news

Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia

28 Agosto 2021 - ALBÂNIA

Albania#santegidiosummer

Compartilhe Em

“Eu era uma criança quando o Vlora chegou a Itália há 30 anos atrás, o navio apinhado de jovens albaneses em busca de um futuro melhor. Nos mesmos dias, com os Jovens pela Paz da Comunidade de Sant'Egidio, fiz a mesma viagem para trás. Fomos a Elbasan e foi uma alegria para mim poder ver novamente os meus amigos do hospital psiquiátrico Sadik Dinci, após um ano e meio de encerramento total por causa da Covid".

Assim começa a comovente réportagem de Laura, uma jovem do grupo de Jovens pela Paz da Comunidade de Sant'Egidio de Génova, que este Verão, após um ano difícil para a Albânia - e não só - passou as suas férias de Verão a visitar os seus amigos albaneses que a pandemia tinha isolado durante tanto tempo.

Há mais de 300 pacientes psiquiátricos no hospital, muitos deles sofrendo sobretudo de pobreza: pessoas sem família e sem recursos, condições em que mesmo uma pequena dificuldade se torna facilmente uma patologia. A pandemia também manteve afastados os poucos membros da família que costumavam visitá-los e bloqueou todas as saídas para fora, mesmo as mais pequenas, tais como ir tomar um café ao lado do hospital.

"Nazif disse-me que durante um ano e meio os seus dias se limitavam a comer e a dormir. "Eu estava quase sempre na cama. O que poderia eu fazer? A certa altura pensei que nunca mais ninguém me iria visitar", continua Laura.
"Pude encontrar-me novamente com Nazif porque o hospital deu à Comunidade uma autorização especial para se encontrar connosco: todas as manhãs um grupo de doentes podia finalmente deixar as enfermarias para estar connosco. Encontrámo-nos novamente no grande pátio de betão à volta do qual o hospital é construído. Os olhos de Nazif estavam cheios de alegria após o desespero do longo período de isolamento. "Eu sabia que voltaria! À nossa volta, muitas pessoas doentes olhavam pela janela, sorrindo e chamando-nos pelo nome, felizes pela visita. Estavam a sorrir e a chamar-nos pelo nome, felizes com a nossa visita. Isto impressionou-me muito: lembraram-se do nosso nome, apesar de já ter passado algum tempo. Ele fez-se ecoar por Leonida, que recordou os nomes de todos os amigos que conheceu nos últimos doze anos: «Fizestes-me rir», disse ele com lágrimas nos olhos, «mas acima de tudo, nunca me esqueceste: vós sois o nosso futuro».
 

 



Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia
Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia
Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia
Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia
Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia
Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia
Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia
Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia
Na Albânia, Jovens pela Paz e doentes psiquiátricos juntos durante um Verão que supera o isolamento dos meses mais duros da pandemia