Oração com Maria, Mãe do Senhor

Compartilhe Em


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

O Espírito Santo virá sobre ti
Aquele que nascer de ti será santo.

Aleluia aleluia, aleluia

São Tiago 1,12-18

Feliz o homem que resiste à tentação, porque, depois de ter sido provado, receberá a coroa da vida que o Senhor prometeu aos que o amam. Ninguém diga, quando for tentado para o mal: «É Deus que me tenta.» Porque Deus não é tentado pelo mal, nem tenta ninguém. Cada um é tentado pela sua própria concupiscência, que o atrai e seduz. E a concupiscência, depois de ter concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte. Não vos enganeis, meus amados irmãos. Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, no qual não há mudanças nem períodos de sombra. Por sua livre decisão, nos gerou com a palavra da verdade, para sermos como que as primícias das suas criaturas.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Eis, Senhor, os vossos servos:
Faça-se em nós segundo a vossa palavra

Aleluia aleluia, aleluia

"Feliz o homem que suporta com paciência a provação", escreve Tiago. Jesus foi o primeiro a dar o exemplo e recebeu "a coroa da vida". As tentações não são enviadas por Deus. A carta diz claramente: "Deus não tenta ninguém". A nova tradução da oração do Pai-Nosso, justamente, já não diz "não nos induzis em tentação" mas "não nos deixeis cair em tentação", porque o Senhor não induz o homem em tentação. Quantas vezes ouvimos dizer - e, às vezes, chegamos a pensar também nós - que o mal vem de Deus! O mal vem de um coração que cede às paixões, que se deixa levar pela tentação de pensar só em si mesmo. Se se cede a estas paixões que atraem e seduzem, caímos no pecado. Foi assim para Caim que não soube "dominar o instinto" e chegou a assassinar o irmão. E o apóstolo recorda-nos que é insensato acreditar que podemos controlar sozinhos as paixões ou o próprio pecado mas, na verdade, somos como que levados pelos instintos e pelo amor-próprio. Às vezes, temos a insensata convicção de podermos dominar o mal, de o podermos controlar, assim como de domar hábitos, pensamentos, tradições. Na verdade, são eles que nos dominam. A Carta recorda que, no entanto, nos podemos entregar ao Senhor e combater assim, o assalto do mal. O Pai da luz não é incerto nem hesitante, não tem fases ou períodos de mudanças, apesar das muitas desilusões que Lhe causamos. O Senhor que criou o Céu e a Terra - assegura Tiago - dá com abundância as suas dádivas aos homens e, sobretudo, gera-nos com "a Palavra da verdade". A pregação do Evangelho é como o princípio materno que nos gera a uma nova vida. Nós somos a primícia dos filhos de Deus, o gérmen da nova Criação.