news

No Corriere della Sera: Comida, medicamentos, paz: as frentes de Sant'Egidio em África

4 Janeiro 2022

PeaceAfrica
Marco Impagliazzo

com entrevistas a Marco Impagliazzo e Mario Giro

Compartilhe Em

Há quem, apesar da Covid e das milhares de dificuldades inerentes à deslocação pelo mundo, continue a lutar pela paz em territórios distantes das luzes da ribalta dos media internacionais. A Comunidade de Sant'Egidio está actualmente empenhada em África, especialmente em três frentes: a República Centro Africana, o Sudão do Sul e o norte de Moçambique, onde a Comunidade conseguiu alcançar o histórico acordo de paz em Outubro de 1992, após 17 anos de guerra civil.
A 1 de Janeiro de 2022, a Comunidade reuniu-se na Praça de São Pedro para o 55º Dia Mundial da Paz para recordar "todas as terras do Norte e do Sul do mundo que esperam o fim da guerra e do terrorismo" e o Papa Francisco saudou-os no Angelus («este povo de Sant'Egidio é bom, é bom..., obrigado pelo vosso empenho»).
Marco Impagliazzo, presidente da Comunidade, explica: «Desde o início da pandemia sentimos que era ainda mais urgente trabalhar pela paz em África, assim como pelas vacinas. Porque a Covid 19 arriscou fazer o mundo esquecer um contágio ainda mais grave, o de demasiadas guerras não resolvidas. Uma "pandemia de conflitos" que nos convidava a contê-la, multiplicando o compromisso que começou há muitos anos com Moçambique e tem crescido ao longo do tempo».
Um compromisso que exige método, como explica Mario Giro, membro da Comunidade activo em África há anos, autor do recente livro "Guerre nere" (Guerini e associati), e antigo subsecretário e vice-ministro dos Negócios Estrangeiros entre Maio de 2013 e Junho de 2018: «Pensamos que as guerras devem ser resolvidas, especialmente as que estão longe dos horizontes da informação, as mais perigosas não só pelas áreas em causa mas, em geral,
pelo equilíbrio internacional. Estas são muitas vezes guerras intermináveis, que podem ficar a ferver durante anos e depois explodir, causando transmigrações em massa e imensos problemas de saúde, económicos e até de segurança». Porque, diz Giro, certos vazios são frequentemente preenchidos por um protesto que se transforma em subversão. Como no norte de Moçambique: «Uma área abandonada durante quinze anos, deixada nas mãos de empresas ocidentais que exploram os jazigos do território. O vazio da política e da lei deixa a população à mercê do tráfico ilegal e de uma rebelião que encontrou no jihadismo um instrumento para reagir. Há 800.000 pessoas deslocadas. Intervimos com ajuda humanitária, alimentos, medicamentos, apoio à construção de casas com materiais locais e diálogo com imãs locais para apoiar a estrutura social, o Islão de base é esmagado pelo "produto" político-religioso do jihadismo, estranho à tradição local».
Quanto à República Centro-Africana, no final de Setembro de 2021 em Roma, a convite da Comunidade, os principais parceiros políticos e religiosos assinaram uma "Declaração de Roma" com um apelo solene para depor armas e chegar a um cessar-fogo definitivo. Giro explica: "Mesmo nessa área, apesar da pandemia, continuamos a distribuir alimentos e medicamentos, incluindo vacinações. Com o mesmo espírito, e a mesma determinação, estamos a trabalhar no Sul do Sudão, que enfrentou duas longas guerras civis.
Em Janeiro de 2020, a Comunidade assinou outra Declaração de Roma, na qual o governo e os movimentos de oposição se comprometeram a respeitar a cessação das hostilidades. Mas a situação continua a ser complexa. Giro conclui: «Permanecemos lá porque as guerras não se resolvem sozinhas. A paz requer um trabalho longo e acima de tudo constante».
 
 

 


[ Paolo Conti ]