news

Um novo corredor humanitário para 250 refugiados mais vulneráveis na Bélgica

25 Dezembro 2021 - BÉLGICA

humanitarian corridor
refugeesMIGRANTS

Compartilhe Em

A Secretaria de Estado para o Asilo e Migração da Bélgica e a Comunidade de Sant'Egidio assinaram hoje um acordo sobre um projecto destinado a permitir que 250 refugiados em condições vulneráveis cheguem à Bélgica de forma segura e legal. O projecto será implementado e financiado por Sant'Egidio em cooperação com realidades e comunidades de diferentes religiões.

O projecto dos corredores humanitários prevê a identificação de refugiados de diferentes regiões de crise no Médio Oriente, África e Ásia, que podem beneficiar de protecção internacional na Bélgica devido à sua vulnerabilidade (mulheres, famílias com crianças, doentes, idosos, etc.). A pertença a uma minoria ameaçada e possíveis ligações com a Bélgica são critérios adicionais. As pessoas em questão são entrevistadas várias vezes e a sua história, bem como a sua identidade, é verificada pelos serviços de segurança. Se a avaliação for favorável, recebem um visto humanitário e são acompanhados legalmente, de avião e em segurança, para a Bélgica. Para os beneficiários, a operação é totalmente gratuita, sendo os custos suportados pelos organismos envolvidos.

Após a sua chegada, os beneficiários deste corredor humanitário terão de apresentar um pedido de asilo na Bélgica. Durante este procedimento de asilo não serão assistidos pelo Estado (excepto para cuidados médicos), uma vez que o acolhimento, alojamento e acompanhamento destas pessoas será organizado pelas comunidades religiosas. Após a concessão de protecção internacional, o acolhimento e acompanhamento dos refugiados continuará por um período total de pelo menos um ano, com especial atenção para o processo de integração das pessoas em causa.

Para a implementação do projecto, Sant'Egidio e os seus parceiros das comunidades religiosas trabalharão em estreita colaboração com o gabinete do Secretário de Estado Sammy Mahdi, o Comissário Geral para os Refugiados e Apátridas (CGRA), o Gabinete para os Estrangeiros e a Fedasil. Os implementadores manterão também contactos regulares com organizações internacionais relevantes, tais como o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Em 2017-2018, um corredor humanitário semelhante já tinha sido criado e permitiu que 150 refugiados sírios vulneráveis chegassem à Bélgica. Tinham sido acolhidos e ajudados na sua integração pelas comunidades religiosas. Mesmo nessa altura, as filiações religiosas dos refugiados não desempenhavam um papel na sua selecção, e será este o caso do recém-acordado corredor humanitário.

Desde o início, os corredores humanitários têm sido um modelo de vias legais complementares para os refugiados vulneráveis, para além dos programas de reassentamento existentes da ONU. Nos últimos anos, muitos actores na cena internacional, incluindo a Comissão Europeia, têm apelado ao lançamento de tais iniciativas. Ao abrir este novo corredor humanitário, a Comunidade de Sant'Egidio, os cultos reconhecidos da Bélgica e o governo belga estão a responder ao apelo.

Desde 2016, Sant'Egidio já conseguiu relocalizar e ajudar a integrar mais de 4.500 refugiados vulneráveis, principalmente do Líbano e da Etiópia, em países europeus, em particular Itália e França. Além disso, Sant'Egidio e o ACNUR assinaram esta semana em Genebra um acordo de cooperação mais amplo, salientando a complementaridade dos programas oficiais de reassentamento, tais como os do ACNUR, e os corredores humanitários.