news

Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras

8 Outubro 2021

Compartilhe Em

Alla preghiera "Morire di speranza" a Varsavia e in altre città polacche si ricordano anche i rifugiati morti al confine con la Bielorussia.

“Non deve esserci contraddizione tra l'aiuto umanitario, cristiano, che ci comanda il Vangelo, e la difesa delle frontiere, che nessuno mette in discussione”, ha affermato il cardinale Kazimierz Nycz durante la preghiera “Morire di speranza” a Varsavia. Nella chiesa di Santa Barbara sono stati ricordati migliaia di migranti morti nel loro viaggio verso l'Europa, in fuga da povertà, violenza e guerra, ma anche i tre uomini i cui corpi senza vita sono stati ritrovati lo scorso 19 settembre in Polonia, vicino al confine con la Bielorussia e la Lituania. Alcune settimane fa in questo estremo lembo di Europa, dove già le temperature di notte sfiorano lo zero, il governo polacco ha introdotto la legge marziale, sigillando la frontiera con reticolati di filo spinato e impedendo l'accesso alle organizzazioni umanitarie fino ad allora impegnate nell'assistenza ai profughi provenienti da Afghanistan, Iraq e da alcuni paesi africani.
“Non dobbiamo pregare solo per coloro che sono morti, per quelli che soffrono e sono rifugiati. Dobbiamo anche pregare perché i cuori si scaldino, perché il nostro mondo ricco sia sensibile ai bisogni degli uomini. Verremo giudicati da Dio sull’amore, non dichiarato ma concreto”, ha affermato l’arcivescovo di Varsavia, facendo appello affinché “il nostro cristianesimo non si limiti alla devozione, ma si traduca nella nostra vita e nell'aiuto concreto che diamo agli altri”.
Riferendosi ai tragici eventi al confine polacco-bielorusso, dove le persone continuano a morire, il cardinale Nycz ha sottolineato che non dobbiamo cercare scuse contorte per calmare le nostre coscienze. Ha notato che le società moderne hanno gli strumenti per trattare equamente migranti e rifugiati, considerando pure che le migrazioni sono un fenomeno inarrestabile e, allo stesso tempo, potrebbero aiutare la Polonia ad affrontare l'enorme problema demografico. L'arcivescovo di Varsavia ha ancora una volta chiesto l'apertura di corridoi umanitari in Polonia, un programma efficace per aiutare i rifugiati, che richiede però la collaborazione dei “governanti di questo mondo”.
Alla veglia hanno partecipato rappresentanti di altre Chiese cristiane, immigrati, rifugiati e molti cittadini di Varsavia, che hanno così voluto esprimere la loro solidarietà ai rifugiati respinti alla frontiera con la Bielorussia. “La preghiera ci permette di ascoltare il grido dei poveri, di chi è scartato e perseguitato, e ci aiuta a sollevare i nostri occhi, spesso concentrati su noi stessi, per guardare il mondo dalla giusta prospettiva. La preghiera ha il potere di cambiare i cuori e la storia”, ha affermato Magdalena Wolnik.
All'inizio della preghiera è stata portata in processione una croce fatta coi legni delle barche naufragate al largo di Lesbo e due giubbotti di salvataggio per bambini, portati a Varsavia dalle persone della Comunità che hanno trascorso le “vacanze solidali” insieme ai profughi sull'isola greca. La veglia “Morire di speranza” si è svolta nell'ambito della Settimana di preghiera per i rifugiati, che dal 2015 si tiene ogni anno, per iniziativa di Sant’Egidio, in diverse città della Polonia in occasione della Giornata Mondiale del Migrante e del Rifugiato.
Alla veglia organizzata a Koszalin, mons. Krzysztof Zadarko, presidente della Commissione per l’immigrazione della Conferenza episcopale polacca, ha affermato: “Abbiamo bisogno di pregare, per liberarci da dubbi e paure. Se nel cuore manca la preghiera, il suo posto viene preso da ideologie e populismi indegni di un cristiano”. Il vescovo ausiliare di KoNa oração "Morrer de Esperança" em Varsóvia e noutras cidades polacas, os refugiados que morreram na fronteira com a Bielorrússia foram também lembrados.

