news

Guiné Conakry, aqueles voluntários do "Projecto Dream" entre os prisioneiros nas prisões de Dubréka

13 Agosto 2021 - CONAKRY, GUINÉ

Prison
AfricaGuinea ConakryDream

Artigo na Repubblica.it

Compartilhe Em

 

As mulheres e os homens da Comunidade de Sant'Egidio levam comida e música aos reclusos que vivem em condições desesperadas. O programa para curar e prevenir a sida e travar a desnutrição

ROMA - Os dias de Eid al-Adha, a "festa do sacrifício", uma das festas mais importantes celebradas pelos muçulmanos para demonstrar a sua lealdade e devoção a Deus, já passaram. Na Guiné Conakry - uma antiga colónia francesa na África Ocidental - um grupo de voluntários do Programa DREAM da Comunidade de Sant’Egidio de Barcelona trouxe comida e música para as prisões de Dubréka, a 50 quilómetros da capital do país, Conakrry, onde os prisioneiros vivem em condições precárias. O programa de saúde DREAM na Guiné está activo desde 2006 e visa tratar e prevenir a SIDA, combater a desnutrição e garantir o direito à saúde. "A festa foi uma oportunidade de levar ajuda a pessoas que de outra forma seriam esquecidas", diz Raquel Sancho, uma professora primária em Barcelona que é membro do projecto de cuidados de saúde desde 2004.

Ajuda alimentar, sabonetes, pasta dentífrica. Nas celas da Dubréka, a luz é fraca, não há ar e a comida é escassa. Os 170 detidos receberam apenas um prato de arroz simples ao longo do dia. "Quando se vive nestas condições, uma visita de alguém lembra-lhe que existe, que é uma pessoa", Raquel está de regresso a Barcelona e conta como o som dos tambores e de um prato de arroz com frango e molho picante deu nova vida a estas pessoas. A ajuda alimentar, sabonetes, pasta de dentes e medicamentos trazidos pelos activistas melhoram as condições de vida dos detidos que lotam as celas muito pequenas, onde as doenças se propagam rapidamente.

Reclusos na prisão, mesmo depois de cumprirem as suas penas. Entre eles não é difícil encontrar alguém que já tenha cumprido a sua pena, mas devido a um sistema judicial que não funciona, continua à espera da sua sentença: "Este ano libertámos três reclusos depois de passarmos pelo registo de casos", diz Raquel. O trabalho nas prisões envolve todas as semanas os activistas do programa DREAM, tornando-se o único contacto possível entre os prisioneiros e os seus entes queridos. "As farmácias prisionais estão vazias e sem alguém para lhe arranjar medicamentos, não é fácil sobreviver. Tentamos ajudá-los, informar as famílias sobre as suas condições de saúde e sobre o que precisam", explica ela.

O sistema de saúde não é acessível a todos. O sistema de saúde privado, tornado ainda mais frágil pela emergência sanitária de Covid-19, não é acessível a todos. Os quatro centros da Comunidade de Sant'Egidio atendem gratuitamente mais de 4.000 pacientes, chegando às periferias extremas, como a prisão de Dubréka. E quando Raquel e os outros voluntários não estão na Guiné Conacri, são os activistas locais que cuidam dos prisioneiros, dos doentes da clínica e das famílias mais frágeis. "A formação é uma parte fundamental do nosso projecto. Uma vez iniciado o tratamento da SIDA, acontece que os doentes decidem estudar para se tornarem enfermeiros ou para nos ajudarem nos centros", explica a responsável pelo programa Cristina Cannelli. Mesmo que a incidência da doença no país não seja muito elevada, cerca de 1,7%, isso não significa que as pessoas não morram e que não tenhamos de combater o estigma que rodeia os doentes. Por esta razão, o testemunho de pessoas que vivem com SIDA é essencial. "Nos últimos anos, conseguimos alcançar cerca de trezentas crianças nascidas sem o vírus de mães seropositivas. Isto é um grande sucesso para nós", conclui Cannelli.