SHAHBAZ BHATTI

Compartilhe Em

A 2 de Março de 2011, Shahbaz Bhatti, Ministro das Minorias do Paquistão, foi morto no coração de Islamabad com 42 anos de idade. Tinha lutado até ao fim para proteger todas as minorias, e não apenas as suas próprias, e para encorajar o diálogo. Ao contrário daqueles que o mataram, ele acreditava num Paquistão unido, mas também numa terra de coexistência étnica e religiosa. E ele deu a sua vida por este ideal.
Vítima de um ataque que chocou e indignou muitos no mundo, Shahbaz Bhatti é agora um símbolo para as minorias no Paquistão, não só para cristãos, mas também para hindus, sikhs, ahmadis e um grande número de muçulmanos neste grande país nascido em 1947 da "Partição" com a Índia. Foram realizadas periodicamente manifestações em sua memória, foram compostas canções em sua honra e foram criadas comissões na sequência do seu compromisso político, social e religioso. Mas quase respeitando o legado que ele nos deixou, a sua morte não inspirou oposição e violência. Pelo contrário, Shahbaz tornou-se, no Paquistão e em todo o mundo, um símbolo para todos aqueles que acreditam em batalhas pacíficas em defesa das minorias e de uma sociedade plural
Bhatti não procurou a morte, mas não quis desistir da sua luta pelos fracos e pelos oprimidos, como explicou Andrea Riccardi, que deveria encontrar-se com ele em Islamabad, apenas dois dias após o ataque: «Era um cristão apaixonado pelo seu país. Apesar das ameaças reais à sua vida, ele nunca tinha pensado em abandoná-lo. Pelo contrário, estava convencido de que o Paquistão deveria redescobrir as suas raízes, seguindo o modelo concebido pelo seu fundador, Ali Jinnah, que defendia um Estado laico no qual as diferentes religiões contribuíssem pacificamente para o seu desenvolvimento».


A militância

Como se lê no 'testamento espiritual' que ele nos deixou, a vocação de Shahbaz para passar a sua vida pelos outros remonta à Sexta-feira Santa quando ouviu um sermão sobre a Paixão de Jesus. Tinha apenas 13 anos de idade e queria defender os cristãos e, mais genericamente, todos "os pobres e perseguidos". Quando era muito jovem, ainda no liceu, levou a cabo a sua primeira batalha civil, contra a introdução de um novo bilhete de identidade, com uma cor diferente consoante a religião. Estes foram os tempos muito duros da ditadura do General Mohammed Zia ul-Haq (1977-1988). Shahbaz, que já tinha fundado a Frente de Libertação Cristã aos 17 anos de idade, contribuiu em grande parte para bloquear com os seus protestos a proposta de lei1. Estes foram anos de militância tenaz. Na universidade recebeu as suas primeiras ameaças de morte, mas não desistiu. Pelo contrário, em 1992, encorajado pelo activista católico Cecil Chaudry, um herói das guerras contra a Índia, lançou uma campanha nacional contra a lei da blasfémia, que permite que as pessoas sejam acusadas mesmo sob mera suspeita e que até agora levou a um número muito elevado de acusações, não só de membros de minorias mas - pouco conhecido no estrangeiro - sobretudo da maioria muçulmana, muitas vezes ocultando ajuste de contas entre famílias.
Bhatti no entanto, desde o início, optou por não se fechar dentro da comunidade católica local, e, de forma quase natural, em 2002, a sua Frente de Libertação Cristã foi transformada na APMA (All Pakistani Minorities Alliance), um movimento que uniu todas as minorias paquistanesas. Foi com esta associação que ele conseguiu fazer o seu nome conhecer em todo o Paquistão, também pela ajuda que prestou às pessoas afectadas pelo terrível terramoto de 2005. Nessa ocasião, a sua associação optou, de forma significativa, por levar ajuda a todos, sem distinção, e portanto a um grande número de muçulmanos que tinham ficado sem abrigo, obtendo agradecimentos oficiais das autoridades estatais2.

