Oração pela Igreja

Compartilhe Em


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Eu sou o Bom Pastor,
minha voz as ovelhas escutam,
E serão um só rebanho e um só Pastor.

Aleluia aleluia, aleluia

São Tiago 2,1-9

Meus irmãos, não tenteis conciliar a fé em Nosso Senhor Jesus Cristo glorioso com a acepção de pessoas. Suponhamos que entra na vossa assembleia um homem com anéis de ouro e bem trajado, e entra também um pobre muito mal vestido, e, dirigindo-vos ao que está magnificamente vestido, lhe dizeis: «Senta-te tu aqui, num bom lugar», e dizeis ao pobre: «Tu, fica aí de pé»; ou «Senta-te no chão, abaixo do meu estrado.» Não é verdade que, então, fazeis distinções entre vós mesmos e julgais com critérios perversos? Ouvi, meus amados irmãos: porventura não escolheu Deus os pobres segundo o mundo para serem ricos na fé e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam? Mas vós desonrais o pobre. Porventura não são os ricos que vos oprimem e vos arrastam aos tribunais? Não são eles os que blasfemam o belo nome que sobre vós foi invocado? Se cumpris a lei do Reino, de acordo com a Escritura: Amarás o teu próximo como a ti mesmo, procedeis bem; mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis um pecado e a lei condena-vos como transgressores.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Eu vos dou um mandamento novo:
amai-vos uns aos outros!

Aleluia aleluia, aleluia

Pode tornar-se normal também para a comunidade cristã, seguir a moda deste mundo: isto é, honrar os ricos e menosprezar os pobres. No nosso mundo contemporâneo os pobres não são tidos em nenhuma consideração e são facilmente esquecidos ou até mesmo desprezados. O Papa Francisco não se cansa de nos recordar o escândalo daquela que ele chama a cultura do "descarte" que no leva sem nenhum problema a afastar os pobres da mesa da vida. E sucede assim que não só não ajudamos os pobres, como nos defendemos deles. Muitas vezes, atribuímos-lhes as dificuldades e os problemas das nossas sociedades. Acontece transversalmente a nível planetário quando nos esquecemos de considerar a luta para extirpar a pobreza. Não é moda falar dos pobres, porque isso comportaria uma visão menos egocêntrica da vida e da sociedade. A corrida aos próprios interesses endurece os corações e torna a sociedade cada vez mais cruel, sobretudo para com os mais fracos. Deus, recorda a Carta de Tiago, age precisamente ao contrário. Ele escolhe os pobres deste mundo para os tornar ricos e herdeiros do Seu Reino. O exemplo que Tiago faz sobre os lugares de honra que devem ser reservados aos pobres durante as celebrações, indica não só o lugar físico a atribuir-lhes, mas também o que deve ser reservado no coração e, portanto, na preocupação dos crentes. Os pobres devem gozar de uma atenção privilegiada na comunidade cristã porque é assim que Deus age. Tiago faz ainda notar a facilidade com que os pobres são oprimidos e explorados. Mas não os defender é como blasfemar o próprio nome de Deus que os escolheu como seus filhos predilectos até Se identificar com eles, como lemos no Evangelho de Mateus: "Eu vos garanto: todas as vezes que fizestes isto a um dos menores dos meus irmãos, foi a Mim que o fizestes", (Mt 25, 40). Os pobres, acolhidos na família de Deus, são os irmãos menores de Jesus e são, portanto, familiares dos cristãos: entraram no coração da Igreja. E, portanto, devem ser amados como irmãos. Neles, encontramos Jesus.