Oração do Dia do Senhor

Compartilhe Em

V de Quaresma
Memória de São Cirilo, bispo de Jerusalém (? 387). Oração por Jerusalém e pela paz na Terra Santa.


Primeira Leitura

Jeremias 31,31-34

Dias virão em que firmarei uma nova aliança com a casa de Israel e a casa de Judá - oráculo do Senhor.

Não será como a aliança que estabeleci com seus pais, quando os tomei pela mão para os fazer sair da terra do Egipto, aliança que eles não cumpriram, embora Eu fosse o seu Deus - oráculo do Senhor.

Esta será a Aliança que estabelecerei, depois desses dias, com a casa de Israel - oráculo do Senhor: Imprimirei a minha lei no seu íntimo e gravá-la-ei no seu coração. Serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Ninguém ensinará mais o seu próximo ou o seu irmão, dizendo: 'Aprende a conhecer o Senhor!' Pois todos me conhecerão, desde o maior ao mais pequeno, porque a todos perdoarei as suas faltas, e não mais lembrarei os seus pecados» - oráculo do Senhor.

Salmo responsorial

Salmo 50 (51)

Ao director do coro. Salmo de David.

Quando o profeta Natan foi ao seu encontro,
depois do adultério com Betsabé.

Tem compaixão de mim, ó Deus, pela tua bondade;
pela tua grande misericórdia, apaga o meu pecado.

Lava-me de toda a iniquidade;
purifica-me dos meus delitos.

Reconheço as minhas culpas
e tenho sempre diante de mim os meus pecados.

Contra ti pequei, só contra ti,
fiz o mal diante dos teus olhos;
por isso é justa a tua sentença
e recto o teu julgamento.

Eis que nasci na culpa
e a minha mãe concebeu-me em pecado.

Tu aprecias a verdade no íntimo do ser
e ensinas-me a sabedoria no íntimo da alma.

Purifica-me com o hissope e ficarei puro,
lava-me e ficarei mais branco do que a neve.

Faz-me ouvir palavras de gozo e alegria
e exultem estes ossos que trituraste.

Desvia o teu rosto dos meus pecados
e apaga todas as minhas culpas.

Cria em mim, ó Deus, um coração puro;
renova e dá firmeza ao meu espírito.

Não me afastes da tua presença,
nem me prives do teu santo espírito!

Dá-me de novo a alegria da tua salvação
e sustenta-me com um espírito generoso.

Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos
e os pecadores hão-de voltar para ti.

Ó Deus, meu salvador, livra-me do crime de sangue,
e a minha língua anunciará a tua justiça.

Abre, Senhor, os meus lábios,
para que a minha boca possa anunciar o teu louvor.

Não te comprazes nos sacrifícios
nem te agrada qualquer holocausto que eu te ofereça.

O sacrifício agradável a Deus é o espírito contrito;
ó Deus, não desprezes um coração contrito e arrependido.

Pela tua bondade, trata bem a Sião;
reconstrói os muros de Jerusalém.

Então aceitarás com agrado os sacrifícios devidos,
os holocaustos e as ofertas;
então serão oferecidos novilhos no teu altar.

Segunda Leitura

Hebreus 5,7-9

Nos dias da sua vida terrena, apresentou orações e súplicas àquele que o podia salvar da morte, com grande clamor e lágrimas, e foi atendido por causa da sua piedade. Apesar de ser Filho de Deus, aprendeu a obediência por aquilo que sofreu e, tornado perfeito, tornou-se para todos os que lhe obedecem fonte de salvação eterna,

Leitura do Evangelho

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

São João 12,20-33

Entre os que tinham subido a Jerusalém à Festa para a adoração, havia alguns gregos. Estes foram ter com Filipe, que era de Betsaida da Galileia, e pediam-lhe: «Senhor, nós queremos ver Jesus!» Filipe foi dizer isto a André; André e Filipe foram dizê-lo a Jesus. Jesus respondeu-lhes: «Chegou a hora de se revelar a glória do Filho do Homem. Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, dá muito fruto. Quem se ama a si mesmo, perde-se; quem se despreza a si mesmo, neste mundo, assegura para si a vida eterna. Se alguém me serve, que me siga, e onde Eu estiver, aí estará também o meu servo. Se alguém me servir, o Pai há-de honrá-lo. Agora a minha alma está perturbada. E que hei-de Eu dizer? Pai, salva-me desta hora? Mas precisamente para esta hora é que Eu vim! Pai, manifesta a tua glória!» Veio, então, uma voz do Céu: «Já a manifestei e voltarei a manifestá-la!» Entre as pessoas presentes, que escutaram, uns diziam que tinha sido um trovão; outros diziam: «Foi um Anjo que lhe falou!» Jesus respondeu: «Esta voz não veio por causa de mim, mas por amor de vós. Agora é o julgamento deste mundo; agora é que o dominador deste mundo vai ser lançado fora. E Eu, quando for erguido da terra, atrairei todos a mim.» Dizia isto dando a entender de que espécie de morte havia de morrer.

