news

Chegou o momento de reflectir sobre a nossa política internacional. Andrea Riccardi em Famiglia Cristiana

26 Agosto 2021

Afghanistan
Andrea Riccardi

Compartilhe Em

A presença das nossas valiosas missões militares no estrangeiro deve ser acompanhada de uma acção diplomática mais determinada, ligada à cooperação

Quando escrevemos sobre o Afeganistão na semana passada, não acreditávamos que os talibãs chegassem tão cedo a Cabul. Ninguém o fez. Mas já aconteceu. O Estado afegão, as instituições, a política, o exército liquefeitos perante os "estudantes do Alcorão".

Todos os dias, vemos as cenas impressionantes no aeroporto de Cabul: o engarrafamento de pessoas desesperadas, prontas a fazer tudo para deixar o país. Com elas, a fuga dos ocidentais. Ouvimos as vozes das mulheres afegãs, activistas dos direitos humanos, jornalistas acostumados à liberdade e muitos outros cidadãos: eles disseram que se sentem traídos, depois de terem esperado com o Ocidente a construção de um novo Afeganistão.

Para que serviram esses vinte anos? É uma questão que arde naqueles que perderam, como algumas famílias italianas, os seus entes queridos naquela terra, que muitas vezes - como o pai de um homem caído declarou - estavam entusiasmados com a missão deles. O dia de hoje marca o fim de uma época que começou em 2001 com a guerra no Afeganistão: não foi apenas uma resposta ao trágico ataque de 11 de Setembro, mas também a ideia de uma cruzada para implantar a democracia. Depois veio a guerra no Iraque, outro fracasso. Vinte anos, o início do século XXI, em que as pessoas acreditaram na guerra como um meio para criar um mundo mais justo, mas também para provar as suas armas e força. Mas - como ensina o Papa Francisco - "cada guerra deixa o mundo pior do que o encontrou". Esta é a experiência da história. Entretanto, os Estados Unidos perderam prestígio no mundo e está a perder peso na Ásia. O jogo em torno do Afeganistão está noutras mãos: China, Paquistão, Turquia, Irão e Rússia. Talvez precisemos de começar a tirar lições desta história.

O risco é que a reacção da opinião pública europeia, assustada com a revelação da fraqueza e a chegada dos refugiados afegãos, se incline a uma política de encerramento, de confiança em poucos homens que farão a voz grande e tranquilizarão os assustados. Esta não é uma política forte: é uma escolha pela fraqueza. Temos de fazer a nossa parte e acreditar nos nossos valores. O encerramento do Afeganistão, o destino das mulheres e das meninas daquele país, e o totalitarismo talibã empurram-nos cada vez mais para a confiança na liberdade e na democracia.

 Mesmo países de média dimensão como a Itália podem fazer muito. Isto pode ser visto pela nossa presença militar solicitada em muitas operações, que, no entanto, devem ser acompanhadas por uma política activa. Que política estamos a seguir no Iraque, onde estão os nossos soldados? E no Líbano, embora tenhamos lá uma presença significativa? O facto de a Itália não ter podido fazer política no Afeganistão, que é distante e estranho à nossa história, pode ser visto pelo facto de o nosso embaixador em Cabul ter deixado o país, enquanto o cônsul permanece para coordenar as evacuações. Outros países, em vez disso, ainda têm o seu embaixador presente. A Itália tem responsabilidade directa nos Balcãs, no Mediterrâneo e em algumas zonas de África. Isto exige um pensamento estratégico, em que a presença militar é acompanhada por política, cooperação e cultura.

Este é o momento para uma reflexão crítica sobre uma política de seguir demasiado a onda, e não o suficiente como aliados maduros e responsáveis, e de ajuda humanitária aos refugiados afegãos.
Se não queremos que a nossa civilização seja submersa, temos a responsabilidade de nos agarrarmos ao nosso sentido humano, mas também de construir uma política internacional capaz de nos projectarmos no mundo ao qual estamos ligados pela história e pela geografia. 

[Na foto: Famílias afegãs à espera da partida de um voo de evacuação - Foto da USAF - Air Mobility Command Public Affairs]

Editorial por Andrea Riccardi em Famiglia Cristiana de 29/8/2021