 

Membro do Parlamento e Ministro

Shahbaz Bhatti já tinha recusado uma oferta para entrar na política em 2000. Não fazia parte da escolha militante que ele tinha feito. Mas no final, procurando aliados para as suas batalhas, convenceu-se a abordar o PPP de Benazir Bhutto3 e, após o assassinato dela, concordou em apresentar-se às eleições parlamentares, obtendo garantias precisas para as minorias no seu programa. Foi eleito para a Câmara Baixa da Assembleia Nacional em Fevereiro de 2008. O seu novo posto parlamentar não mudou o seu estilo de vida, como nos diz o seu irmão Paul: «Continuou a estender a mão a todos: os pobres, estudiosos islâmicos, líderes políticos e religiosos, pessoas comuns. O seu escritório era constantemente invadido por pessoas que vinham ter com ele apenas para falar ou obter alguns conselhos. E ele não mandou ninguém embora»4.
A 2 de Novembro de 2008, após a eleição de Asif Ali Zardari, marido de Benazir Bhutto, como presidente, foi oferecido ao líder da APMA o Ministério para os Assuntos das Minorias, que não existia antes dessa data5. No seu discurso de abertura, Shahbaz pronuncia palavras apaixonadas: «Decidi tornar-me ministro para defender a causa das comunidades oprimidas e marginalizadas no Paquistão. Tenho dedicado a minha vida à luta pela igualdade humana, justiça social, liberdade religiosa. Jesus é o centro da minha vida e eu quero ser o seu verdadeiro seguidor através das minhas acções, partilhando o amor de Deus com o povo pobre, oprimido, perseguido, necessitado e sofredor do Paquistão»6. Ele começou um trabalho intenso que daria frutos consideráveis para as minorias em pouco mais de dois anos. Bhatti seguiu directamente vários casos pessoais, incluindo o da Ásia Bibi, a cristã condenada à morte por blasfémia, e conseguiu melhorar as suas condições de detenção7. Mas, sobretudo, no seu trabalho como ministro, conseguiu reunir uma longa lista de conquistas, tanto a nível legislativo como, de um modo mais geral, a nível dos direitos.


As fronteiras do diálogo e da paz

Em algumas das fronteiras mais próximas do seu coração, tais como as do diálogo e da paz, Shahbaz Bhatti procurou alargar a rede das suas relações para além das fronteiras do Paquistão e ele forjou muitos laços internacionais. Viajou para os Estados Unidos, onde foi recebido pela Secretária de Estado Hillary Clinton, e para o Canadá, onde tinha recebido um prestigioso prémio em 1999, onde se encontrou com o Primeiro-Ministro Stephen Harper. Cultivou contactos em todo o mundo, na Ásia com uma associação coreana, em Itália com o Patriarcado de Veneza, que tinha contribuído para os esforços de ajuda durante o terramoto de 2005, e continuou a tecer a sua teia de relações com organizações das Igrejas. Uma importante amizade nasceu também nestes anos com a Comunidade de Sant'Egidio, presente no país desde 2000, com o empenho de centenas de jovens e adultos paquistaneses em diferentes cidades.  Após uma primeira visita a Roma em Outubro de 2009, e uma colaboração significativa na ajuda às populações afectadas pelas inundações devastadoras - bem como pelo terramoto de 2005, sem fazer qualquer distinção entre muçulmanos e minorias9  –  em Setembro de 2010, Shahbaz Bhatti visitou novamente a Itália. A 11 de Setembro, a convite de Sant'Egidio, participou numa oração na basílica romana de Santa Maria in Trastevere em memória das vítimas do ataque às Torres Gémeas, na presença do embaixador dos EUA junto da Santa Sé, Miguel Diaz, e de muitos outros representantes diplomáticos. Ele considerou muito importante estar presente como ministro de um Estado, como o seu, que foi acusado várias vezes de cumplicidade com o terrorismo. Nessa ocasião, ele disse uma frase que repetiria várias vezes nos meses seguintes, mesmo na véspera do seu assassinato: “ Considerem-me um de vós, eu sou também parte da Comunidade10.  No dia seguinte, Shahbaz foi recebido no Vaticano e deu a Bento XVI uma importante mensagem na qual o Presidente Zardari expressou o desejo do seu governo de garantir a harmonia inter-religiosa e inter-cultural no país. O Papa assegura-lhe a sua proximidade com as vítimas das inundações de um mês antes e o seu apoio a todo o povo paquistanês.
 



