Oração com Maria, Mãe do Senhor

Compartilhe Em


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

O Espírito Santo virá sobre ti
Aquele que nascer de ti será santo.

Aleluia aleluia, aleluia

Actos dos Apóstolos 14,19-28

Apareceram, então, vindos de Antioquia e de Icónio, alguns judeus que aliciaram o povo, apedrejaram Paulo e, julgando-o morto, arrastaram-no para fora da cidade. Mas, como os discípulos o tivessem rodeado, ele ergueu-se e voltou para a cidade. No dia seguinte, partiu para Derbe com Barnabé. Depois de terem anunciado a Boa-Nova àquela cidade e de terem feito numerosos discípulos, Paulo e Barnabé voltaram a Listra, Icónio e Antioquia. Fortaleciam a alma dos discípulos, encorajavam-nos a manterem-se firmes na fé, porque, diziam eles: «Temos de sofrer muitas tribulações para entrarmos no Reino de Deus.» Depois de lhes terem constituído anciãos em cada igreja, pela imposição das mãos, e de terem feito orações acompanhadas de jejum, recomendaram-nos ao Senhor, em quem tinham acreditado. A seguir, atravessaram a Pisídia, chegaram à Panfília e, depois de anunciarem a palavra em Perga, desceram a Atália. De lá, foram de barco para Antioquia, de onde tinham partido, confiados na graça de Deus, para o trabalho que agora acabavam de realizar. Assim que chegaram, reuniram a igreja e contaram tudo o que Deus fizera com eles, e como abrira aos pagãos a porta da fé. E demoraram-se bastante tempo com os discípulos.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Eis, Senhor, os vossos servos:
Faça-se em nós segundo a vossa palavra

Aleluia aleluia, aleluia

Os opositores à anunciação do Evangelho não param, alguns, chegados a Listra, instigam as pessoas, induzindo-as a apedrejar Paulo. Depois da exaltação precedente, eis que chega a violência com o objectivo de bloquear a anunciação do Evangelho. Paulo é apedrejado. Caindo sob as pedras, todos julgam que morreu e afastam-se, abandonando-o ao longo da estrada. Ficam apenas aqueles discípulos que tinham acolhido a sua pregação e que o rodearam. Muito provavelmente, Paulo, enquanto sentia a dor provocada pelas pedras que o atingiam, recuou com a mente a Jerusalém quando assistiu ao apedrejamento de Estêvão. A força daquele primeiro mártir decerto o susteve também a ele naquela duríssima prova. O apóstolo, circundado pelo conforto dos discípulos, reencontra a força e levanta-se. No entanto, não foge. Entra novamente na cidade. No dia seguinte, parte para continuar a missão de anunciação do Evangelho noutras cidades. A força que sustém o apóstolo na missão evangélica é o amor pelo Senhor que o crente coloca acima de todas as coisas, ciente que o amor pelo Evangelho passa também através da Cruz.