Oração do Dia do Senhor

Compartilhe Em

IV de Páscoa


Primeira Leitura

Actos dos Apóstolos 4,8-12

Então Pedro, cheio do Espírito Santo, disse-lhes:
«Chefes do povo e anciãos,

já que hoje somos interrogados sobre um benefício feito a um enfermo e sobre o modo como ele foi curado,

ficai sabendo todos vós e todo o povo de Israel: É em nome de Jesus Nazareno, que vós crucificastes e Deus ressuscitou dos mortos, é por Ele que este homem se apresenta curado diante de vós.

Ele é a pedra que vós, os construtores, desprezastes e que se transformou em pedra angular.

E não há salvação em nenhum outro, pois não há debaixo do céu qualquer outro nome, dado aos homens, que nos possa salvar.»

Salmo responsorial

Salmo 117 (118)

Louvai o Senhor, porque Ele é bom,
porque o seu amor é eterno.

Diga a casa de Israel:
«O seu amor é eterno.»

Diga a casa de Aarão:
«O seu amor é eterno.»

Digam os que crêem no Senhor:
«O seu amor é eterno.»

Na minha angústia clamei ao Senhor:
o Senhor escutou-me e pôs-me a salvo.

O Senhor está comigo, nada tenho a temer;
que mal me poderão fazer os homens?

O Senhor está comigo e protege-me;
hei-de ver humilhados os meus inimigos.

É melhor confiar no Senhor
do que fiar-se nos homens;

é melhor confiar no Senhor
do que fiar-se nos poderosos.

Cercaram-me todos os povos,
mas eu aniquilei-os em nome do Senhor.

Rodearam-me e cercaram-me,
mas eu aniquilei-os em nome do Senhor.

Cercaram-me como um enxame de vespas,
a sua fúria crepitava como fogo entre espinhos,
mas eu aniquilei-os em nome do Senhor.

Empurraram-me com violência para eu cair,
mas o Senhor veio em meu auxílio.

O Senhor é o meu refúgio e a minha força;
Ele é a minha salvação.

Ouvem-se vozes de alegria e de vitória
nas tendas dos justos:
«A mão do Senhor fez maravilhas,

a mão do Senhor foi magnífica;
a mão do Senhor fez maravilhas.»

Não morrerei, antes viverei,
para narrar as obras do Senhor.

O Senhor castigou-me com dureza,
mas não me deixou morrer.

Abri-me as portas da justiça:
quero entrar para dar graças ao Senhor.

Esta é a porta do Senhor:
os justos entrarão por ela.

Eu te darei graças, porque me respondeste,
porque foste o meu salvador.

A pedra que os construtores rejeitaram
veio a tornar-se pedra angular.

Isto foi obra do Senhor
e é um prodígio aos nossos olhos.

Este é o dia da vitória do Senhor:
cantemos e alegremo-nos nele!

Senhor, salva-nos!
Senhor, dá-nos a vitória!

Bendito o que vem em nome do Senhor!
Da casa do Senhor nós vos abençoamos.

O Senhor é Deus; Ele tem-nos iluminado!
Entrançai as ramagens de festa até às hastes do altar.

Tu és o meu Deus e eu te dou graças.
Sim, Tu és o meu Deus e eu te exaltarei.

Louvai o Senhor, porque Ele é bom,
porque o seu amor é eterno.

Segunda Leitura

I São João 3,1-2

Vede que amor tão grande o Pai nos concedeu, a ponto de nos podermos chamar filhos de Deus; e, realmente, o somos! É por isso que o mundo não nos conhece, uma vez que o não conheceu a Ele. Caríssimos, agora já somos filhos de Deus, mas não se manifestou ainda o que havemos de ser. O que sabemos é que, quando Ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque o veremos tal como Ele é.

