Fogem com medo sem documentos, com poucos pertences, e refugiam-se junto a amigos e familiares, ou se acampam em condições desesperadas na fronteira com a Tanzânia: passam as suas noites ao ar livre, num clima extremamente frio, sem abrigo ou cobertores.

Apenas 10% dos deslocados internos podem receber ajuda humanitária em campos equipados geridos por organizações internacionais, em parte porque o ACNUR não tem acesso a algumas áreas. "Apesar dos esforços das autoridades e da comunidade humanitária, a agência da ONU informa que as necessidades dos deslocados excedem consideravelmente a capacidade do governo e das agências humanitárias para prestar assistência. Há alguns dias, um barco sobrecarregado com a ajuda alimentar do Programa Alimentar Mundial (PAM) capotou, causando doze mortes, entre a cidade costeira de Pemba e a ilha de Ibo, que recebeu cerca de 30.000 pessoas deslocadas desde o início da crise.

Para os outros, há apenas uma mobilização de solidariedade por parte de paróquias, missionários, associações e organizações de diferentes denominações e religiões, pelo menos para distribuir alimentos e bens essenciais. Esta ajuda chega também por barco à vela, por mar e por rio, porque as estradas são intransitáveis ou perigosas. Mas ainda é uma pequena gota no oceano em comparação com as enormes necessidades da população.

Também ajudou a aliviar o sofrimento das pessoas deslocadas o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, que anunciou a sua decisão de doar à Cáritas Moçambique e às ONGs envolvidas na ajuda humanitária trinta mil euros de um prémio que recebeu este ano. Cabo Delgado é uma das zonas mais ricas em termos de jazidas de gás e recursos minerais, exploradas por grandes empresas multinacionais, enquanto a população é privada de serviços sociais e de saúde e não beneficia em nada: pelo contrário, é um dos territórios mais pobres e mais deprimidos de Moçambique. Esta situação conduziu a uma estratégia extremista que encontrou terreno fértil e encorajou a rebelião, destinada a controlar o território e a riqueza de uma forma violenta. As aldeias foram atacadas e incendiadas, tiroteios nocturnos, crianças e mulheres raptadas, e jovens recrutados à força. Don Kwiriwi Fonseca, responsável pelas comunicações da diocese de Pemba, disse à Aid to the Church in Need (ACS) de centenas de raptos: "Os terroristas utilizam estas crianças e treinam-nas à força para lutar nas suas tropas, enquanto as meninas são violadas e forçadas a tornarem-se suas " esposas". Segundo a Save the Children, pelo menos 51 menores foram raptados nos últimos dois meses, a maioria dos quais meninas. Muitos são órfãos e testemunham cenas dramáticas.

Um apelo "para não esquecer o povo de Moçambique" foi também lançado nos últimos dias pela Comunidade de Sant'Egidio, historicamente ligada a Moçambique desde os anos 80 e presente em 140 cidades e aldeias, incluindo a província de Cabo Delgado. Tem estado activa há anos com o programa Dream para o tratamento da SIDA e recentemente também para outras iniciativas de diagnóstico anti-covid. Mesmo muitos membros da comunidade tiveram de abandonar as suas casas e refugiar-se de Mocimboa da Praia, Mbau, Muatide, Muidumbe, Lyautua. Em Mbau, durante os ataques à aldeia, oito membros de Sant'Egidio foram mortos entre Setembro e Outubro de 2018; outro jovem da Comunidade perdeu a vida em Junho de 2020 no ataque em Mocimboa da Praia. "Nestes meses tentámos responder à procura crescente de deslocados internos e distribuímos mais de cem toneladas de alimentos, mas também máscaras, sabão, roupa, cobertores a 25 mil pessoas", afirmou numa conferência de imprensa o Padre Angelo Romano, da Comunidade de Sant'Egidio: «Mais de mil pessoas foram ajudadas a reunirem-se com as suas famílias em zonas mais seguras, outras a deslocarem-se em zonas mais sossegadas, dando-lhes uma casa e terra para cultivar, com sementes e ferramentas agrícolas, para as ajudar a reconstruir as suas vidas de forma independente».

Já passaram quase trinta anos desde a assinatura dos Acordos de Roma, alcançados a 4 de Outubro de 1992graças à mediação de Sant'Egidio, que pôs fim a um longo conflito interno com um milhão de mortos e destruição em todo o lado. Entretanto, as infra-estruturas foram reconstruídas, a esperança de vida aumentou e uma geração inteira nasceu em tempo de paz. Os laços com a Itália são notáveis e no entanto "Moçambique está ausente do debate político", observou o padre Romano. Só o Papa Francisco não deixou de mencionar a crise em Cabo Delgado, com a sua Mensagem Urbi et orbi no dia de Natal e no seu discurso aos membros do corpo diplomático acreditados junto da Santa Sé a 8 de Fevereiro. E a memória da sua visita apostólica em 2019, que contribuiu para novos passos no sentido da estabilidade interna, continua viva no país. De acordo com o padre Romano, que citou as análises e posições dos países da África Austral, "a ameaça jihadista não diz respeito apenas a Cabo Delgado, mas a todo o Moçambique e poderia também estender-se a um nível regional, como aconteceu no Sahel". Certamente, admite, "as motivações por detrás do início da revolta em Cabo Delgado são tanto a criação de um Estado islâmico como o controlo dos recursos. A percepção clara da população de que não pode beneficiar dos recursos tem certamente jogado a favor do jihadismo. Existe um descontentamento generalizado entre os jovens acerca da injustiça e da exploração, e o jihadismo tem sido capaz de a utilizar. Pedimos o apoio de todos para ajudar mais o povo de Cabo Delgado", concluiu. Nos próximos meses, a Comunidade aumentará a distribuição de kits alimentares, de saúde e escolares, e fornecerá às pessoas deslocadas ferramentas e materiais de trabalho para a construção de casas. Há também planos para construir escolas em alguns dos campos maiores e para criar bolsas de estudo para estudantes do ensino secundário. A angariação de fundos está no site dedicado.

(dona.santegidio.org).


[ Patrizia Caiffa ]