Oração pelos doentes

Compartilhe Em

Na Basílica de Santa Maria in Trastevere, reza-se pelos doentes.


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Eis o Evangelho dos pobres, a libertação dos prisioneiros,
a vista dos cegos, a libertação dos oprimidos

Aleluia aleluia, aleluia

Actos dos Apóstolos 1,9-11

Dito isto, elevou-se à vista deles e uma nuvem subtraiu-o a seus olhos. E como estavam com os olhos fixos no céu, para onde Jesus se afastava, surgiram de repente dois homens vestidos de branco, que lhes disseram: «Homens da Galileia, porque estais assim a olhar para o céu? Esse Jesus que vos foi arrebatado para o Céu virá da mesma maneira, como agora o vistes partir para o Céu.»

 

Aleluia aleluia, aleluia

O Filho do Homem veio para servir
quem quiser ser grande, faça-se servo de todos

Aleluia aleluia, aleluia

Lucas inicia a narração com uma pergunta dos apóstolos a Jesus: “Senhor, é agora que vais restaurar o Reino de Israel?”. Não era a primeira vez que perguntavam a Jesus se já tinha chegado o momento em que tudo se teria manifestado e esclarecido. Na pergunta vela-se, provavelmente, não só o desejo indolente de não ter de lutar contra a divisão e as dificuldades mas, também, a espera de discípulos frágeis e incertos perante um mundo hostil, marcado pelo mal. É uma pergunta que emerge, sobretudo, quando vemos o mal abater-se à nossa volta. Quando é que o amor vencerá e a morte será derrotada para sempre? Quando é que as lágrimas dos homens serão enxugadas? Jesus responde que não pertence a nós saber os tempos, mas o Pai enviar-nos-á o Espírito Santo que nos conduzirá até aos confins da Terra. Entendemos assim tão pouco da vida. Reduzimo-la facilmente às nossas coisas, aos nossos horizontes. Jesus parece dizer-nos que a vida é bem maior, e que Ele não nos deixa sozinhos. O Espírito de amor conduzirá os discípulos. Jesus que sobe aos Céus não significa abandono dos discípulos. Antes pelo contrário, significa que Ele Se reuniu ao Pai e que Se sentou ao lado d’Ele na Sua glória. A ascensão significa que Jesus está presente em todos os lugares: como o Céu nos cobre e envolve, assim também o Senhor, ascendendo ao Céu, cobre-nos e envolve-nos a todos. Portanto, não se trata de uma separação. Quanto muito, trata-se de uma aproximação mais ampla e envolvente de Jesus aos Seus para os acompanhar até aos confins da Terra. Naquele dia os discípulos sentiram que o Senhor estava ao lado deles para sempre, com a Sua Palavra e com o Seu Espírito; uma aproximação certamente muito mais misteriosa mas, provavelmente, ainda mais real do que antes. Vieram-lhes sem dúvida à cabeça, as palavras que Jesus lhes dissera directamente: “Onde dois ou três estiverem reunidos em Meu nome, Eu estou no meio deles” (Mt 18, 20). Naquele dia da Ascensão compreenderam-nas plenamente: em qualquer parte da Terra, em qualquer tempo, em qualquer momento em que se reúnam dois ou mais discípulos do Senhor, Ele estará no meio deles. A presença de Jesus entre os Seus é mais ampla no espaço e no tempo. Ele, acompanha para sempre os discípulos, onde quer que estejam e de qualquer modo. Já ninguém no mundo, poderia afastar Jesus da vida deles. Eis a razão pela qual os dois homens vestidos de branco repreendem os apóstolos: “porque estais a olhar para o Céu?”. Jesus “regressa”, isto é, está no meio de nós nos irmãos e nos pobres. Olhemos para eles e encontraremos Jesus.