"Não deve haver contradição entre a ajuda humanitária, cristã, que o Evangelho nos ordena a fazer, e a defesa das fronteiras, que ninguém questiona", disse o Cardeal Kazimierz Nycz durante a oração "Morrer de Esperança" em Varsóvia. Na igreja de Santa Bárbara, milhares de migrantes que morreram a caminho da Europa, fugindo da pobreza, violência e guerra, foram lembrados, bem como os três homens cujos corpos sem vida foram encontrados a 19 de Setembro na Polónia, perto da fronteira com a Bielorrússia e a Lituânia. Há algumas semanas, o governo polaco introduziu a lei marcial neste extremo canto da Europa, onde as temperaturas nocturnas já estão perto de zero, selando a fronteira com vedações de arame farpado e impedindo o acesso às organizações humanitárias que tinham estado a ajudar os refugiados do Afeganistão, Iraque e alguns países africanos.
"Não devemos rezar apenas por aqueles que morreram, por aqueles que sofrem e são refugiados. Devemos também rezar para que os corações sejam aquecidos, para que o nosso mundo rico seja sensível às necessidades das pessoas. Seremos julgados por Deus com base no amor, não declarado mas concreto", disse o Arcebispo de Varsóvia, apelando a que "o nosso cristianismo não se limite à devoção, mas se traduza nas nossas vidas e na ajuda concreta que damos aos outros".
Referindo-se aos trágicos acontecimentos na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia, onde as pessoas continuam a morrer, o Cardeal Nycz salientou que não devemos procurar desculpas distorcidas para acalmar as nossas consciências. Observou que as sociedades modernas têm os instrumentos para lidar de forma justa com migrantes e refugiados, considerando ao mesmo tempo que a migração é um fenómeno imparável e, ao mesmo tempo, poderia ajudar a Polónia a lidar com o seu enorme problema demográfico. O Arcebispo de Varsóvia apelou mais uma vez à abertura de corredores humanitários na Polónia, um programa eficaz para ajudar os refugiados, o que, no entanto, requer a cooperação dos "governantes deste mundo".
A vigília contou com a presença de representantes de outras Igrejas cristãs, imigrantes, refugiados e muitos cidadãos de Varsóvia, que quiseram expressar a sua solidariedade com os refugiados rejeitados na fronteira com a Bielorrússia. "A oração permite-nos ouvir os gritos dos pobres, daqueles que são descartados e perseguidos, e ajuda-nos a levantar os olhos, muitas vezes concentrados em nós próprios, a olhar para o mundo a partir da perspectiva certa. A oração tem o poder de mudar os corações e a história", disse Magdalena Wolnik.
No início da oração, uma cruz feita de madeira de barcos naufragados ao largo de Lesbos foi transportada em procissão, assim como dois coletes salva-vidas de crianças, trazidos para Varsóvia por pessoas da Comunidade que passaram as suas "férias de solidariedade" com os refugiados na ilha grega. A vigília "Morrer de Esperança" teve lugar no âmbito da Semana de Oração pelos Refugiados, que desde 2015 se realiza todos os anos, por iniciativa de Sant'Egidio, em várias cidades da Polónia, por ocasião do Dia Mundial do Migrante e do Refugiado.
Na vigília organizada em Koszalin, D. Krzysztof Zadarko, presidente da Comissão para a Imigração da Conferência Episcopal Polaca, disse: "Precisamos de rezar, para nos libertarmos de dúvidas e medos. Se a oração falta no nosso coração, o seu lugar é tomado por ideologias e populismo indigno de um cristão". O bispo auxiliar de Koszalin, que em Julho se juntou à missão de Sant'Egidio em Lesbos, concluiu: "As nossas ilhas gregas estão em Usnarz Górny, que se tornou o cenário de uma guerra escondida. Olhando para Usnarz Górny, podemos dizer calmamente: 'Vai-te embora'? 30 pessoas famintas e frias podem ameaçar a nossa pátria, 37 milhões de polacos e 500 milhões de europeus? Devíamos gritar àqueles que decidem: 'Deixem entrar estas pessoas'! Quanto tempo podemos ficar de braços cruzados a ver o que aí se passa?".



Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras
Polónia, Apelo do Cardeal Nycz: a ajuda humanitária não está em contradição com a defesa das fronteiras