Shahbaz Bhatti  ( no centro) na oração de 11 de Setembro de 2010 em Santa Maria in Trastevere (Roma)


A morte

A nomeação como ministro é acompanhada por uma escalada de ameaças sobre a vida de Bhatti. Em particular, após o assassinato do governador muçulmano do Punjab Salman Taseer11  que tinha defendido a Asia Bibi, Shahbaz recebeu uma forte pressão para se demitir. A confirmação do seu ministério, de forma alguma garantida, em meados de Fevereiro de 2011, reacendeu a esperança, graças também ao encorajamento da rede inter-religiosa que tinha construído em defesa das minorias. Mas apenas alguns dias depois, na manhã de 2 de Março, um comando de homens armados bloqueou o carro de Bhatti, pois ele tinha acabado de sair da casa da sua mãe, e matou-o em plena luz do dia no coração de Islamabad. Uma execução que tinha sido cuidadosamente preparada há algum tempo e, acima de tudo, levada a cabo com extrema facilidade. Todos sabiam que, na ausência de protecção, a sentença de morte seria executada mais cedo ou mais tarde. A começar pelo próprio Bhatti. Mas Bhatti não quis desistir, abandonando à sua sorte os seus amigos, pobres e oprimidos, homens e mulheres «fora de casta»12  do seu perturbado Paquistão. Ele não foi um herói, nem um político obstinado. Era, antes de mais, um cristão que viveu e morreu como cristão..


 O adeus

 A morte de Shahbaz Bhatti causa grande emoção em todo o mundo.   O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, está entre os primeiros a reagir, enquanto Bento XVI o recorda durante o Angelus do domingo13.   No Paquistão, para além dos chefes de Estado, numerosas autoridades islâmicas prestaram-lhe homenagem, e na casa da sua mãe Martha houve uma peregrinação ininterrupta de cristãos, muçulmanos, sikhs e hindus, reunidos à sua volta em oração, como testemunho da amizade inter-religiosa que tinha sido a força de Shahbaz.
A 4 de Março, estão previstas duas cerimónias. A ''oficial'' realiza-se de manhã em Islamabad, com uma celebração litúrgica na presença de numerosos políticos, do primeiro-ministro Gilani e de muitos embaixadores. A catedral está lotada de crentes e autoridades. Todos falam de Bhatti como de um “mártir”14.  Os familiares também chegam do estrangeiro para a celebração. O irmão Peter, que criou a International Christian Voice no Canadá, onde emigrou em 1997, está confiante de que os cristãos no seu país não serão intimidados: “ Agora milhares de Shahbaz Bhatti's erguer-se-ão e não irão parar até terem derrotado as forças obscuras do mal15.  E de Itália, onde trabalhava como médico, vem Paul Bhatti, que mais tarde assumiria o cargo de governo do seu irmão, embora com um aspecto diferente.
O funeral "de povo" teve lugar em Khushpur, onde o corpo de Shahbaz foi transferido de helicóptero.  E é a expressão de uma forte simpatia popular: uma mistura de raiva e emoção dos muitos que tinham esperado por ele e que de repente se encontram órfãos. Centenas de adultos e jovens, vestidos de preto, gritam lemas contra o governo e os fundamentalistas islâmicos. Um grupo de mulheres agitou bandeiras negras e louvou o ministro assassinado, gritando: "Bhatti, o teu sangue é o início de uma nova revolução". As ruas estão forradas de faixas e letreiros com a foto do líder. Algumas faixas dizem: 'Shahbaz Bhatti, filho da pátria, vamos sentir a tua falta', outras 'Bhatti, vamos continuar a tua missão'. Padres católicos, mas também numerosos líderes das minorias hindu e sikh, juntamente com representantes da maioria muçulmana, subiram ao palco montado perto da igreja da aldeia.
A praça enche-se de cada vez mais pessoas. Eventualmente, houve dez mil. Eles cantam e gritam lemas exigindo justiça pela morte do ministro. Quando o caixão chegou, no meio de um alvoroço indescritível, o então Bispo de Faisalabad Joseph Coutts pronunciou, com grande dificuldade, a sua saudação: «Shahbaz Bhatti  lutou para livrar o Paquistão do preconceito e do ódio, para plantar as raízes de uma cultura de respeito e tolerância mútuos».  Após a bênção do corpo, este, acompanhado pela multidão, foi levado para o pátio de uma escola: ali, em frente ao caixão, foi hasteada a bandeira paquistanesa e cantado o hino nacional. No cemitério para o enterro há uma campa vazia ao lado da do seu pai, Jacob Bhatti. Dois meses antes, no seu funeral, Shahbaz tinha dito ao seu irmão Paul: "Este lugar é meu, mas só depois de ter lutado pela verdade e justiça. Quando isso acontecer, não chores por mim". Agora a triste profecia tornou-se realidade, o drama de um povo que o segue, fielmente, até ao fim. Há um grande caos: todos se amontoam à volta da família Bhatti, todos querem tocar no caixão de Shahbaz pela última vez, todos repetem insistentemente, como uma ladainha: «Ele é um mártir, ele é um santo»16.


