Oração com os santos

Compartilhe Em


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Vós sois uma geração escolhida
um sacerdócio real, uma nação santa,
povo resgatado por Deus
para proclamar as suas maravilhas.

Aleluia aleluia, aleluia

Jeremias 31,1-7

«Naquele tempo, Eu serei o Deus de todas as tribos de Israel, e elas serão o meu povo» - oráculo do Senhor. Assim fala o Senhor:
«Encontrou graça no deserto
o povo que tinha escapado à espada.
Israel caminha para o seu repouso.

De longe, o Senhor se lhe manifestou:
Amei-te com um amor eterno.
Por isso, dilatei a misericórdia para contigo.

Hei-de reconstruir-te, e serás restaurada,
ó donzela de Israel!
Ainda te hás-de adornar dos teus tamborins
e participar em alegres danças.

De novo plantarás vinhas
nas colinas da Samaria,
e os cultivadores recolherão os frutos,

porque há-de chegar o dia
em que as sentinelas gritarão
sobre os montes de Efraim:
'Levantai-vos! Subamos a Sião,
ao Senhor, nosso Deus.'»

Porque isto diz o Senhor:
«Soltai gritos de júbilo por Jacob.
Aclamai a primeira das nações!
Fazei ressoar louvores, exclamando:
'Ó Senhor salva o teu povo,
o resto de Israel'.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Vós sereis santos,
porque Eu sou santo, diz o Senhor.

Aleluia aleluia, aleluia

A linguagem do amor é a mais indicada para expressar a aliança do Senhor com o Seu povo: "Eu amei-te com amor eterno, por isso conservei o meu amor por ti. Eu vou reconstruir-te e ficarás construída, ó capital de Israel". O amor de Deus por Israel é "eterno", dura para sempre. Nada o pode parar. Esta aliança inicia com a libertação da escravidão do Egipto e com a entrega da Lei no Sinai. O deserto foi testemunha do amor com que Deus, o noivo, tinha coberto Israel, Sua esposa. Naqueles quarenta anos de caminho no deserto, o povo de Israel aprendeu a amar o Senhor e o Senhor selou com o Seu povo um pacto de fidelidade, que se fundamentava num "amor eterno". O deserto - no contexto desta página bíblica - não é um lugar mítico. É o lugar onde o amor se constrói com tenacidade e dedicação: o crente apercebe-se da força do amor de Deus e, portanto, da Sua resposta à aliança. O deserto torna-se, assim, num caminho de esperança que o levará a "viver em paz". Podemos questionar: onde está o deserto, nos nossos dias? Podemos encontrá-lo nas nossas cidades, muitas vezes desertos de vida e de amor. A vocação da Igreja é a de tornar mais humanas e mais solidárias as cidades dos homens. As comunidades são chamadas a saírem dos próprios restritos e cómodos recintos para habitarem as ruas e as praças das periferias das grandes cidades e transformá-las de espaços de solidão e violência em espaços de amor e de paz. Jerusalém - o nome que indica todas as cidades - significa "viver em paz": de facto, o Senhor vive nela. Por isso - colocada no alto - resplandece de uma luz que se espalha sobre toda a Terra. A exortação para se dirigir a Jerusalém, significa ir para o alto, isto é, abandonar os instintos que empurram para baixo e despender a própria vida para que o projecto de Deus se realize para todos os povos, para os pobres e os doentes, para o "cego e o aleijado", para as mulheres e as crianças. Ninguém deve ficar para trás.