Leitura do Evangelho

Aleluia aleluia, aleluia

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Aleluia aleluia, aleluia

São João 10,11-18

Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. O mercenário, e o que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, vê vir o lobo e abandona as ovelhas e foge e o lobo arrebata-as e espanta-as, porque é mercenário e não lhe importam as ovelhas. Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem-me, assim como o Pai me conhece e Eu conheço o Pai; e ofereço a minha vida pelas ovelhas. Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil. Também estas Eu preciso de as trazer e hão-de ouvir a minha voz; e haverá um só rebanho e um só pastor. É por isto que meu Pai me tem amor: por Eu oferecer a minha vida, para a retomar depois. Ninguém ma tira, mas sou Eu que a ofereço livremente. Tenho poder de a oferecer e poder de a retomar. Tal é o encargo que recebi de meu Pai.»

 

Aleluia aleluia, aleluia

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Aleluia aleluia, aleluia

Homilia

Jesus apresenta-Se como o "Bom Pastor", isto é, como Aquele que reúne e guia as ovelhas ao ponto de lhes oferecer a própria vida para a salvação delas. E acrescenta que quem não oferece a vida pelas suas ovelhas, não é pastor, mas mercenário. Para indicar o perigo, usa a imagem do lobo que "ataca e dispersa" as ovelhas.
A bem ver, a acção do lobo é congenial ao comportamento do mercenário. Com efeito, aos dois importa apenas o próprio interesse, a própria satisfação, o próprio lucro e não o das ovelhas. Daí resulta uma espécie de diabólica conjura dos indiferentes e dos egoístas. Se pensarmos em quantos perderam o sentido da vida e que vagueiam sem meta, se olharmos para os milhões de refugiados que abandonam as próprias terras e os próprios afectos à procura de uma vida melhor sem que ninguém se preocupe, se observarmos a debandada dos jovens à procura da felicidade sem que haja alguém que lhes indique o caminho, deveremos constatar a cruel aliança entre os lobos e os mercenários, entre os indiferentes e os que procuram só tirar vantagens pessoais dessa debandada. Escreve o profeta Ezequiel: "as minhas ovelhas espalharam-se por toda a terra, e ninguém as procura para cuidar delas" (Ez 34, 6).
O Senhor Jesus afirma: "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas". E é isso que fez nos dias da Paixão, amando os Seus até ao fim, até ao derramamento do sangue. No fundo, o Evangelho não fala de outra coisa senão deste laço entre multidões abandonadas, exaustas e sem pastor e Jesus que Se comove por elas. "Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, será que não deixa as noventa e nove no campo para ir procurar a ovelha que se perdeu, até a encontrar?" (Lc 15, 4), diz o Senhor. Atribui-se a São Carlos Borromeo a seguinte frase: "Para salvar uma alma, uma só, iria até ao inferno". É este o ânimo do pastor: ir até ao inferno, isto é, até ao limite mais baixo para salvar uma pessoa. Nesta perspectiva, pode-se compreender também a "descida aos infernos" de Jesus no Sábado Santo. Como Bom Pastor, foi procurar aquele que se tinha perdido, quem estava e é esquecido, quem estava e continua no inferno deste mundo que o mal e os homens criaram.
O Papa Francisco insiste para que os pastores se sujem com "o cheiro" das ovelhas. E devemos rezar para que o Senhor dê à Sua Igreja jovens que escutem a exortação a serem "pastores" segundo o próprio coração.
Mas é de uma comunidade de crentes que se preocupa pelo próximo que podem nascer os "pastores". Com efeito, o bom pastor não é um herói, mas é uma pessoa que ama. Amar o próximo significa ter sentimentos largos como os que Jesus tinha: "Tenho também outras ovelhas que não são deste redil: também tenho de as conduzir. Elas ouvirão a minha voz e haverá um só rebanho e um só pastor". O amor de Deus faz-nos comover por aqueles que vagueiam nas nossas cidade à procura de um porto seguro, por aquele homem ou aquela mulher próximos ou afastados que esperam por consolação e não a encontram. Toda a comunidade cristã, unida ao Senhor Jesus, é chamada a comover-se pelas multidões. E com Jesus, reza para que não faltem trabalhadores para a vinha do Senhor. Ao mesmo tempo, cada crente, diante de Deus e "dos campos que já estão dourados para a colheita" (Jo 4, 35), deve dizer com o profeta: "Aqui estou Senhor. Envia-me!" (Is 6, 8).