O legado de Shahbaz

 Shahbaz Bhatti deixou um precioso legado espiritual que vai para além das fronteiras do Paquistão e assume uma dimensão universal.  Mas outro aspecto não deve ser subestimado, o das suas realizações civis e políticas. Esta é uma longa lista de realizações, tanto grandes como pequenas, que têm impacto na sociedade paquistanesa, reforçando a sua democracia e o respeito por todas as diversidades que acolhe. Basta recordar algumas das realizações mais importantes durante o seu mandato como parlamentar e o seu breve período como ministro (dois anos e quatro meses):

  • lei nacional que obriga todos os gabinetes públicos a recrutar pelo menos 5% do seu pessoal no seio das minorias religiosas;
  • Atribuição de quatro lugares no Senado a minorias (antes disso não era possível que um cristão ou hindu fosse eleito para esta assembleia);
  • Criação de uma linha telefónica no Ministério das Minorias para poder denunciar eventuais abusos cometidos contra cidadãos não-muçulmanos;
  • Instituição do Dia das Minorias a 11 de Agosto, dia do aniversário do histórico discurso de Ali Jinnah à nação paquistanesa, com a proclamação da igualdade de direitos para todos os cidadãos, sem distinção étnica ou religiosa;
  • abertura de locais de oração para não-muçulmanos em prisões paquistanesas;
  • criação de uma rede de «comités distritais para a harmonia e o diálogo inter-religioso», também a nível das aldeias e comunidades rurais, que são frequentemente o cenário de forte discriminação;
  • adesão, graças aos seus relatórios, de um grande número de líderes muçulmanos paquistaneses ao importante documento, elaborado em Julho de 2010, que denunciava todas as formas de terrorismo.

Mas mesmo antes de ser eleito para o Parlamento, Bhatti já tinha acumulado conquistas significativas com a sua APMA. Entre as mais importantes estão:

  • o protesto contra o projecto de um bilhete de identidade separado para não muçulmanos (sob a ditadura de Zia) que tinha forçado o governo a retirá-lo;
  • a batalha para pôr seriamente em causa o sistema eleitoral separado para as minorias (em 2000);
  • a actividade que conseguiu impedir a aprovação do decreto islâmico que pretendia introduzir a figura do muhtasib, fiador religioso no modelo Talibã, na província de Fronteira (em 2005).

Shahbaz tinha também lutado arduamente pela alteração da lei da blasfémia desde a sua juventude. Mas nesta frente é interessante notar que, desde que se tornou ministro, a par da denúncia pública, tinha experimentado outro caminho, mais discreto e talvez mais incisivo. Sem renunciar ao protesto, percebeu que, para desbloquear a situação, era essencial iniciar negociações com os círculos muçulmanos mais sensíveis à mudança. Uma tarefa que tinha acabado de começar, mas que, em muitos casos, como a da Ásia Bibi, estava a começar a dar frutos17.
Em 5 de Abril de 2011, pouco mais de um mês após a morte de Shahbaz Bhatti, a Comunidade de Sant'Egidio escolheu recordá-lo numa conferência em Roma18, que termina com a entrega solene da Bíblia pessoal do ministro paquistanês à basílica de São Bartolomeu na Ilha. Trata-se da igreja romana que João Paulo II quis dedicar à memória dos «novos mártires», as testemunhas da fé que, ao longo do século XX e até aos nossos dias, derramaram o seu sangue simplesmente porque eram cristãos19.



