news

O trabalho da Comunidade de Sant'Egidio no acolhimento dos refugiados afegãos. Trabalho em rede para restaurar a esperança

14 Setembro 2021

Afghanistanhumanitarian corridor

De "L'Osservatore Romano"

Compartilhe Em

A tragédia do que está a acontecer no Afeganistão neste momento está à vista de todos: as imagens do aeroporto de Cabul, os mortos, a população em fuga, as crianças confiadas a estranhos, o destino das mulheres que mais uma vez se tornaram domínio dos Talibãs, as famílias dispersas ou separadas por voos humanitários estão a ultrapassar o ecrã das nossas televisões e a tornar-se uma realidade tangível, chegando ao coração de todos; não importa se se é cristão ou não, porque hoje como nunca houve tanta participação e abraça todos os credos.

Não é por acaso que a Comunidade de Sant'Egidio em Roma está a receber chamadas de pessoas de toda a Itália que querem oferecer todo o tipo de apoio para ajudar aquelas pessoas que a informação e as imagens tornaram agora 'familiares', aqueles rostos cheios de desespero que vão para além da pertença a países, grupos étnicos, religiões, e todos devem unir-se: "Há a indignação e o desejo de participação de nós cristãos, bem como de sujeitos absolutamente distantes de qualquer ligação com qualquer forma de religião ou associação voluntária", explica Daniela Pompei, responsável por tudo o que está relacionado com a migração e integração da Comunidade de Sant'Egidio em Itália e na Europa. "Temos indivíduos que querem disponibilizar apartamentos inteiros ou acolhê-los nas suas casas, ofertas de assistência e trabalho voluntário para organizar toda a complexa rede de apoio, de jovens e idosos. Da mesma forma", continua, "a recolha de roupas, alimentos e brinquedos para os mais pequenos está a correr muito bem, tal como as doações em dinheiro feitas através das indicações no nosso sítio web.

Presente à chegada dos voos, a pedido das autoridades e dos militares italianos, a Comunidade de Sant'Egidio desempenhou um papel activo nesta emergência humanitária, tendo sido capaz de informar as instituições responsáveis sobre os nomes com os quais, ao longo dos anos no Afeganistão, tiveram contacto e que agora se tinham tornado inconvenientes. Pessoas que se tinham exposto à salvaguarda dos direitos humanos, que tinham desempenhado um papel no governo anterior, jornalistas, voluntários, pessoal hospitalar, ou com laços já existentes em Itália e à espera de serem reunidas: "Havia obviamente outras associações presentes, algumas das quais, por sua vez, nos tinham apontado nomes, tais como a Fundação Veronesi. Cento e dez pessoas foram-nos confiadas", diz Daniela Pompei, "incluindo algumas famílias, que estamos a receber nas nossas instalações, bem como noutras soluções disponibilizadas por organizações com as quais já colaboramos na esfera dos corredores humanitários, por paróquias e por aqueles que desejam oferecer-se e abrir-se à recepção.
Sessenta e nove pessoas foram deslocadas entre Roma e Lácio, mas há outras «para quem procuramos possíveis ligações com as suas famílias, algumas das quais estão em Itália há anos ou no estrangeiro. Além disso, para aqueles que foram separados durante a confusão dos dias anteriores às partidas, após verificar com os nossos contactos afegãos em Itália, estamos a comunicar a sua identidade ao Ministério do Interior e ao Ministério dos Negócios Estrangeiros para que possam localizá-los e tentar tirá-los legalmente do Afeganistão ou dos estados vizinhos para onde fugiram».

A máquina de recepção criada pela Comunidade de Sant'Egidio - que nos últimos dias tem recebido mensagens de agradecimento das comunidades afegãs pela forma como as difíceis e complexas operações têm sido realizadas - tem como objectivo trazer à tona as muitas histórias diferentes por trás de cada indivíduo recebido ou para quem trabalham no Afeganistão e países vizinhos: "Por exemplo", continua, «muitos afegãos escrevem-nos que já tinham pedido autorização para trazer as suas mulheres e filhos para Itália e estão agora presos lá; para eles, pedimos às embaixadas italianas no Paquistão, Irão e Cazaquistão, onde poderiam ser abrigados, que iniciem os procedimentos para a reunificação».

As histórias são diferentes, mas todas partilham um senso comum de urgência: uma das muitas é a de um jovem afegão que vive legalmente em Itália e que regressou ao seu país para ir buscar os dois filhos menores do seu irmão assassinado, para quem ele é tutor, mas que lá permaneceu preso. Depois há os aspectos organizacionais e burocráticos a resolver, documentos, cuidados de saúde, cursos de línguas, matrícula na escola para menores, acesso a vacinas: alguns, por exemplo, foram vacinados à chegada enquanto outros tinham tido o chinês, não reconhecido pela Itália. Existe também a dificuldade logística para alguns, já legalmente residentes em Itália, de acolher subitamente o seu núcleo de sete a oito indivíduos: «O entusiasmo do povo é muito agradável; no entanto, gostaria de explicar que não se pode acolher ninguém, pelo menos durante vários meses, se não se tiver, ou não se começar, uma rede de colaborações e de ajuda - conclui Daniela Pompei - que pode ser tecida solicitando os amigos, a paróquia ou as associações».

 
[ Susanna Paparatti ]