 

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Homilia

"Queremos ver Jesus". Este é o pedido de alguns gregos que tinham ido ao culto durante a festa. "Queremos ver" Aquele Mestre que fala como nenhum homem o tinha feito. "Queremos ver" Aquele que tem misericórdia dos pecadores, que não veio julgar mas salvar o mundo. "Queremos ver Jesus". É o pedido do nosso mundo perdido, confuso, marcado pela violência e pela guerra, arrebatado pelas razões do conflito que endurecem os corações, que semeiam inimizades, que armam as mãos e as ideias de muitos.
"Se o grão de trigo não cai na terra e não morre, fica sozinho. Mas, se morre, produz muito fruto", diz Jesus. Não foi suficiente para Ele descer à Terra, apesar disso mostrar já o Seu incrível amor pelos homens. Queria dar toda a Sua vida até ao fim. Não é que Jesus procurasse a morte. Antes pelo contrário, tinha medo de morrer. Na Epístola aos Hebreus que lemos como segunda leitura, está escrito: "Durante a sua vida na Terra, Cristo fez orações e súplicas a Deus, em voz alta e com lágrimas, ao Deus que O podia salvar da morte, e Deus escutou-O porque Ele foi submisso". No entanto - e é aqui que reside o grande mistério da Cruz - a obediência ao Evangelho e o amor pelos homens foram para Jesus mais preciosos do que a Sua própria vida. Na verdade, não tinha vindo para a Terra para "ficar só", mas para dar "muitos frutos". E indica o caminho para dar frutos com as seguintes palavras: "Quem tem apego à sua vida vai perdê-la; quem despreza a sua vida neste mundo vai conservá-la para a vida eterna". É uma frase que parece incompreensível e, nalguns aspectos é, por ser totalmente alheia ao senso comum. Todos gostamos de conservar a vida, guardá-la, preservá-la. Ninguém "despreza" a própria vida, como parece, pelo contrário, sugerir o texto evangélico. Basta pensar no zelo que todos temos pelo nosso corpo e nos cuidados que lhe reservamos. O sentido destes dois termos (apego e desprezo) deve ser entendido à luz da própria vida de Jesus, do Seu modo de Se comportar, de amar, de Se empenhar. Jesus viveu toda a Sua vida amando os homens mais do que a Si mesmo. E a Cruz é a hora em que este amor se manifesta na sua clareza mais elevada. A vida de todos nós é como um grão que pode dar frutos extraordinários, mesmo para além da nossa tão breve existência e das nossas capacidades tão limitadas.
A escolha de Jesus não é indolor. O Seu amor não é um sentimento vazio ou uma sensação, mas uma escolha forte, apaixonada que enfrenta o mal porque é mais forte do que o mal! "Agora estou muito perturbado", desabafa Jesus. O verbo significa "cheio de medo", "triste até à morte". Pobre Jesus! Perturba-se diante do mal, como qualquer homem. Mas não foge, à procura de uma situação nova; não Se refugia nas coisas que devem ser feitas; não descarrega a responsabilidade nos outros; não negoceia com o inimigo; não amaldiçoa; não Se ilude com a força da espada. Jesus entrega-Se ao Pai que O mandou para salvar os homens. A vitória sobre a perturbação não é o fatalismo ou a coragem, mas a confiança no amor do Pai que dá a glória, isto é, a plenitude daquilo que cada um de nós é. Jesus diz: "E o que vou dizer: Pai, livra-Me desta hora?". Não, entrega-Se ao Pai. Também nós podemos seguir o Seu exemplo na hora do sofrimento, da tristeza, das trevas, para que na nossa fraqueza possamos ver a glória de Deus, isto é, se manifeste a força extraordinária do amor. E o Pai não negou a Sua voz que veio do Céu: "Manifestei a glória do meu Nome e vou manifestá-la de novo". Jesus explica às pessoas que aquela voz veio para eles e não para Si. É a voz do Evangelho, que nos leva a abrir os olhos, a não adiar para amanhã, mas a entender hoje o segredo daquele grão de trigo que morre para dar fruto.