Bíblia pessoal de Shahbaz Bhatti, guardada na Basílica de São Bartolomeu na Ilha tiberina (Roma), "memorial dos novos mártires"


O precioso legado político deixado por Shahbaz Bhatti mostra como uma testemunha da fé do nosso tempo também foi capaz de realizar um trabalho valioso como "federador". Na mesma conferência, um mês após a sua morte, Andrea Riccardi fala dele como um homem que, enquanto lutava contra a injustiça «com as suas próprias mãos», foi capaz de assumir uma bela habilidade política: «Não fez concessões, mas conhecia a arte da gradualidade que é própria de um político. Ele era um homem de diálogo. Ele amava o Paquistão e não se pode amar o Paquistão sem amar os muçulmanos, um mundo rico, complexo, sunita, xiita, com uma componente sufi mal vista pelos fundamentalistas, que Bhatti não via como um muro compacto». Ele compara a sua figura à de Martin Luther King, que morreu em 1968, ano do nascimento de Shahbaz, descrevendo-o como um "mártir do diálogo”20. Profundamente cristão e sinceramente paquistanês, Bhatti nunca inspirou vingança ou reacções negativas. Em torno da sua memória, foi criado um movimento não violento que luta fortemente pelos direitos das minorias, mas ao mesmo tempo, com igual convicção, pela coexistência com a maioria multifacetada que existe no país. Isto pode parecer uma aposta quando pensamos no Paquistão moderno e na violência que ainda domina em muitas das suas regiões, mas é uma grande visão, incluindo uma visão política, que pode ser usada para construir o futuro desta nação.


