news

Dia Mundial da SIDA: Cuidados de saúde para todos em África, rejeitando as desigualdades para combater o VIH e a Covid-19

1 Dezembro 2021

Africa
Dream 2.0pandemic

O trabalho do programa DREAM em 10 países africanos visa reforçar os sistemas de saúde no continente e combater a propagação do VIH e a pandemia de Covid-19

Compartilhe Em

Salvar o futuro de África combatendo a desigualdade: este é o desafio do programa DREAM da Comunidade de Sant'Egidio no Dia Mundial da SIDA. Ao entrarmos no terceiro ano da pandemia de Covid-19, este dia recorda-nos que estamos agora na quinta década da pandemia de SIDA, uma doença que ainda ameaça o mundo.
Desde a descoberta dos primeiros casos de VIH, estima-se que 78 milhões de pessoas tenham sido afectadas pela doença e 35 milhões tenham morrido de doenças relacionadas com a SIDA. Segundo a OMS, dois terços das pessoas seropositivas (25,7 milhões) vivem em África, 80% das quais, com idades compreendidas entre os 15 e 19 anos, são mulheres. O trabalho de DREAM, que está presente desde 2002 em 10 países africanos com 50 centros de saúde que oferecem acesso gratuito a excelentes diagnósticos e tratamentos, começou com a sua proximidade com as mulheres africanas. Mais de 500.000 pessoas foram tratadas pelo programa e, até à data, DREAM permitiu que 120.000 bebés saudáveis nascessem de mães seropositivas.
Desde a sua criação, DREAM tem ajudado os sistemas de saúde locais a desenvolver um modelo que é sustentável ao longo do tempo, assegurando resultados máximos a um custo mínimo. Em apoio aos sistemas nacionais de saúde, o programa Sant'Egidio, através dos centros de saúde, não se limita à distribuição de medicamentos, mas forma o pessoal local e oferece aos doentes serviços de aconselhamento, prevenção e testes. As actividades de sensibilização e prevenção sobre questões relacionadas com a saúde e os cuidados são fundamentais, especialmente para os adolescentes.
Desde 2020, no entanto, a energia e os recursos têm-se concentrado no combate à Covid-19. Desde o surgimento da pandemia em África, os centros DREAM distribuíram máscaras, gel e produtos de desinfecção, e começaram a rastrear através de testes moleculares. Há alguns meses, no Malawi, República Centro-Africana e República Democrática do Congo, começaram as vacinações contra o Covid-19, dando prioridade aos doentes com SIDA, que estão em maior risco de infecção pelo Covid-19 e graves consequências na doença devido ao seu sistema imunitário deficiente.
"Nestes dias - explica Paola Germano, directora de DREAM - o mundo vive com ansiedade e receia a chegada da nova variante do vírus Sars-Cov2, Omicron. A reacção do Norte do mundo tem sido, até agora, isolar a África para evitar que a variante se propague. Ainda não há consciência de que só podemos sair juntos desta pandemia. O vírus não conhece paredes e continuará a representar uma ameaça global até que as vacinas estejam disponíveis para todos. Enquanto já estamos na terceira dose de vacina, milhões de pessoas em África ainda não receberam a sua primeira. Espero que esta desigualdade seja corrigida o mais rapidamente possível e que a comunidade internacional se mobilize para enviar as vacinas necessárias às populações mais pobres.”
Por ocasião do Dia Mundial da SIDA, DREAM lança um apelo à difusão de vacinas não só por um problema de equidade e justiça, mas também porque salvar a África é salvar a todos.