news

O Hub de Sant'Egidio, no coração de Roma. Mesmo os invisíveis procuram protecção contra a pandemia

19 Agosto 2021 - ROMA, ITÁLIA

Covid-19

Entrevista em vídeo com Daniela Pompei no artigo de Domani

Compartilhe Em

No coração de Roma, em Trastevere, entre as ruelas históricas e as casas baixas cobertas de hera, a Comunidade de Sant'Egidio torna visível o invisível. Desde 6 de Julho, no edifício que foi outrora o hospital de San Gallicano, dezenas de voluntários da comunidade, que presta assistência a pessoas em dificuldades desde 1968, com a ajuda de enfermeiros e médicos voluntários da autoridade sanitária local (Asl), têm vindo a administrar a vacina contra a Covid-19 aos sem-documentos. "Isto é algo que estávamos a fazer muito antes da emergência sanitária, porque estas pessoas tinham problemas de saúde mesmo antes, e sem documentos é difícil aceder ao tratamento", explica Daniela Pompei, responsável pelo centro. Quando o problema da vacinação dos migrantes residentes em Itália começou a surgir em meados de Maio, várias ONG procuraram um diálogo com o Ministério da Saúde. No caso de Sant'Egidio, a abertura demonstrada pelo General Francesco Paolo Figliuolo, comissário extraordinário para a emergência sanitária, foi fundamental. Após um primeiro debate com os representantes da associação, ele decidiu propor a activação do serviço, perguntando primeiro se tinham a possibilidade de o fazer. "Tínhamos a possibilidade de ter este belo espaço, onde já tínhamos começado os trabalhos de renovação. Visto que estava quase pronto, organizámo-nos e começámos esta aventura", diz Pompei. No antigo San Gallicano há lugar para todos: sem abrigo, migrantes, estudantes, mas também para muitos italianos. "O nosso trabalho foi interceptar aqueles que não podiam aceder à reserva, um verdadeiro problema. De facto, graças à colaboração com os médicos da Asl, é possível activar o código de Straniero temporaneamente presente (Stp) (Estrangeiro Temporariamente presente) ou europeu não inscrito (Eni), válido para estrangeiros sem autorização de residência e para cidadãos da UE sem registo, com o qual é possível fazer uma reserva.Em Itália, segundo dados fornecidos pelo Instituto Nacional de Saúde, Migração e Pobreza (INMP), há mais de 700.000 imigrantes estrangeiros de países não europeus que têm direito à vacinação, mas não são reconhecidos por plataformas regionais.  A estas juntam-se as pessoas mais frágeis, sem abrigo ou idosas em dificuldade. Muitos deles, explica Pompei, são italianos com mais de 60 anos que perderam o seu cartão de saúde desde há anos e não sabem como solicitar um novo, porque estão sozinhos. "Muitos deles tivemos de convencer, especialmente no caso dos sem-abrigo ou dos idosos que estavam um pouco cépticos. Tentámos, pelo menos, explicar a importância da vacinação.

Para além das expectativas, o núcleo criado pela associação Sant'Egidio é único. Existem apenas algumas autoridades sanitárias locais nos municípios de Roma que vacinaram esporadicamente os sem-documentação. Mesmo no resto de Itália, a única vez que conseguiram contornar o sistema de reservas online foi durante os dias abertos. Na Trastevere, por outro lado, as vacinas são efectuadas continuamente, duas vezes por semana, às terças e quintas-feiras. "No início, tínhamos 300-350 injecções por semana. Agora a procura aumentou e estamos a receber mais de 650 pessoas em dois dias", diz Pompei. Num mês, 2.500 pessoas já foram vacinadas. A organização foi planeada até ao último pormenor. Antes de entrar no portão, um operador espera que as pessoas com uma lista de nomes verifiquem se estão marcadas. Na praça em frente à entrada, há dois gazebos: os que estão reservados estão divididos entre os que vão receber a primeira dose e os que vão receber a injecção de reforço. Outro operador chama os números por ordem de espera. Entra, e fica na fila. O espaço é vasto, dividido em quatro sectores: a área de recepção, onde é entregue o formulário de consentimento, traduzido em todas as línguas, do inglês ao árabe, graças à ajuda de voluntários. A segunda área é reservada para a história médica; também aqui estamos divididos de acordo com a dose a ser recebida. "Decidimos dedicar muito tempo à triagem. Os formulários só são lidos, preenchidos e assinados na presença do médico. Muitos deles nunca viram uma em Itália, pelo que é obrigatório investigar e fazer todas as perguntas necessárias, também para decidir qual o tipo de vacina a administrar". Em San Gallicano há duas vacinas disponíveis, Moderna e Johnson & Johnson & Johnson. Uma vez terminada a anamnese, um dos dois médicos voluntários chama os pacientes e administra as vacinas: à esquerda receberá Johnson, à direita, Moderna, reservada em particular às mulheres.Giovanni Guidotti é um dos médicos voluntários, um internista especializado em doenças infecciosas:"Para mim significa muito estar aqui, profissionalmente, mas acima de tudo pessoalmente. Aqueles que aqui vêm ficam surpreendidos com as possibilidades que têm, e o facto de poderem obter um passe verde também lhes permitirá trabalhar. É como trazê-los para a sociedade", explica Guidotti. No final da sala, as pessoas sentam-se durante o período de observação obrigatório de 15 minutos após a inoculação. Após esse tempo, uma enfermeira dá a cada pessoa uma pasta azul com um guia sobre o que fazer em caso de doença (também traduzido em várias línguas) e dois paracetamolos. A recomendação é tomá-lo apenas em caso de febre ou dores muito fortes. "O que conseguimos fazer significa apenas uma coisa: oferecer boa saúde é possível, para todos".
 

Entrevista em vídeo com Daniela Pompei