A batalha do irmão Paul

Paul Bhatti fica a saber do ataque ao seu irmão enquanto ele está em Itália.Trata-se da sua segunda pátria. Nascido em Khushpur em 1957, tinha-se estabelecido na Europa para estudar medicina, mas depois permaneceu, trabalhando em várias instalações italianas e, desde 2005, na cidade de Treviso. Orgulhoso do empenho de Shahbaz, ele sempre o apoiou, embora, como irmão mais velho, o tivesse avisado dos perigos. Tinha ficado frequentemente espantado e admirado pela fé que tinha na sua missão desde o início da sua militância21.
O apoio de Paul está sempre presente, mas tem necessariamente vivido à distância. O ataque a Shahbaz mudou tudo de repente. Paul correu para o Paquistão para assistir ao funeral. Ele fala do legado do seu irmão: «Para ele, diálogo significava trabalhar em conjunto, com muçulmanos e outras minorias, em busca de valores comuns. Ele não queria converter ninguém, mas tinha o maior respeito por todas as religiões». Mais tarde ele expressaria o seu perdão em nome de toda a família: «É isto que a fé cristã nos ensina e é isto que teria feito Shahbaz»22.
Embora Paul tivesse uma forte ligação com Shahbaz, nunca tinha pensado em perseguir um compromisso semelhante ao dele, mas após a morte do seu irmão ele sentiu a necessidade de retomar o legado do seu irmão. Assim, optou por regressar ao Paquistão onde, a mando do Presidente Zardari, se tornou conselheiro especial do Primeiro Ministro Gilani para as Minorias Religiosas, embora não pudesse tornar-se ministro de pleno direito por não ter sido eleito no Parlamento. Na realidade, esta posição confere-lhe as mesmas responsabilidades, funções e pasta que o seu irmão tinha como ministro federal, incluindo o direito de fazer parte do Conselho de Ministros.
No entanto, a sobrevivência de uma autoridade para proteger as minorias não é uma conclusão inevitável, e Paul lutou imediatamente por uma estrutura ministerial para sobreviver ao lado do seu gabinete. No final de Junho de 2011, o governo paquistanês decidiu abolir o Ministério para as Minorias Religiosas, rebaixando-o para uma estrutura provincial. Paul Bhatti não se demitiu e apresentou ao Primeiro Ministro um "plano de acção global" para melhorar as condições de vida das minorias, a nível cultural, religioso e legislativo23.
Graças a fortes protestos, tanto dentro como fora do país, o ministério federal foi reintegrado no final de Julho de 2011, embora com o novo nome de Harmonia Nacional. O católico Akram Gill foi escolhido como Ministro de Estado, enquanto Paul Bhatti continuou a ser a figura principal na defesa das minorias, mantendo a sua posição como conselheiro do Primeiro Ministro. Este é um resultado importante, também celebrado no estrangeiro como um sinal significativo de abertura por parte do Estado paquistanês. Houve também um bom clima a 11 de Agosto de 2011, o Dia das Minorias24 pelo qual Shahbaz tinha lutado tão arduamente. Nessa ocasião, cinco meses após a sua morte, o Presidente Zardari recordou que os cristãos, os hindus e os membros de outras religiões além do Islão, «deram uma contribuição fundamental para a formação da nação, o Estado tem o dever de os proteger: eles são cidadãos paquistaneses»25. Neste feriado, o primeiro sem Shahbaz, uma delegação - composta por representantes de todas as minorias e liderada por Paul Bhatti - deslocou-se ao palácio presidencial e, estando no meio do Ramadão, ofereceu simbolicamente aos parlamentares islâmicos o iftar, a grande refeição para a suspensão nocturna do jejum.
O compromisso de Paul segue os passos de Shahbaz: uma defesa apaixonada das minorias, mas ao mesmo tempo fé no diálogo com a maioria muçulmana e com as instituições, também para obter resultados concretos. Não é por acaso que ele observa a mesma conduta que o seu irmão ministro em relação à Ásia Bibi, tanto assim que em Outubro de 2011 ele até pediu a todos os meios de comunicação social que se mantivessem em silêncio26.  E a batalha apaixonada de Shahbaz para salvar aqueles que são injustamente perseguidos continua. Esteve na vanguarda, por exemplo, nos protestos contra a detenção a 16 de Agosto de 2012 de uma jovem cristã com deficiência mental, Rimsha Masih, acusada de blasfémia. O caso deu a volta ao mundo, mas também para esta batalha, Paul Bhatti decidiu não confiar apenas na indignação da comunidade internacional, mas também na rede de amizades inter-religiosas estabelecida por Shahbaz no Paquistão. Um grande número de imãs mobilizou-se imediatamente para exigir a libertação da rapariga, e graças a eles, a campanha foi bem sucedida, com uma sentença de absolvição do Supremo Tribunal em Islamabad. Paul Bhatti dedicou esta vitória ao seu irmão Shahbaz e aproveitou a oportunidade para apelar à criação de uma "comissão conjunta" com líderes, peritos e advogados cristãos e muçulmanos, que poderia examinar casos de alegada blasfémia numa base preventiva27.
As eleições gerais de 11 de Maio de 2013 marcaram o declínio do PPP, o partido do antigo Primeiro Ministro Benazir Bhutto, ao qual esteve primeiro ligado Shahbaz e depois Paul Bhatti, e mudaram o cenário paquistanês com o regresso ao poder de Nawaz Sharif, líder da Liga Muçulmana do Paquistão-Nawaz (PML-N). Contudo, Paul não pretende abandonar o seu compromisso cívico e, imediatamente após a votação, anunciou que iria continuar as suas batalhas: "Precisamos de um sistema eleitoral diferente para as minorias (voto duplo), da sua plena integração e de uma luta contra os abusos ligados às leis da blasfémia”28 .  Pediu ao novo governo que abordasse três prioridades: a segurança, a economia e a crise energética. A partir daí, deixou de ocupar posições institucionais, mas continuou o seu compromisso como chefe da APMA, a associação criada por Shahbaz para federar todas as minorias, que se tornou um verdadeiro partido com uma estrutura ramificada em todas as regiões do Paquistão, com conselheiros cristãos, hindus, sikh e ahmadi. Ao mesmo tempo, ele cultiva a rede de amizades internacionais criada ao longo dos anos pelo seu irmão.
No estrangeiro - onde é frequentemente chamado a dar o seu testemunho - como no Paquistão, é agora considerado por todos como "herdeiro de Shahbaz", a voz dos cristãos e de outras minorias num país que continua a registar uma taxa muito elevada de violência e terrorismo. Neste cenário, que é um dos mais difíceis do mundo, Paul Bhatti não desiste mas continua a sua batalha com tenacidade: "Eu sou contra o extremismo e o fanatismo, venham eles de onde vierem. Quero apenas oferecer a minha contribuição aos cristãos e a todas as minorias no meu país. Acredito muito no diálogo inter-religioso, penso que é a base para acabar com a violência. Precisamos de uma aliança, um comité composto por personalidades de todas as religiões, pronto a intervir para acabar com a violência quando esta entrar em erupção. Estou convencido de que no final, a batalha pela paz será ganha, para o bem de todos e para a salvação do Paquistão”29.

