news

Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas

9 Agosto 2021 - UNIDADE REGIONAL CENTRAL DE ATENAS, GRÉCIA

MIGRANTS
School of PeaceYouthchildren#santegidiosummer

Compartilhe Em

Um grupo de jovens estudantes universitários da Comunidade de Sant'Egidio, em Roma, tem estado em Atenas nas últimas semanas, organizando uma série de actividades para os menores no campo de refugiados de Eleonas. Publicamos aqui um relatório das actividades deles.

Está a chover cinzas em Atenas. Emergência de calor, emergência de incêndio e emergência humanitária entrelaçam-se sob o céu cinzento da Ática. O sol das 14 horas reflecte-se nas chapas do campo de refugiados de Eleonas. Caminhamos lentamente entre os contentores e as tendas, com os olhos silenciosos de crianças curiosas sobre nós. Quem sabe o que terão pensado, perguntamo-nos quando as primeiras inscrições para a escola de Verão para as crianças do campo de refugiados tiverem fechado, à medida que as sombras se alongam sobre as tendas e contentores.

Somos vinte, aqui em Atenas, estudantes universitários de Roma, nas ruas do primeiro centro de acolhimento para requerentes de asilo na Grécia, Eleonas. Para as crianças, porém, somos "aammu", tio em árabe, "teacher", ou " my friend" (muito popular); dois dias e já nos estão a pedir para passar por cá e dizer olá "quando voltarmos no próximo ano". Dois dias e eles já nos estão a pedir para passar por cá e dizer olá "quando voltarmos no próximo ano". Vá explicar-lhes que, dentro de um ano, esperemos que já não estejam entre aqueles que esperam por uma nova vida no campo de refugiados.

Para muitos deles, porém, o temporário já se tornou quotidiano: é o caso, por exemplo, de Saleh, de 12 anos de idade, muito orgulhoso do seu colete de tradutor voluntário que ele quis imediatamente improvisar. Deixou o Afeganistão aos nove anos de idade e passou os últimos três anos entre Lesbos e Atenas. Mas é assim também para a Bautol, síria de 11 anos de idade, que quando lhe perguntam de que cidade ela vem, ela menciona o nome de um campo de refugiados no Líbano: 2021, 2011, e o cálculo é feito rapidamente: ela só viu a guerra no seu país, mas com clareza ela diz que nunca teria saído de sua casa para se encontrar noutro contentor.

Teriam muito a reclamar e a concordar com os murais de encorajamento espalhados pelas arestas do campo, mas quando os encontramos de manhã a gritar de alegria assim que vêem os autocarros, quando nos dão sapatos (eles para nós!) para substituir aqueles que arruinaram ao andar entre as pedras de Eleonas, ou quando vemos Janaan a rir, com 10 anos de idade e um pequeno carrinho de bebé a agir como uma cadeira de rodas para a sua distrofia muscular, compreendemos que a felicidade, para as crianças de Eleonas, está nestes momentos despreocupados, naqueles "Baby shark" cantados no topo dos seus pulmões enquanto balançam num baloiço. Um desenho e um dia passado a cuidar das crianças mais novas do campo acabam por mudar a nossa perspectiva sobre a "eutuchia" que tantas vezes perseguimos. Podemos ver isto nas expressões de Ilaf, uma menina somali de 16 anos que está no campo há dois anos e decidiu ajudar-nos com as crianças, mostrando-nos como, ao doar o próprio tempo, muitas vezes se confunde quem ajuda e quem é ajudado.

Em breve regressaremos a Itália, levando connosco as histórias deles, pequenas pinturas na galeria de quadros das migrações humanas. Os grandes acordos, os regulamentos e as leis vêm-nos à mente quando nos afastamos das chapas metálicas de Eleonas; aparecem aos olhos das crianças que ainda olham para fora, curiosas, dos contentores, quebram no riso despreocupado das meninas que vieram do Congo: será que as palavras escritas, mesmo que em papel timbrado, podem conter tudo isto? Podem levantar muros? Pensamos nisto ao olharmos para os cabelos ruivos de duas crianças sírias, herdados de quem sabe quem na bruma do tempo. Afinal de contas, todos nós fomos migrantes. Não esqueçamos isto, e as muitas crianças que estão à espera.



Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas
Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas
Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas
Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas
Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas
Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas
Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas
Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas
Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas
Eutuchia: em busca de felicidade no campo de refugiados de Eleonas. Um relatório dos Jovens pela Paz de Atenas