news

Em Roma, o refeitório para os últimos está de volta. A solidariedade está mais uma vez em presença

16 Setembro 2021 - ROMA, ITÁLIA

HomelessSoup Kitchen

Compartilhe Em

É hoje uma dupla festa na Via Dandolo. O refeitório da Comunidade de Sant'Egidio em Trastevere reabriu as suas portas após 14 meses de encerramento devido à pandemia. Na realidade, continuou sempre a distribuir refeições - em modo "take-away" - aos seus hóspedes habituais: sem-abrigo, estrangeiros, pessoas idosas pobres.

Mas finalmente o portão reabriu e, numa fila, distanciados e com máscaras, os "amigos" de Sant'Egidio estão de novo sentados à mesa, a comer com talheres, a conversar com aqueles que os amam. Não mais do que dois por mesa, a uma distância segura. E, acima de tudo, vacinados. Sim, porque aqui só se pode entrar com um Passe Verde ou um certificado de vacinação.

A maioria foi vacinada no centro de Sant'Egidio, que desde 6 de Julho conseguiu envolver na campanha mais de 6.000 pessoas "esquecidas" pelo serviço de saúde e pela burocracia. Fora do portão há uma pequena fila, os voluntários verificam quem pode entrar - aqueles que não podem ou não querem recebem de qualquer maneira a sua refeição a levar - e distribuem as máscaras. A fila flui para o pátio sob a pérgula, depois há as duas salas - 150 lugares em plena capacidade - com vista para a cozinha. Os voluntários servem um menu festivo: lasanha, frango assado, caponata, banana e tarte. Aqui os convidados e voluntários conhecem-se, e hoje é um dia para saudações e conversas.

Há Renato, tão distinto como sempre, um argentino de origem sarda. Depois de dormir durante muito tempo nas ruas, foi alojado na pequena igreja do Bom Pastor, reaberta após décadas para oferecer um tecto aos sem-abrigo como ele. Partilha agora um dos apartamentos que Sant'Egidio alugou para 25 como ele, graças ao projecto Housing first financiado pela Cisco, a empresa multinacional especializada em redes de comunicação. Uma solução construída com o acompanhamento cuidadoso de voluntários, a fim de alcançar o trabalho e a autonomia dos convidados.
Outros 70 estão hospedados em hotéis que têm um acordo com a Comunidade. Por solidariedade e um pouco por necessidade, dada a crise do turismo.

Há Alain, dos Camarões, com o físico de um jogador de rugby e a camisa verde, amarela e vermelha da selecção nacional de futebol, e um grande crucifixo à volta do seu pescoço. Ele pede mais lasanha: "Esta é a quarta ração", suspira o voluntário, "mas apenas porque hoje é feriado". E há Bajab, um líbio que acabou na rua depois de se separar da sua mulher italiana, que olha à volta confuso e feliz: "É a primeira vez que aqui estou, tudo é bom e eles são tão amáveis...".

Marco Impagliazzo também está aqui hoje. O presidente da Comunidade de Sant'Egidio entrega saudações e sorrisos. "Sim, é um dia de festa. Estas pessoas", explica Impagliazzo, "podem voltar a comer sentadas à mesa, já não na rua. Descansar e falar entre si e connosco, respirando uma atmosfera de casa e família. Mas foi também um dia de festa para o Passe Verde destas pessoas, que permite a muitas mulheres e homens frágeis reentrarem na sociedade civil, na vida comunitária da cidade. Conseguimos fazer emergir, para os vacinar, muitos que provavelmente teriam ficado de fora da campanha. Bom para eles e para todos.

O centro de vacinação de Sant'Egidio, alojado nas instalações do vizinho Hospital de San Gallicano, conta com o trabalho do pessoal sanitário da Comunidade de Sant'Egidio, apoiado por uma unidade da Cruz Vermelha Italiana pronta a intervir em caso de doença. Uma ideia que a Comunidade concordou com o General Francesco Paolo Figliuolo, que estava preocupado com a dificuldade de vacinar as pessoas marginalizadas, sem abrigo, muitas vezes nem sequer registadas no Serviço Nacional de Saúde.
"Está aberto duas tardes por semana e desiste até 350 vacinas de cada vez. Quando chegarmos a 10.000 teremos outra festa", diz Impagliazzo com um sorriso.


[ Liverani Luca ]