 

 Memória pelos 10 anos desde a morte de Shahbaz Bhatti.
Oração da Comunidade de Sant'Egidio na Basílica de S. Maria in Trastevere - 2 de Março de 2021
A homilia de dom Ambrogio Spreafico »
 

Notas de rodapé

1Shahbaz realizou um protesto muito forte contra a introdução do novo bilhete de identidade, considerado altamente discriminatório, chegando ao ponto de se manifestar, com um grupo de amigos muito jovens como ele, em frente ao Parlamento. Cfr. ibidem, pp. 40-43
2A APMA de Bhatti recebeu um certificado de reconhecimento do exército paquistanês pela sua ajuda. Igualmente apreciada pelas autoridades centrais do Estado foi a decisão de reconstruir escolas nas zonas sinistradas, que foram abertas a crianças de todas as confissões religiosas. Estas crianças", comentou Bhatti, "tornar-se-ão portadoras da nossa mensagem de unidade e amor. Ver ibid, pp. 64-68 e Christians in Pakistan. Em ensaios, a esperança, cit., p. 51
3Shahbaz Bhatti, que conhecia directamente Benazir Bhutto, ficou ligeiramente ferido no ataque de Outubro de 2007, do qual a antiga primeira-ministra saiu ilesa, mas que deixou 138 mortos.  Veja-se Shahbaz Bhatti, Eu estava no camião com Bhutto quando todo o inferno se soltou, em Asianews, 19 de Outubro de 2007. Dois meses mais tarde, a 27 de Dezembro, no final de um comício em Rawalpindi, Bhutto foi morta num segundo ataque que ceifou 30 vidas.
4Conversa de Paul Bhatti com Roberto Pietrolucci em Shahbaz Bhatti. Vita e martirio di un cristiano in Pakistan, cit., p.82
5Anteriormente, a protecção das minorias era confiada a um ministro de estado, subordinado a um ministro federal para os assuntos religiosos, um cargo sempre ocupado por um muçulmano.
6Cfr. Assist News Service, 3 de Novembro de 2008
7LA história da Ásia Bibi deu a volta ao mundo e tornou-se um símbolo das difíceis condições de vida de muitos cristãos em países como o Paquistão. Bhatti visitou-a várias vezes após a sua nomeação como ministro e conseguiu que ela mudasse de cela e mandou instalar uma câmara para garantir que ela não fosse sujeita a violência. Cfr. Shahbaz Bhatti. Vita e martirio di un cristiano in Pakistan, cit. p. 99
8Cfr. Cristãos no Paquistão. A esperança nas provas, cit.
9Bhatti Ficou particularmente feliz por, também nesta ocasião, ter sido trazida ajuda a todos, sem fazer distinções entre muçulmanos e cristãos. Desta forma", comentou, "as pessoas deixarão de se odiar e, sobretudo, deixarão de se matar em nome da religião”. Cfr. ibidem, p. 104
10Cfr. ibidem, p. 105
11O governador de Punjab, a região onde nasceu Shahbaz Bhatti, um muçulmano, travou numerosas batalhas juntamente com o Ministro das Minorias e lançou um forte apelo contra a violência, dirigido directamente ao Presidente Zardari, após o ataque ao bairro cristão de Gojra, no qual morreram nove pessoas. Cfr. Shahbaz Bhatti. Vita e martirio di un cristiano in Pakistan, cit. p. 94
12Nos muitos discursos públicos feitos por Shahbaz Bhatti durante a sua vida, há frequentemente uma referência aos "párias". Esta é de facto uma categoria social e hierárquica que sobreviveu parcialmente no Paquistão, apesar da divisão com a Índia e a islamização. Actualmente, refere-se aos estratos mais pobres da população, a maioria dos quais são cristãos.
13Em 6 de Março, na Praça de São Pedro, durante o Angelus, Bento XVI recordou o ataque e apelou à protecção das minorias ameaçadas no Paquistão: «Peço ao Senhor Jesus que o comovente sacrifício da vida do ministro paquistanês Shahbaz Bhatti desperte nas consciências a coragem e o compromisso de proteger a liberdade religiosa de todos os homens e mulheres e, desta forma, promover a sua igual dignidade» (Angelus, 6 de Março de 2011)
14Desde as primeiras horas após o ataque em Islamabad, para além de um sentimento popular generalizado, levantaram-se vozes autoritárias apelando ao reconhecimento do martírio. No final de Março de 2011, os bispos paquistaneses, reunidos em assembleia, pediram oficialmente à Santa Sé que proclamasse Bhatti um «mártir e patrono da liberdade religiosa»
15Entrevista com Peter Bhatti, em NDTV, 4 de Março de 2011.
16Cfr. “Testemunho de Roberto Pietrolucci”, o único ocidental a assistir ao funeral de Khushpur, em Shahbaz Bhatti. Vita e martirio di un cristiano in Pakistan, cit. p. 122-127
17Em 2010, a pedido do Presidente Zardari, que o nomeou chefe de uma comissão de inquérito, Bhatti mandou realizar uma investigação, que considerou a Asia Bibi inocente, e ao mesmo tempo pediu o seu perdão. O pedido foi também acompanhado pelo governador do Punjab, Salman Taseer, acusado de fazer parte de uma «conspiração internacional» para abolir a lei. O ministro tinha percebido que, para desbloquear a situação, poderia ser essencial iniciar algumas negociações, iniciadas pelos círculos muçulmanos mais sensíveis à mudança. Este trabalho, realizado com extrema discrição, começava a dar frutos, abrindo o caminho para um perdão do presidente Zardari.
18A mesa redonda intitulada "Shahbaz Bhatti: uma vida para o diálogo e a convivência no Paquistão" é frequentada, significativamente, por várias personalidades que tinham conhecido e apreciado de perto o Ministro das Minorias, embora vindas de caminhos diferentes, desde o imã da grande mesquita de Lahore, Abdul Khabir Azad, até ao então Bispo de Faisalabad Joseph Coutts. Há também Andrea Riccardi, Paul Bhatti, o Ministro dos Negócios Estrangeiros italiano Franco Frattini e Marco Tarquinio, editor do diário católico Avvenire.
19A basílica de São Bartolomeuna Ilha abriga a memória de mártires mais conhecidos - como o Arcebispo de San Salvador, Oscar Arnulfo Romero, que foi morto no altar enquanto celebrava a Eucaristia a 24 de Março de 1980 - juntamente com muitos outros que são menos conhecidos, mas que foram no entanto testemunhas de uma fé profunda. A memória deles é preservada nas capelas laterais: cartas, artigos pessoais, vestes litúrgicas, crucifixos, bíblias consumidas pela leitura diária. Incluindo a de Shahbaz Bhatti, que foi entregue pela sua família e levada ao altar pelo seu irmão Paul durante a celebração litúrgica realizada na basílica romana a 5 de Abril de 2011.
20Veja o relatório da conferência romana "Shahbaz Bhatti: uma vida de diálogo e coexistência no Paquistão", promovida em Roma pela Comunidade de Sant'Egidio, em Shahbaz Bhatti. Vita e martirio di un cristiano in Pakistan, cit. pp. 142-156
21“Frequentou a Faculdade de Ciências Políticas e outros cursos não-universitários. Ele nunca pediu dinheiro em casa. Quando começou o seu trabalho em defesa das minorias, não o ajudei no início: não pensei que pudesse fazer algo importante. Depois vi que, apesar da sua tenra idade, conseguiu fazer grandes coisas: falou com embaixadores para defender a causa dos cristãos, teve contactos com países estrangeiros, com o Ocidente" (Entrevista de Paul Bhatti com Roberto Pietrolucci, em Shahbaz Bhatti. Vita e martirio di un cristiano in Pakistan, cit., p. 48)
22Cfr. Intervenção de Paul Bhatti na conferência Shahbaz Bhatti: Uma Vida para o Diálogo e a Coexistência no Paquistão (5 de Abril de 2011)
23Cfr. Paul Bhatti: Educação, apoio jurídico, compromisso político, o meu plano para as minorias religiosas, em Agenzia Fides, 11 de Julho de 2011
24A data de 11 de Agosto repete-se frequentemente na vida de Shahbaz Bhatti. Ele considerou-a mais importante do que 14 de Agosto, o aniversário da criação do Estado paquistanês, porque foi neste dia, em 1947, que o famoso discurso de Jinnah foi proferido no Parlamento sobre as fundações da nova nação que estava prestes a nascer, um programa que deu igual dignidade a todas as minorias do país. Tornou-se um símbolo de unidade, ao ponto de convencer o Presidente Zardari a declará-lo Dia Nacional das Minorias em Agosto de 2009.
25Cfr. Zardari: os não islâmicos são paquistaneses como os outros, em Avvenire, 12 de Agosto de 2011
26«É necessário, disse Paul Bhatti nessa ocasião, não esconder a verdade ou silenciar os meios de comunicação, mas ser capaz de agir realmente para a salvação das mulheres, longe dos reflectores e da atenção dos grupos fundamentalistas. Apelo à consciência e à responsabilidade de todos» (cfr. Agenzia Fides, 26 de Outubro de 2011).
27Cfr. Agenzia Fides, 20 de Novembro de 2012
28Cfr. Asia News, 13 de Maio de 2013
29Testemunho de Paul Bhatti, feita a 15 de fevereiro de 2014